Movimento de passageiros nos aeroportos de Cabo Verde caiu 33,8% até Setembro

12-10-2021 (15h36)

Foto: www.governo.cv
Foto: www.governo.cv

O movimento total de passageiros nos aeroportos cabo-verdianos caiu este ano 33,8%, até Setembro, em termos homólogos, para menos de 460.000, devido às restrições impostas pela pandemia de covid-19.

De acordo com dados compilados pela Agência Lusa a partir das estatísticas da Agência de Aviação Civil (AAC), que regula o sector em Cabo Verde, os aeroportos e aeródromos do arquipélago registaram de Janeiro a Setembro de 2021 um movimento de 9.148 aeronaves em embarques e desembarques (quebra de 15,8% face a 2020), em voos internacionais e domésticos.

O número de passageiros em embarques, desembarques e trânsito nos nove meses deste ano foi de 192.558 em voos domésticos e 265.901 em voos internacionais, traduzindo-se num movimento global de 458.459 passageiros, contra os 693.035 em igual período de 2020 (-33,8%). Contudo, os aeroportos cabo-verdianos só funcionaram em 2020 até Março, tendo sido suspensas todas as ligações aéreas, domésticas (até Julho) e internacionais (até Outubro), para conter a pandemia de covid-19.

De Janeiro a Setembro de 2019, antes da pandemia de covid-19, os aeroportos de Cabo Verde movimentaram 2.064.110 passageiros, em 26.020 movimentos de aeronaves em voos domésticos e internacionais.

Cabo Verde tem quatro aeroportos internacionais, nas ilhas de Santiago, do Sal, da Boa Vista e de São Vicente, e três aeródromos, nas ilhas de São Nicolau, Maio e Fogo, todos operados pela ASA.

A Lusa noticiou recentemente que o movimento nos aeroportos de Cabo Verde deverá ficar abaixo de 500 mil passageiros em 2021, agravando a perda de quase dois milhões de passageiros no ano passado, segundo as estimativas da empresa estatal Aeroportos e Segurança Aérea (ASA).

As previsões constam do relatório e contas de 2020 da empresa que gere os quatro aeroportos internacionais e três aeródromos do país, fortemente afectada pela pandemia de covid-19, que levou a um prejuízo de 1.771 milhões de escudos (-16 milhões de euros) no ano passado.

A actividade da ASA encontra-se “fortemente condicionada, sendo que apresenta diferentes perspectivas entre segmentos de negócio para 2021”, reconhece a empresa, admitindo que no caso do segmento de Gestão Aeroportuária, o cenário para este ano é “conservador, sendo fortemente dependente do sector do turismo, que se encontra perante um desafio sem precedentes”.

“Neste contexto, em 2021, o movimento de aeronaves deverá apresentar uma nova redução, prevendo-se uma quebra em torno dos 18%, face a 2020, reflectindo-se num movimento de passageiros cerca de 38% abaixo de 2020. Para estas perspectivas contribui, igualmente, a questão do primeiro trimestre de 2020 (…), na qual se continuava a observar um crescimento do tráfego apenas interrompido no decorrer de Março de 2020 [devido às restrições provocadas pela pandemia]”, lê-se no relatório.

Esta previsão agrava o cenário de 2020, em que segundo o relatório e contas da empresa, que contabilizou no ano passado um movimento de 775.998 passageiros (embarques, desembarques e em trânsito), menos 72% (perda de quase dois milhões de passageiros) face a 2019, enquanto o movimento de aeronaves caiu 63% (menos 22.000), para 13.162.

A concretizarem-se essas previsões, os aeroportos de Cabo Verde deverão receber este ano (desembarques, embarques e trânsito) cerca de 481 mil passageiros (2.771.931 em 2019, antes da pandemia) e quase 10.800 movimentos de aeronaves (35.202 em 2019).

Cabo Verde registou em 2019 um recorde de 819 mil turistas, sector que garante 25% do Produto Interno Bruto, mas que está parado desde Março de 2020, devido às restrições impostas pela pandemia de covid-19, afectando igualmente o sector aeronáutico e de navegação aérea.

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: África

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Turismo deve regressar aos números pré-pandémicos em 2023 – Rita Marques

20-10-2021 (16h26)

A secretária de Estado do Turismo de Portugal, Rita Marques, afirmou hoje em Madrid que o Governo espera que o setor regresse em 2023 aos valores que faturou em 2019, antes da pandemia de covid-19.

Airmet junta 150 pessoas na celebração do seu 15º aniversário em Lisboa

20-10-2021 (16h08)

A Airmet assinalou o seu 15º aniversário com um evento em Lisboa, onde juntou 150 pessoas, e tem novo encontro marcado para esta sexta-feira, dia 22, no Porto.

São Tomé e Príncipe e Gana assinam acordos de mobilidade, turismo e consultas políticas

20-10-2021 (15h46)

Os Governos de São Tomé e Príncipe e do Gana assinaram, em São Tomé, um acordo geral de cooperação e três outros nas áreas de mobilidade, turismo e consultas políticas que serão dinamizadas por uma comissão mista.

Pandemia atira novos projectos da Hoti Hotéis para 2028

20-10-2021 (15h29)

A Hoti Hotéis concentrou os seus esforços durante a pandemia em renovações das unidades hoteleiras, conseguindo subidas de preço médio, mas viu-se obrigada a adiar a abertura de novos hotéis, que, segundo o CEO do Grupo, aguardam a “reabertura gradual do mercado de financiamento”.

Venezuela restringe voos internacionais por tempo indeterminado

20-10-2021 (15h25)

As autoridades venezuelanas prolongaram, por tempo indeterminado, as restrições às operações aéreas internacionais em vigor no país, devido à quarentena preventiva da covid-19.

Opinião e Análise