Financeiros do G20 comprometem-se a manter apoios à economia

14-10-2021 (13h46)

Foto: Unsplash / Amirreza Jambi
Foto: Unsplash / Amirreza Jambi

Os ministros das Finanças e banqueiros centrais do Grupo dos 20 (G-20), reunidos em Washington, comprometeram-se hoje a evitar “qualquer retirada prematura” de apoios à economia, ao mesmo tempo que acompanham de perto as pressões inflacionistas.

“Vamos continuar a apoiar a recuperação, evitando toda a retirada prematura das medidas de apoio, ao mesmo tempo que preservamos a estabilidade financeira e a viabilidade orçamental a longo prazo”, segundo um comunicado publicado depois da reunião.

Os bancos centrais também se comprometeram a vigiar “de perto da evolução dos preços” e a comunicar de maneira transparente.

O compromisso com a ajuda à economia ocorre quando a inflação acelerou no mundo, sob o efeito de uma recuperação da procura depois da recessão de 2020, provocada pela pandemia do novo coronavirus.

As atenções estão focadas nos principais bancos centrais, designadamente a Reserva Federal (Fed) dos EUA, que deve decidir em Novembro se começa a reduzir a sua ajuda à economia.

Os grandes banqueiros reuniram-se em Washington por ocasião das reuniões de Outono do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial.

Sublinharam que vão utilizar “todos os instrumentos disponíveis o tempo que for necessário” para acompanhar as pessoas mais afectadas pela crise provocada pela pandemia: as mulheres, os jovens e os trabalhadores precários e pouco qualificados.

O FMI, que reduziu a sua previsão de crescimento mundial para 5,9% em 2021, depois de ter avançado seis por cento em Julho, preveniu contra a grande diferença na recuperação associada a uma vacinação atrasada nos países em desenvolvimento.

Sobre a vacinação, adiantaram que vão esforçar-se “em ajudar a resolver os pontos de estrangulamentos e penúrias de instrumentos de luta contra o covid-19 nos países de rendimentos fraco e médios, durante os próximos meses”.

Garantiram ainda o seu compromisso com a garantia de um “acesso seguro, equitativo e abordável às vacinas, aos produtos terapêuticos e aos diagnósticos”.

Clique para ver mais: Mercados

Clique para ver mais: Empresas & Negócios

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Turismo deve regressar aos números pré-pandémicos em 2023 – Rita Marques

20-10-2021 (16h26)

A secretária de Estado do Turismo de Portugal, Rita Marques, afirmou hoje em Madrid que o Governo espera que o setor regresse em 2023 aos valores que faturou em 2019, antes da pandemia de covid-19.

Airmet junta 150 pessoas na celebração do seu 15º aniversário em Lisboa

20-10-2021 (16h08)

A Airmet assinalou o seu 15º aniversário com um evento em Lisboa, onde juntou 150 pessoas, e tem novo encontro marcado para esta sexta-feira, dia 22, no Porto.

São Tomé e Príncipe e Gana assinam acordos de mobilidade, turismo e consultas políticas

20-10-2021 (15h46)

Os Governos de São Tomé e Príncipe e do Gana assinaram, em São Tomé, um acordo geral de cooperação e três outros nas áreas de mobilidade, turismo e consultas políticas que serão dinamizadas por uma comissão mista.

Pandemia atira novos projectos da Hoti Hotéis para 2028

20-10-2021 (15h29)

A Hoti Hotéis concentrou os seus esforços durante a pandemia em renovações das unidades hoteleiras, conseguindo subidas de preço médio, mas viu-se obrigada a adiar a abertura de novos hotéis, que, segundo o CEO do Grupo, aguardam a “reabertura gradual do mercado de financiamento”.

Venezuela restringe voos internacionais por tempo indeterminado

20-10-2021 (15h25)

As autoridades venezuelanas prolongaram, por tempo indeterminado, as restrições às operações aéreas internacionais em vigor no país, devido à quarentena preventiva da covid-19.

Opinião e Análise