Presidente da Comissão Europeia em Lisboa na quarta-feira para ‘validar’ PRR português

11-06-2021 (13h29)

Foto: Comissão Europeia
Foto: Comissão Europeia

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, desloca-se a Lisboa na próxima quarta-feira, com o objetivo de anunciar formalmente a aprovação do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) português, ainda sujeito a aprovação pelo colégio, noticia a Agência Lusa.

Depois de a própria Von der Leyen ter anunciado, na passada terça-feira, que a Comissão iria “começar a aprovar já na próxima semana os planos para adopção do Conselho”, o executivo comunitário anunciou que a presidente vai deslocar-se a cinco Estados-membros entre 16 e 18 de Junho, para anunciar o resultado das primeiras avaliações que Bruxelas se prepara para finalizar, ‘antecipando’ assim os cinco primeiros países que verão os seus PRR aprovados: Portugal e Espanha (16 de junho), Grécia e Dinamarca (dia 17) e Luxemburgo (18).

A porta-voz do executivo comunitário Dana Spinant sublinhou que o anúncio da aprovação dos primeiros planos para os Estados-membros acederem aos fundos do pacote de recuperação «NextGenerationEU» está ainda sujeito a aprovação pelo colégio de comissários, e, embora se tenha escusado a entrar em pormenores sobre o calendário preciso deste processo, tal deverá suceder na reunião semanal agendada para terça-feira, 15 de junho.

Portugal, que foi o primeiro Estado-membro a entregar formalmente em Bruxelas, em Abril, o respectivo Plano de Recuperação e Resiliência – que prevê projetcos de 16,6 mil milhões de euros, 13,9 mil milhões dos quais dizem respeito a subvenções a fundo perdido –, espera que seja possível a adopção dos primeiros planos pelo Conselho ainda durante a sua presidência, que termina no final do corrente mês de junho.

Insistindo que a esperada aprovação pela Comissão deste primeiro pacote de planos de cinco Estados-membros está ainda dependente da finalização da avaliação pelos serviços da Comissão – “está mesmo muito adiantada, estamos nos últimos metros”, disse – e da adopção pelo colégio de comissários no seu conjunto, a porta-voz Dana Spinant admitiu que “o que está previsto realmente é entregar [nas capitais] o resultado da avaliação e a recomendação ao Conselho para aprovação”.

A porta-voz acrescentou que o objetivo das visitas de Von der Leyen aos cinco Estados-membros na próxima semana “é também recordar as prioridades europeias que estes planos nacionais têm de seguir ao logo de toda a sua implementação” e apontou que a presidente da Comissão “tenciona igualmente visitar projectos que são ou vão ser financiados no quadro dos PRR”.

Em 1 de Junho, e uma vez concluído o processo de ratificação da decisão de recursos próprios pelos 27 Estados-membros – que era uma condição indispensável para Bruxelas poder ir aos mercados emitir dívida para financiar o pacote de recuperação -, a Comissão anunciou que iria emitir cerca de 80 mil milhões de euros em obrigações de longo prazo, a primeira operação para angariar financiamento destinado a apoiar a recuperação económica europeia pós-crise pandémica.

Para financiar a recuperação, a Comissão Europeia vai, em nome da UE, contrair empréstimos nos mercados de capitais até 750 mil milhões de euros a preços de 2018 - ou até cerca de 800 mil milhões de euros a preços correntes -, o que se traduz em empréstimos de cerca de 150 mil milhões de euros por ano, em média, entre meados de 2021 e 2026, fazendo da UE um dos principais mercados emissores.

As verbas vão financiar o Mecanismo de Recuperação e Resiliência, avaliado em 672,5 mil milhões de euros (a preços de 2018) e elemento central do “Next Generation EU”, o fundo de 750 mil milhões de euros aprovado pelos líderes europeus em Julho de 2020 para a recuperação económica da UE da crise provocada pela pandemia de covid-19.

O pré-financiamento de 13% do montante total atribuído a cada Estado-membro será disponibilizado aos governos nacionais após a aprovação dos seus planos pelo Conselho de ministros das Finanças da UE (Ecofin), sendo que o próximo celebrar-se-á já na próxima sexta-feira, 18 de Junho.

A presidência portuguesa já deu conta da sua disponibilidade para organizar um Ecofin extraordinário no final de Junho, se tal for necessário para a adoção do primeiro pacote de planos.

 

Clique para mais notícias: Comissão Europeia

Clique para mais notícias: Plano de Recuperação e Resiliência

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Air France aumenta oferta para Portugal “em quase 25%” face ao Verão de 2019

15-06-2021 (15h21)

A Air France vai concentrar a sua oferta de voos na Europa em destinos de lazer como Portugal, para onde prevê aumentar a oferta “em quase 25%” face a 2019, e Grécia, para onde planeia aumentar a oferta “em quase 80%”.

Grupo Lufthansa quer atingir 75% de bilhetes vendidos directamente

15-06-2021 (12h25)

O Grupo Lufthansa, que foi pioneiro na aplicação de sobretaxas às vendas de bilhetes através dos sistemas globais de reservas (GDS), pondo em causa o modelo de negócios dominante nas agências, anunciou agora pretender atingir 75% das vendas por canais próprios até 2024.

Grupo Lufthansa vai fechar SunExpress Deutschland e voos de passageiros da Germanwings

15-06-2021 (12h09)

O Grupo Lufthansa, que quer emergir ‘mais magro’ desta crise provocada pela pandemia de covid-19, indicou hoje que entre as medidas que vai adoptar estão fechar a SunExpress Deutschland, subsidiária com o mesmo nome da joint-venture com a Turkish, e descontinuar os voos de passageiros da Germanwings, bem como fechar “múltiplas outras bases e localizações”.

Grupo Lufthansa já ‘cortou’ “quase 26.000” postos de trabalho

15-06-2021 (11h18)

O Grupo Lufthansa informou que já avançou com uma redução de "quase 26.000" postos de trabalho e que para a Alemanha tem previsto reduzir "o equivalente, em termos de custos", a dez mil posições.

Reino Unido adia desconfinamento até 19 Julho

15-06-2021 (11h09)

O primeiro-ministro britânico confirmou que a última fase do plano de desconfinamento em Inglaterra, prevista para 21 de Junho, vai ser adiada por quatro semanas, até 19 de Julho, devido ao risco de “milhares de mortes”.

Opinião e Análise