Parlamento Europeu aprova certificado covid-19

09-06-2021 (14h16)

Foto: Unsplash / Guillaume Perigois
Foto: Unsplash / Guillaume Perigois

O Parlamento Europeu aprovou a adopção do certificado digital covid-19, que permitirá aos cidadãos comunitários já vacinados, recuperados de uma infecção ou testados viajar sem restrições dentro da União Europeia, a partir de 1 de Julho.

Numa votação realizada na terça-feira, em Estrasburgo, mas cujo resultado apenas foi divulgado hoje de manhã – devido à contagem dos votos à distância, dado a sessão plenária ter sido em formato híbrido -, a assembleia deu ‘luz verde’ ao certificado, com 546 votos a favor, 93 contra e 51 abstenções.

Depois de, em meados de Maio, os negociadores da presidência portuguesa do Conselho da UE e do Parlamento Europeu terem chegado a um acordo político sobre o certificado, proposto pela Comissão Europeia em Março passado, a aprovação pela assembleia do texto do compromisso que enquadra juridicamente o documento abre caminho à sua entrada em vigor, tal como previsto, em 1 de Julho, por 12 meses.

Concebido para facilitar o regresso à livre circulação dentro da UE e apoiar designadamente o sector do turismo, numa tentativa de ‘salvar’ o Verão de 2021, este ‘livre-trânsito’, que deverá ser gratuito, funcionará de forma semelhante a um cartão de embarque para viagens, em formato digital e/ou papel, com um código QR para ser facilmente lido por dispositivos eletrónicos, e que seja disponibilizado gratuitamente, e na língua nacional do cidadão e em inglês.

No quadro da implementação deste certificado europeu, prevê-se que os Estados-membros não voltem a aplicar restrições, quando quase metade dos europeus já recebeu a primeira dose da vacina contra a doença covid-19, a não ser que a situação epidemiológica o justifique, mas caberá sempre aos governos nacionais decidir se os viajantes com o certificado terão de ser submetidos a quarentenas, a mais testes (por exemplo, além dos de entrada) ou a requisitos adicionais.

Na terça-feira, a Comissão Europeia instou os Estados-membros da UE a começarem já a emitir certificados comprovativos da vacinação, recuperação ou testagem à covid-19, visando evitar “grandes bloqueios” no arranque oficial do documento digital ao nível comunitário.

 

Clique para mais notícias: Covid-19

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Air France aumenta oferta para Portugal “em quase 25%” face ao Verão de 2019

15-06-2021 (15h21)

A Air France vai concentrar a sua oferta de voos na Europa em destinos de lazer como Portugal, para onde prevê aumentar a oferta “em quase 25%” face a 2019, e Grécia, para onde planeia aumentar a oferta “em quase 80%”.

Grupo Lufthansa quer atingir 75% de bilhetes vendidos directamente

15-06-2021 (12h25)

O Grupo Lufthansa, que foi pioneiro na aplicação de sobretaxas às vendas de bilhetes através dos sistemas globais de reservas (GDS), pondo em causa o modelo de negócios dominante nas agências, anunciou agora pretender atingir 75% das vendas por canais próprios até 2024.

Grupo Lufthansa vai fechar SunExpress Deutschland e voos de passageiros da Germanwings

15-06-2021 (12h09)

O Grupo Lufthansa, que quer emergir ‘mais magro’ desta crise provocada pela pandemia de covid-19, indicou hoje que entre as medidas que vai adoptar estão fechar a SunExpress Deutschland, subsidiária com o mesmo nome da joint-venture com a Turkish, e descontinuar os voos de passageiros da Germanwings, bem como fechar “múltiplas outras bases e localizações”.

Grupo Lufthansa já ‘cortou’ “quase 26.000” postos de trabalho

15-06-2021 (11h18)

O Grupo Lufthansa informou que já avançou com uma redução de "quase 26.000" postos de trabalho e que para a Alemanha tem previsto reduzir "o equivalente, em termos de custos", a dez mil posições.

Reino Unido adia desconfinamento até 19 Julho

15-06-2021 (11h09)

O primeiro-ministro britânico confirmou que a última fase do plano de desconfinamento em Inglaterra, prevista para 21 de Junho, vai ser adiada por quatro semanas, até 19 de Julho, devido ao risco de “milhares de mortes”.

Opinião e Análise