Companhias áreas reivindicam fim de restrições na UE no Verão

11-06-2021 (11h25)

Foto: Iberia
Foto: Iberia

A Airlines For Europe (A4E) reivindicou o fim de todas as restrições impostas pela pandemia da covid-19 para viagens no Verão dentro da União Europeia (UE) através de uma declaração na sua plataforma.

Segundo noticiou a agência EFE, citada pela Agência Lusa, as companhias aéreas defendem ainda o restabelecimento das ligações com os Estados Unidos da América e com o Reino Unido.

A posição do sector assenta na previsão de que em Julho, 70% dos adultos terão sido “inoculados com uma dose da vacina contra covid-19".

"Os países da UE devem restabelecer rapidamente a liberdade de circulação dos cidadãos e implementar o sistema de certificados digitais covid sem restrições adicionais", defenderam as principais companhias aéreas europeias no encontro anual da A4E.

A UE decidiu adoptar um certificado que permite que pessoas vacinadas, recuperadas da doença ou com testes negativos possam viajar nos Estados-membros a partir de 1 de Julho, evitando quarentenas e testes diagnósticos.

Os países têm, no entanto, o direito de aplicar restrições adicionais devido à situação epidemiológica de cada um, situação que as companhias aéreas querem evitar depois de um ano e meio practicamente sem voos.

"A ciência é clara. As viagens seguras e sem restrições já são possíveis para muitos voos dentro da Europa", disse o presidente da A4E e CEO da easyJet, Johan Lundgren.

O comissário europeu para o Interior, Diddier Reynders, disse esperar que "este ano seja melhor que 2020", considerando que há "uma tendência" nos 27 para retirar as restrições.

O sector de aviação defende ainda que "as pessoas que, nos últimos seis meses, recuperaram da doença causada pelo novo coronavírus possam viajar sem restrições, desde que apresentem teste negativo, e que as crianças não vacinadas que viajem acompanhados não necessitem de ficar em quarentena ou ser submetidas a testes de despiste da doença se os pais estiverem negativos".

"Se olharmos para as taxas de vacinação nos EUA, na UE ou no Reino Unido, não faz sentido fechar esse corredor", disse Luís Gallego Martín, CEO da AIG, empresa que controla a Iberia e a British Airways.

O sector quer também que as áreas classificadas como de médio risco sejam aumentadas de 50 para 75 novos casos por 100.000 habitantes em 14 dias.

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Europa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Air France aumenta oferta para Portugal “em quase 25%” face ao Verão de 2019

15-06-2021 (15h21)

A Air France vai concentrar a sua oferta de voos na Europa em destinos de lazer como Portugal, para onde prevê aumentar a oferta “em quase 25%” face a 2019, e Grécia, para onde planeia aumentar a oferta “em quase 80%”.

Grupo Lufthansa quer atingir 75% de bilhetes vendidos directamente

15-06-2021 (12h25)

O Grupo Lufthansa, que foi pioneiro na aplicação de sobretaxas às vendas de bilhetes através dos sistemas globais de reservas (GDS), pondo em causa o modelo de negócios dominante nas agências, anunciou agora pretender atingir 75% das vendas por canais próprios até 2024.

Grupo Lufthansa vai fechar SunExpress Deutschland e voos de passageiros da Germanwings

15-06-2021 (12h09)

O Grupo Lufthansa, que quer emergir ‘mais magro’ desta crise provocada pela pandemia de covid-19, indicou hoje que entre as medidas que vai adoptar estão fechar a SunExpress Deutschland, subsidiária com o mesmo nome da joint-venture com a Turkish, e descontinuar os voos de passageiros da Germanwings, bem como fechar “múltiplas outras bases e localizações”.

Grupo Lufthansa já ‘cortou’ “quase 26.000” postos de trabalho

15-06-2021 (11h18)

O Grupo Lufthansa informou que já avançou com uma redução de "quase 26.000" postos de trabalho e que para a Alemanha tem previsto reduzir "o equivalente, em termos de custos", a dez mil posições.

Reino Unido adia desconfinamento até 19 Julho

15-06-2021 (11h09)

O primeiro-ministro britânico confirmou que a última fase do plano de desconfinamento em Inglaterra, prevista para 21 de Junho, vai ser adiada por quatro semanas, até 19 de Julho, devido ao risco de “milhares de mortes”.

Opinião e Análise