World2Fly planeia basear em Lisboa o seu 3º avião, Gabriel Subías

31-03-2021 (14h18)

A World2Fly, que começa a voar de Lisboa para as Caraíbas em Julho com um A330, tem encomendados dois aviões A350, um deles para basear em Lisboa a partir de Maio do próximo ano, altura em que conta ter já as suas operações à venda como voos regulares, revelou hoje o CEO da W2M, Gabriel Subías.

As operações da World2Fly à saída de Lisboa este ano serão com um avião A330 de 388 lugares, com um voo por semana para Cancun a partir de 11 de Julho, um voo semanal para Varadero a partir 17 de Julho e outro para Punta Cana a partir de 19 de Julho.

Para este Verão “é muito apertado” conseguir autorizações para comercializar as operações charter como voos regulares, mas “é nossa intenção”, afirmou Gabriel Subías, que falava hoje numa conferência online com a imprensa portuguesa.

Além do A330 baseado em Lisboa, a companhia de aviação do Grupo Iberostar tem previsto receber um A350 com 432 lugares no próximo mês para voar de Madrid para as Caraíbas (para ler mais clique aqui).

Em 2022, a World2Fly prevê receber o seu terceiro avião, também um A350, que “vai basear-se em Lisboa a partir de Maio”, afirmou o CEO da W2M.

A expectativa de Gabriel Subías para este ano, que diz ser “um ano muito peculiar”, é “encher os voos desde Portugal”, reconhecendo porém a imprevisibilidade das restrições de viagens.

“A nossa expectativa é difícil porque cada mês as coisas mudam, estamos mais dependentes da regulação sanitária do que da procura”, sublinhou Gabriel Subías.

O CEO da W2M considera que “quando se normalizar a situação, quando pudermos sair de casa, quando estivermos vacinados, a vontade de viajar é grande e haverá uma grande procura, é o que esperamos”.

A operação turística da W2M nos mercados português e espanhol é o terceiro projecto liderado por Gabriel Subías, depois da Orizonia e da Ávoris.

A W2M chegou a Portugal em 2016 com negócios de receptivo e banco de camas, estando este ano a lançar a companhia aérea World2Fly e o operador turístico Newblue.

Duarte Correia, ex-responsável da TUI em Portugal, foi apresentado por Gabriel Subías como “o responsável pela aproximação do nosso projecto às necessidades do público português”.

Ver também:

Novo operador turístico da W2M vai vender Caraíbas e Ilhas Espanholas no mercado português

 

Clique para ver mais: W2M

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Ávoris leva agentes de viagens espanhóis à República Dominicana

13-04-2021 (10h53)

A Ávoris Corporación Empresarial, em colaboração com o Ministério do Turismo da República Dominicana, realizou a sua primeira fam trip às Caraíbas desde Março de 2020, quando as viagens foram suspensas devido à pandemia de covid-19.

Governo planeia facilitar voos de/para países como Reino Unido e Brasil

01-04-2021 (17h43)

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou que Portugal vai "facilitar as ligações" com países que tiveram a terceira vaga da pandemia mais cedo, como o Reino Unido, e que planeia a retoma dos voos com o Brasil, "embora com obrigação de testes e de medidas de quarentena".

Iberia lança solução para verificar documentos necessários antes de viajar

01-04-2021 (12h42)

A Iberia lançou uma nova solução que permite aos seus clientes verificar a documentação exigida para viajar antes de se deslocarem ao aeroporto, incluindo testes PCR, formulários de saúde, vistos e outros documentos.

Novo operador turístico da W2M vai vender Caraíbas e Ilhas Espanholas no mercado português

31-03-2021 (14h22)

O novo operador turístico da W2M, o Newblue, já apresentado em Espanha, também vai vender pacotes nas agências de viagens portuguesas, anunciou hoje o administrador em Portugal, Duarte Correia, destacando que pretende criar “uma nova forma de viajar para as Caraíbas e para as Ilhas Espanholas”.

World2Fly vai comissionar agentes de viagens pela venda dos seus voos

26-03-2021 (12h03)

A nova companhia aérea do Grupo Iberostar, a World2Fly, anunciou, sem especificar valores, que vai comissionar os agentes de viagens pela venda dos seus voos, uma política que o sector da aviação abandonou há vários anos.

Opinião e Análise