Crescimento económico na zona euro volta a acelerar em Novembro

23-11-2021 (15h36)

Foto: Unsplash / Jakob Braun
Foto: Unsplash / Jakob Braun

O crescimento da actividade empresarial na zona euro acelerou em Novembro depois de ter caído em Outubro, segundo a Markit, que adverte, no entanto, que o ressurgimento de casos de covid-19 ameaça prejudicar o trimestre em curso.

A estimativa do indicador PMI (Purchasing Managers’ Index) flash composto da actividade da Markit na zona euro - feito com base em inquéritos aos gestores de compras dos sectores dos serviços e da indústria transformadora - subiu para 55,8 pontos em Novembro, o nível mais alto dos últimos dois meses e 1,6 pontos acima dos 54,2 pontos de Outubro, quando atingiu um novo mínimo de seis meses.

O relatório da Markit, citado pela Agência Lusa, destaca a melhoria da actividade apesar de as pressões inflaccionistas continuarem a intensificar-se, uma vez que os custos que as empresas enfrentam e os preços médios cobrados tanto pelos produtos como pelos serviços "aumentaram a ritmos recorde".

Apesar desta aceleração, os analistas da Markit assinalaram que a previsão para o final do quarto trimestre é de um crescimento consideravelmente mais fraco do que o do terceiro trimestre.

Entre os factores que influenciam este abrandamento, citaram "preocupação renovada com a covid-19" - devido ao ressurgimento de contágios em vários países europeus - e problemas "persistentes" de abastecimento.

"Uma expansão mais forte da actividade total em Novembro contrariou as expectativas dos economistas de um abrandamento, mas é pouco provável que impeça a zona euro de sofrer um crescimento mais lento no quarto trimestre", disse Chris Williamson, economista chefe do IHS Markit, num comunicado.

Na opinião de Williamson, o número crescente de contágios com covid-19 irá provocar novos desafios para a economia em Dezembro.

Por sectores, o dos serviços registou um desempenho superior em Novembro pelo terceiro mês consecutivo, pois embora o transformador também esteja em alta, a sua expansão é mais fraca.

"Em ambos os sectores o crescimento melhorou graças à chegada ligeiramente maior de novas encomendas, embora em ambos os casos as taxas de crescimento da procura tenham permanecido muito abaixo das observadas nos meses de Verão", afirmaram os analistas do IHS Markit.

Clique para ver mais: Europa

Clique para ver mais: Empresas & Negócios

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

UE suspende temporariamente voos de Moçambique e mais seis países devido a variante

26-11-2021 (17h48)

Os Estados-membros da União Europeia (UE) decidiram hoje suspender temporariamente voos de sete países da África Austral, incluindo Moçambique, devido à identificação de uma variante do coronavírus, causador da covid-19, na África do Sul, altamente mutante.

Soltrópico volta a apresentar produto regular com PVP comissionável

26-11-2021 (17h42)

A Soltrópico passou a apresentar toda a sua oferta, charter e regular, com PVP comissionável, remunerando as agências de viagens consoante uma percentagem de comissão acordada, depois de em Abril deste ano ter feito uma alteração que permitia às agências “escolher a sua rentabilidade” no produto regular.

Turismo de Portugal junta-se às autarquias para formar 75 mil profissionais do sector

26-11-2021 (16h58)

O Turismo de Portugal lançou um novo programa em parceria com as autarquias, o “Formação + Próxima”, com o qual pretende capacitar 75.000 profissionais do sector em três anos, de forma gratuita e adaptada às necessidades locais de cada autarquia portuguesa.

CTP preocupada com controlo de testes caso a caso nos aeroportos

26-11-2021 (16h49)

O presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP) manifestou-se hoje preocupado com a medida que obriga as companhias aéreas a controlarem caso a caso os testes à covid-19, nomeadamente em alturas de maior movimento nos aeroportos.

Companhias aéreas consideram "intolerável" aumento das multas para 20 mil euros em Portugal

26-11-2021 (15h44)

A Associação das Companhias Aéreas em Portugal (RENA) disse à Lusa que considera “intolerável” o aumento para 20 mil euros das multas em que as companhias aéreas incorrem a partir de 1 de Dezembro caso transportem passageiros sem teste negativo à covid-19.

Opinião e Análise