Balanço do sismo no Haiti aumenta para 1.297 mortos

16-08-2021 (10h17)

Foto: Andrei Stratu / Unsplash
Foto: Andrei Stratu / Unsplash

O balanço provisório do sismo de magnitude 7,2 que atingiu no Sábado o Sudoeste do Haiti aumentou hoje para 1.297 mortos e mais de 5.700 feridos, segundo os serviços de proteção civil do país.

Além das pessoas dadas como desaparecidas, "muitas outras estão sob os escombros", sublinhou em comunicado a Proteção Civil, precisando que perto de 3.200 feridos foram internados em diversos hospitais.

Milhares de pessoas ficaram desalojadas no Sudoeste do país, onde prosseguiram no Domingo, entre habitantes e equipas de resgate, os esforços para encontrar sobreviventes por entre os escombros, com meios limitados e ainda sob o efeito de réplicas do forte sismo de 7,2 na escala de Richter.

Maquinaria pesada, vários camiões e retroescavadoras estavam ocupados a deslocar placas de betão dos edifícios destruídos na cidade de Cayes, perto do epicentro do sismo, a cerca de 160 quilómetros da capital haitiana, Port-au-Prince, constatou a agência noticiosa francesa AFP no local.

O terramoto, que também foi sentido na República Dominicana (com a qual o Haiti divide a ilha de Hispaniola) e em Cuba, e que já faz parte dos dez sismos mais letais dos últimos 25 anos na América Latina, ocorreu às 08h29 locais (13h29 de Lisboa), a cerca de 12 quilómetros da cidade de Saint-Louis-du-Sud, situada a 160 quilómetros da capital haitiana, Port-au-Prince, com epicentro a 10 quilómetros de profundidade, segundo dados do Instituto Norte-Americano de Geofísica (USGS).

Perto de 30.000 casas ficaram destruídas ou danificadas.

As operações de resgate das vítimas poderão, entretanto, ver-se comprometidas pela aproximação da tempestade tropical Grace, com um risco de chuvas torrenciais e de inundações rápidas, segundo o serviço nacional de meteorologia dos Estados Unidos.

É esperada a sua chegada na noite de segunda para terça-feira e o país foi colocado sob vigilância reforçada.

Profissionais e medicamentos foram já encaminhados pelo Ministério da Saúde para a península Sudoeste, mas a logística de emergência está também em perigo devido à insegurança que mina o Haiti desde há meses.

Em pouco mais de dois quilómetros, a única estrada que liga a capital à metade Sul do país atravessa o bairro pobre de Martissant, sob controlo de gangues armados desde o início de Junho, o que impede a livre circulação.

Os raros hospitais existentes nas regiões afectadas estão com dificuldade em fornecer os cuidados de emergência aos feridos.

Instalados em bancos, enroscados em cadeiras ou estendidos no chão sobre lençóis, os feridos aguardavam hoje ser atendidos no hospital da cidade costeira de Cayes.

Muitos países, entre os quais os Estados Unidos, a República Dominicana, o México e o Equador já ofereceram ajuda, com o envio de pessoal, rações de emergência e equipamentos médicos.

O primeiro-ministro haitiano, Ariel Henry, que decretou o estado de emergência nos quatro departamentos afetados pela catástrofe, agradeceu hoje à comunidade internacional.

"Queremos dar uma resposta mais adaptada do que em 2010, após o tremor de terra. Todas as ajudas vindas do exterior devem ser coordenadas pela direção da Proteção Civil", disse o chefe do Governo, exortando os seus concidadãos "à unidade nacional".

"Esqueçamos as nossas querelas", pediu Henry, que dirige o país mais pobre do continente americano, numa situação de emergência à qual há que acrescentar a crise política, agravada pelo assassínio do Presidente, Jovenel Moïse, em 7 de Julho, bem como os efeitos da pandemia de covid-19.

O país guarda na memória o sismo de 12 de Janeiro de 2010, com magnitude 7, que destruiu a capital e várias cidades de província.

Mais de 220.000 pessoas morreram e mais de 300.000 ficaram feridas na catástrofe que deixou desalojados mais de 1,5 milhões de haitianos, colocando as autoridades e a comunidade internacional perante o colossal desafio de reconstrução de um país sem registo de propriedade de terras ou regras de construção.

Sem conseguir superar esse desafio de reconstrução, o Haiti, que é também regularmente atingido por furacões, mergulhou em dez anos numa crise sociopolítica aguda.

(Notícia Lusa)

 

Clique para ver mais: Caraíbas

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Turismo deve regressar aos números pré-pandémicos em 2023 – Rita Marques

20-10-2021 (16h26)

A secretária de Estado do Turismo de Portugal, Rita Marques, afirmou hoje em Madrid que o Governo espera que o setor regresse em 2023 aos valores que faturou em 2019, antes da pandemia de covid-19.

Airmet junta 150 pessoas na celebração do seu 15º aniversário em Lisboa

20-10-2021 (16h08)

A Airmet assinalou o seu 15º aniversário com um evento em Lisboa, onde juntou 150 pessoas, e tem novo encontro marcado para esta sexta-feira, dia 22, no Porto.

São Tomé e Príncipe e Gana assinam acordos de mobilidade, turismo e consultas políticas

20-10-2021 (15h46)

Os Governos de São Tomé e Príncipe e do Gana assinaram, em São Tomé, um acordo geral de cooperação e três outros nas áreas de mobilidade, turismo e consultas políticas que serão dinamizadas por uma comissão mista.

Pandemia atira novos projectos da Hoti Hotéis para 2028

20-10-2021 (15h29)

A Hoti Hotéis concentrou os seus esforços durante a pandemia em renovações das unidades hoteleiras, conseguindo subidas de preço médio, mas viu-se obrigada a adiar a abertura de novos hotéis, que, segundo o CEO do Grupo, aguardam a “reabertura gradual do mercado de financiamento”.

Venezuela restringe voos internacionais por tempo indeterminado

20-10-2021 (15h25)

As autoridades venezuelanas prolongaram, por tempo indeterminado, as restrições às operações aéreas internacionais em vigor no país, devido à quarentena preventiva da covid-19.

Opinião e Análise