Governo de Macau reforça orçamento para combater pandemia

19-04-2021 (16h19)

O Governo de Macau prevê aumentar as despesas do orçamento de 2021 em 8,3 mil milhões de patacas (860 milhões de euros), recorrendo à reserva financeira para fazer face aos gastos no combate à pandemia.

A proposta de lei, submetida com caráter de urgência à Assembleia Legislativa, prevê o "reforço da despesa do orçamento ordinário" no montante de 8,3 mil milhões de patacas (8.305.241.000)", cerca de 860 milhões de euros, informou o executivo num comunicado citado pela agência Lusa.

"Antes da alteração [orçamental], o valor total da despesa do orçamento ordinário integrado era de 95,2 mil milhões de patacas [9,8 mil milhões de euros]", subindo agora para "103,5 mil milhões de patacas [10,7 mil milhões de euros]", explicou a subdiretora da Direção dos Serviços de Finanças, Ho In Mui, em conferência de imprensa, após a reunião do Conselho Executivo.

O Governo da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) vai para isso recorrer à reserva extraordinária, reforçando as receitas em "9,1 mil milhões de patacas", cerca de 944 milhões de euros, e reduzindo em paralelo "outras receitas do mesmo orçamento, no montante de 807 milhões de patacas [cerca de 83,6 milhões de euros]", lê-se no comunicado.

"No primeiro orçamento, a mobilização da reserva financeira da RAEM era de 26,5 mil milhões de patacas [2,7 mil milhões de euros]", informou a subdiretora dos Serviços de Finanças, precisando que o executivo "vai adicionar mais 9,1 mil milhões de patacas [cerca de 946 milhões de euros]", aumentando assim o recurso à reserva financeira para "o valor total de 35,6 mil milhões de patacas (3,7 mil milhões de euros)".

Na nota, o executivo precisou que a proposta de lei introduz ainda medidas especiais de benefícios fiscais, como a isenção do imposto de turismo nos serviços prestados pelos estabelecimentos hoteleiros e similares, de 11 de Maio até 31 de Dezembro de 2021.

De acordo com o comunicado, as alterações propostas destinam-se a "reforçar as despesas orçamentais dos Serviços de Saúde para efeitos de prevenção e de combate ao surto epidémico", além de financiar o programa de promoção do consumo local ou as medidas previstas no plano de garantia do emprego e estabilização da economia, bem como "as despesas orçamentais destinadas às obras de construção no Posto Fronteiriço da Parte de Macau do Posto Fronteiriço Hengqin, entre outras".

Em 12 de Abril, o executivo do território anunciou novos apoios ao consumo para os residentes em Macau, no valor total de 5,88 mil milhões de patacas (617 milhões de euros).

Ao abrigo do plano, os residentes de Macau vão voltar a receber um subsídio de cinco mil patacas (525 euros) e um montante de três mil patacas (315 euros) em descontos imediatos, anunciou então o Governo.

Este projecto de melhoramento do "plano de benefícios do consumo por meios eletrónicos" veio substituir uma terceira ronda de apoios ao consumo "integralmente atribuída através de cupões" de desconto, anunciada em março pelo Governo e recebida com várias críticas da população.

No plano anunciado este mês, cada residente, permanente ou não permanente e de todas as idades, vai ter acesso àqueles dois montantes, para usar entre junho e dezembro, num projeto que visa "promover o consumo" e "aliviar as dificuldades da população" devido à pandemia, disse na altura o secretário para a Economia e Finanças, Lei Wai Nong.

Considerada uma das regiões mais seguras do mundo em relação à pandemia de covid-19, Macau contabilizou apenas 49 casos desde que o novo coronavírus chegou ao território, no final de janeiro de 2020, não tendo registado até hoje nenhuma morte causada pela doença.

Fortemente dependente dos casinos e do turismo chinês, a economia de Macau sofreu uma forte descida no número de turistas que visitaram o território, com os casinos a registarem, em 2020, uma quebra de 79,3% nas receitas, em relação ao ano anterior.

 

Clique para ver mais: Macau

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Destinos, cortiça e vinhos têm sido “foco das atenções” no Pavilhão de Portugal na Expo Yangzhou

10-05-2021 (15h28)

O Pavilhão de Portugal na Expo Yangzhou 2021, um evento que já recebeu 400 mil visitantes desde que foi inaugurado a 8 de Abril, está a ter como “foco das atenções” os destinos turísticos, a cortiça e os vinhos portugueses, segundo um comunicado.

Sonhando anuncia novas datas para os voos entre Lisboa e Dili

07-05-2021 (14h59)

O operador turístico Sonhando, do grupo euroAtlantic, anunciou novas datas para os voos que tem programados para Julho entre Lisboa e Dili, adiando-os por oito dias a pedido da Escola Portuguesa de Timor.

Finnair evidencia impacto desastroso da pandemia na aviação

05-05-2021 (15h56)

A Finnair, companhia de aviação que se posicionava como uma das melhores alternativas para ligações entre a Europa e a Ásia, indicou hoje que no mês de Abril transportou apenas 3,4 mil passageiros nesses voos, que comparam com 207,9 mil em Abril de 2019.

“Recuperação meteórica vista na China dá-nos muita esperança”, presidente da Trip.com

03-05-2021 (17h00)

A “China assistiu a uma recuperação” quase completa do turismo doméstico, realçou a presidente da agência de viagens online chinesa Trip.com, Jane Sun, que em entrevista à Lusa destacou que “a recuperação meteórica vista na China dá-nos muita esperança” para a retoma “das viagens globais”.

Casinos de Macau recuperam há três meses consecutivos

03-05-2021 (16h52)

Os Casinos de Macau tiveram em Abril o terceiro mês consecutivo de aumento de receitas face ao mês homólogo de 2020 e no conjunto do quadrimestre ficaram 2,6% ou 803 milhões de patacas (83,4 milhões de euros ao câmbio de hoje) acima dos primeiros quatro meses do ano passado.

Opinião e Análise