Covid-19 obriga ao regresso de confinamentos em regiões asiáticas

19-05-2021 (17h52)

Foto: Unsplash / Engin Akyurt
Foto: Unsplash / Engin Akyurt

Uma nova vaga da pandemia de covid-19 está a levar à reintrodução de medidas restritivas em várias regiões da Ásia, dado o aumento de número de contágios e de mortes.

A escassa população da Mongólia viu o número de mortos subir de 15 para 239, enquanto Taiwan, que foi considerado um caso de êxito na luta contra o novo coronavírus, registou mais de 1.200 casos desde a semana passada e colocou mais de 600.000 pessoas em isolamento por duas semanas.

Hong Kong e Singapura adiaram pela segunda vez a possibilidade da retoma das viagens entre si sem quarentena, após um surto de origem incerta em Singapura.

A China, que praticamente tinha eliminado os casos de infeções, viu novos casos de covid-19, aparentemente devidos ao contacto com pessoas que chegaram do exterior.

A situação está a prejudicar os esforços para o regresso ao normal da vida social e económica na Ásia, especialmente em escolas e sectores como o turismo, que depende do contacto pessoal.

Em Taiwan, o aumento de novos casos de contágio está a ser impulsionado pela variante mais transmissível identificada pela primeira vez no Reino Unido, de acordo com Chen Chien-jen, epidemiologista e ex-vice-Presidente da ilha, que liderou a muito elogiada resposta à pandemia no ano passado.

Em Wanhua, normalmente uma área movimentada de Taiwan com barracas de comida, lojas e locais de entretenimento, o mercado nocturno de Huaxi e o templo budista Longshan estão encerrados.

A ilha fechou todas as escolas e as restrições foram ampliadas a todo o território: restaurantes, ginásios e outros locais públicos foram encerrados e foram proibidas reuniões de mais de cinco pessoas em ambientes fechados e mais de 10 pessoas ao ar livre.

A Presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, procurou tranquilizar as pessoas que procuravam voltar a circular livremente, mas foram confrontadas com novas medidas de confinamento.

“Continuaremos a fortalecer a nossa capacidade médica”, disse Tsai, acrescentando que as vacinas devem chegar em breve.

A Malásia impôs inesperadamente um confinamento de um mês, até 7 de Junho, depois de as autoridades terem registado aumentos acentuados do número de novas contaminações e o aparecimento de novas variantes do vírus.

Este é o segundo confinamento geral em pouco mais de um ano e ocorre depois de os casos terem quadruplicado desde Janeiro, sendo agora mais de 485.000, incluindo 2.040 mortes.

As viagens entre os estados da Malásia, bem como as atividades sociais, estão proibidas, as escolas estão fechadas e os restaurantes podem fornecer apenas serviço de entrega, quando os hospitais estão quase a esgotar a sua capacidade de atender mais doentes com covid-19.

Singapura impôs severas medidas de distanciamento social até 13 de Junho, restringindo as reuniões públicas a duas pessoas e proibindo o serviço de jantar em restaurantes, depois de um significativo aumento do número de novas infeções com o novo coronavírus.

As escolas voltaram ao regime de ensino à distância, após os alunos de várias instituições de ensino terem sido contaminados.

Hong Kong respondeu a novos surtos aumentando a exigência de quarentena de 14 para 21 dias para viajantes não vacinados que chegam de países de “alto risco”, incluindo Singapura, Malásia e Japão, bem como da Argentina, Itália, Holanda e Quénia.

A China montou postos de controle em aeroportos e estações ferroviárias na província de Liaoning, onde novos casos foram registados esta semana.

Os viajantes devem ter prova de um recente teste de vírus negativo e os testes em massa foram exigidos em Yingkou, uma cidade portuária com conexões marítimas para mais de 40 países.

A Tailândia registou 35 mortes na terça-feira e 29 hoje, os números mais elevados desde o início da crise sanitária, elevando o total de óbitos para 678.

Nas Filipinas, o Presidente Rodrigo Duterte suavizou as medidas de combate à pandemia, procurando combater a crise económica e a fome, mas continua a impedir reuniões públicas, numa época de festividades religiosas no país.

As infeções de covid-19 nas Filipinas aumentaram em Março para os piores níveis da Ásia, ultrapassando 10.000 novos casos por dia e levando Duterte a impor confinamento em Manila, em Abril.

O secretário de Saúde filipino, Francisco Duque, disse que a retoma parcial das atividades económicas, o aumento do não cumprimento das restrições e o rastreio inadequado das pessoas expostas ao vírus combinaram-se para desencadear o aumento acentuado das infeções.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.406.803 mortos no mundo, resultantes de mais de 164,1 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

PressTUR com Agência Lusa

 

Clique para mais notícias: Covid-19

Clique para mais notícias: Ásia

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Macau perde 22,6% de visitantes numa semana e reforça restrições fronteiriças

07-06-2021 (13h53)

Macau perdeu 22,6% de visitantes numa semana e anunciou hoje, 7 de Junho, o reforço das restrições fronteiriças com a China continental, exigindo quarentena de 14 dias a quem chegar de alguns distritos das cidades de Cantão e de Foshan.

China admite relaxar restrições a viagens internacionais no primeiro semestre de 2022

03-06-2021 (13h56)

A China deve reabrir as suas fronteiras a determinados países, no primeiro semestre do próximo ano, se acelerar a taxa de vacinação contra a covid-19, disse hoje um especialista chinês em doenças infecciosas, citado pela Lusa.

Receitas de jogo em Macau atingem recorde desde início da pandemia

01-06-2021 (14h36)

As receitas de jogo no território de Macau atingiram, no mês de Maio, o maior registo desde o início da pandemia, 10.445 milhões de patacas (1.072 milhões de euros), um aumento de 492,2% em relação a 2020.

Operadoras de jogo em Macau e Banco Nacional Ultramarino incentivam vacinação

31-05-2021 (14h41)

As operadoras de jogo Melco e MGM e o Banco Nacional Ultramarino anunciaram campanhas de incentivo à vacinação dos seus funcionários, que incluem regalias em dinheiro, dias de férias extra e sorteios, com o intuito de contribuir para o objectivo da imunidade de grupo no território.

Macau vai testar quem recorra aos hospitais e apresente febre

31-05-2021 (13h53)

As autoridades de saúde de Macau anunciaram hoje que vão realizar testes à covid-19 a quem recorra aos hospitais e que apresente febre, devendo as pessoas permanecerem em casa até receberem o resultado.

Opinião e Análise