Director-geral da OMS critica "falta de vontade política" para acabar com pandemia

12-11-2021 (12h24)

Foto: Daniel Schludi / Unsplash
Foto: Daniel Schludi / Unsplash

Tedros Ghebreysus apelou à cobertura universal dos cuidados de saúde

O director-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou que a pandemia de covid-19 "terminará quando o mundo decidir que terminará", que "falta vontade política", e que a prioridade é que os países com poucas vacinas as recebam.

"Nenhum país conseguirá, por si só, pôr fim a esta pandemia", afirmou o chefe da OMS, citado pela Agência Lusa, que também aproveitou a oportunidade para apelar à generalização da cobertura universal dos cuidados de saúde, o que, na sua opinião, permitiria, entre outras coisas, evitar futuros surtos epidémicos.

Tedros Ghebreysus, que participou num painel de discussão no Fórum para a Paz em Paris, sublinhou que "África, em particular, é o continente mais afectado pela distribuição desigual" de vacinas contra a covid-19, com apenas 5% da sua população coberta.

O número contrasta com as taxas de cobertura dos países membros do G20, que já inocularam mais de 80% das vacinas anti-covid-19 ministradas em todo o mundo.

O director-geral da OMS considerou esta desigualdade "condenável" de um ponto de vista moral, mas também devido às consequências epidemiológicas e económicas.

"É algo que precisa de ser resolvido", disse Tedros Ghebreysus, que apelou aos governos que têm muitas vacinas para as partilharem, por forma a se alcançar o objetivo de 40% de cobertura da população mundial até ao final deste ano e 70% até meados de 2022.

O responsável da OMS advertiu que, se a tendência actual se mantiver, haverá cerca de 80 países em todo o mundo que não atingirão uma cobertura de 40% até ao final de 2021.

Ghebreysus sublinhou que, após vários meses em que a pandemia parecia estar a diminuir, há um aumento dos casos e a incidência e o número de mortes é agora novamente muito elevado, com cerca de 7.000 mortes por dia.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, que participou na mesma mesa redonda, assegurou que a União Europeia (UE) “está totalmente empenhada em resolver a injustiça" do acesso desigual às vacinas em diferentes partes do mundo.

Michel disse que, nos últimos dias, os membros da EU adicionaram 200 milhões de doses ao dispositivo Covax, criado para garantir a distribuição de vacinas anti-covid-19 aos países mais pobres.

Clique para ver mais: Mercados

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

António Costa diz que Moçambique e Angola “para já” estão fora da lista de Bruxelas para restringir voos

26-11-2021 (15h11)

O primeiro-ministro disse hoje que Portugal tem estado em contacto com os países africanos com quem tem “relações mais intensas, adiantando que nem Moçambique nem Angola constam da lista que a Comissão Europeia propôs restringir voos.

Solférias anuncia charters de Verão para o Senegal

23-11-2021 (16h22)

O operador turístico Solférias anunciou que tem confirmada uma operação charter de Lisboa e do Porto para o Senegal no próximo Verão, destacando que uma das principais apostas na programação será um novo resort da RIU Hotels & Resorts na primeira linha de praia da zona de Pointe Saréne.

Cabo Verde espera facturar 8 milhões de euros com a Taxa de Segurança Aeroportuária

23-11-2021 (14h32)

O Governo cabo-verdiano espera arrecadar em 2022 cerca de oito milhões de euros com a Taxa de Segurança Aeroportuária, introduzida em 2019 para colmatar o fim da obrigatoriedade de vistos de entrada, o melhor registo desde a pandemia.

União Europeia vai doar cerca de 100 milhões de vacinas para África

22-11-2021 (14h48)

A União Europeia (UE) anunciou hoje uma doação de quase 100 milhões de doses da vacina Johnson & Johnson para a covid-19 a vários países africanos até final do ano.

Cabo Verde regista 13.068 passageiros em voos domésticos em Outubro

17-11-2021 (17h40)

Os voos domésticos em Cabo Verde movimentaram mais de 13.000 passageiros em Outubro, um aumento de 83,1% face a 2020, segundo dados da Agência de Aviação Civil (AAC).

Opinião e Análise