Vice-presidente do Comité Europeu das Regiões quer "orientações claras" da UE para o cumprimento das metas de sustentabilidade

14-10-2021 (14h44)

Foto: Unsplash / Guillaume Perigois
Foto: Unsplash / Guillaume Perigois

O vice-presidente do Comité Europeu das Regiões, Vasco Cordeiro, afirmou que a União Europeia (EU) só conseguirá atingir as metas de sustentabilidade se trabalhar em conjunto as questões globais e locais e der aos países orientações claras.

“Ainda que cada cidade tenha o seu próprio desafio e encontre a sua própria solução” a União Europeia “deve pôr em prática a união na diversidade”, defendeu Vasco Cordeiro para quem é claro que “a implementação das metas de desenvolvimento sustentado só acontecerá se se trabalhar em conjunto, do global para o local, sem deixar qualquer pessoa ou lugar para trás”.

O primeiro vice-presidente do Comité Europeu das Regiões falava no encerramento de um workshop em Bruxelas, no âmbito da Semana Europeia das Regiões e das Cidades (#EURegionsWeek), onde aludiu à pandemia da covid-19 como “um último aviso” de que as políticas de sustentabilidade “têm que mudar, e já”.

Para isso, os Estados-membros precisam de “orientações claras” para pôr em prática as políticas de desenvolvimento sustentável e de “recursos financeiros”, cujo acesso deverá ser “flexível”, para que a UE possa dar respostas a cidades e regiões com realidades muito diferenciadas.

Porém, acrescentou, a mudança não depende apenas das políticas ou dos fundos, e a transformação da Europa num território sustentável “só será possível se os cidadãos se revirem neste objectivo” e se os lideres europeus, os governos nacionais e os executivos das regiões e das cidades estiverem "todos a bordo".

 A Conferência sobre o Futuro da Europa, através da qual os cidadãos europeus estão a ser chamados a debaterem os desafios e as prioridades da EU, cujas conclusões deverão ser conhecidas na Primavera de 2022, “é uma boa oportunidade ouvir os cidadãos”, mas também para os sensibilizar para objectivos como a redução da pobreza, a igualdade de género ou a acção climática, concluiu Vasco Cordeiro.

Segundo a Agência Lusa, a Semana Europeia das Regiões e das Cidades (#EURegionsWeek), o maior evento anual em Bruxelas dedicado à política regional, cumpre este ano a 19.ª edição, que termina hoje.

Este ano a Semana Europeia tem como lema "Juntos pela Recuperação" e aborda quatro temas centrais - "Transição Verde: para uma recuperação sustentável e verde"; "Coesão: da emergência à resiliência"; "Transição Digital: para pessoas"; e "Envolvimento dos Cidadãos: para uma recuperação inclusiva, participativa e justa".

Clique para ver mais: Europa

Clique para ver mais: Empresas & Negócios

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Airmet junta 150 pessoas na celebração do seu 15º aniversário em Lisboa

20-10-2021 (16h08)

A Airmet assinalou o seu 15º aniversário com um evento em Lisboa, onde juntou 150 pessoas, e tem novo encontro marcado para esta sexta-feira, dia 22, no Porto.

Pandemia atira novos projectos da Hoti Hotéis para 2028

20-10-2021 (15h29)

A Hoti Hotéis concentrou os seus esforços durante a pandemia em renovações das unidades hoteleiras, conseguindo subidas de preço médio, mas viu-se obrigada a adiar a abertura de novos hotéis, que, segundo o CEO do Grupo, aguardam a “reabertura gradual do mercado de financiamento”.

Venezuela restringe voos internacionais por tempo indeterminado

20-10-2021 (15h25)

As autoridades venezuelanas prolongaram, por tempo indeterminado, as restrições às operações aéreas internacionais em vigor no país, devido à quarentena preventiva da covid-19.

Porto emite em 2020 o dobro das licenças de esplanada atribuídas em 2019

20-10-2021 (15h17)

A Cidade Invicta licenciou 537 esplanadas em 2020, um número que mais do que duplicou face a 2019, ano em que registavam 223 esplanadas licenciadas.

Marrocos suspende voos de/para Alemanha, Reino Unido e Países Baixos

20-10-2021 (14h53)

As autoridades marroquinas decidiram suspender, a partir da meia-noite de hoje, os voos de e para a Alemanha, Países Baixos e Reino Unido devido à evolução da situação da covid-19 nestes três países.

Opinião e Análise