Dormidas de residentes em Portugal superam nível pré-pandemia pela primeira vez

31-08-2021 (13h58)

O alojamento turístico português teve em Julho a menor quebra de dormidas face ao mês homólogo pré-pandemia, beneficiando nomeadamente do primeiro aumento das pernoitas de residentes em Portugal face ao mês homólogo de 2019, em 6,4%.

Os dados provisórios divulgados hoje pelo INE indicam que os estabelecimentos de alojamento turístico portugueses contabilizaram 4,52 milhões de dormidas em Julho, ainda 45% ou 3,7 milhões abaixo do mês homólogo de 2019.

Essa quebra, porém, é o menor decréscimo relativo desde o início da pandemia, batendo os -47,2% que se verificaram em Agosto do ano passado em relação ao mês homólogo de 2019.

A chave para essa recuperação foi o mercado doméstico, que pela primeira vez teve mais dormidas que no mês homólogo de 2019, com aumento em 6,4% ou 159,9 mil, assente nos desempenhos dos estabelecimentos localizados no Algarve, que tiveram mais 164,5 mil pernoitas (+19,3%), na Madeira, com mais 65,5 mil (+60,2%), Alentejo, com mais 31,2 mil (+13,1%), e Açores, com mais 25 mil (+26,3%).

Fora da tendência ficou principalmente Lisboa, com menos 119,6 mil dormidas que em Julho de 2019 (-32,1%), Porto e Norte, com menos quatro mil (-0,9%), e Centro, com menos 2,7 mil (-0,7%).

A quebra do turismo internacional foi, pois, a causa da quebra de pernoitas no alojamento turístico no segundo mês mais importante da época alta, apesar de sinais de melhoria, nomeadamente pelos crescimentos por parte de três mercados, a Polónia, Suíça e Bélgica, que, no entanto, representaram apenas 4,6% das dormidas de não residentes.

A quebra de dormidas de não residentes em Julho, tradicionalmente o segundo mês em que o alojamento turístico português contabiliza mais pernoitas de turistas estrangeiros, atingiu o total de 3,86 milhões e reduziu a sua preponderância de 69,5% das dormidas totais em 2019, pré-pandemia, para 41% este ano, sobressaindo as variações dos principais emissores, como o Reino Unido, de 13,1% das dormidas totais em 2019 para 5,4% este ano, Alemanha, de 6,9% para 1,9%, e Espanha, de 8,6% para 6,9%.

Em contrapartida as dormidas de residentes em Portugal passaram de 30,5% do total de Julho de 2019 para 59% este ano, e no mesmo sentido evoluiu o mercado emissor francês, com uma subida de 5,8% para 6,1%, e o trio das excepções, com a Bélgica a subir de 2,2% para 5%, a Suíça a subir de 1,6% para 4,3% e a Polónia a subir de 1,7% para 5,3%.

 

Clique para mais notícias: Alojamento turístico português

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

A World For Travel anuncia cinco compromissos com o turismo sustentável

17-09-2021 (16h37)

O "Évora Fórum - A World For Travel", conferência dedicada ao turismo sustentável que decorreu na Universidade de Évora entre 16 e 17 de Setembro, definiu cinco compromissos urgentes.

Pandemia enfatizou importância da sustentabilidade na aviação – CEO da TAP

16-09-2021 (17h22)

A CEO da TAP, Christine Ourmières-Widener, disse hoje que indústria da aviação foi “bastante afectada” pela pandemia de covid-19 e, com esta crise, ganharam importância as questões da sustentabilidade.

Portugal espera atingir este ano metade das receitas turísticas de 2019

16-09-2021 (16h49)

A secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, disse que Portugal espera atingir este ano metade das receitas turísticas de 2019, pré-pandemia, mantendo "a ambição" de alcançar em 2027 a marca de 28 mil milhões de euros.

Pandemia alertou para necessidade de gerir turismo em excesso - Pedro Siza Vieira

16-09-2021 (16h30)

A pandemia de covid-19 mostrou que “o problema do turismo em excesso precisa de ser gerido”, disse hoje o ministro da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira, durante uma conferência em Évora.

Maior navio de cruzeiros do mundo chega à Europa em Maio de 2022

16-09-2021 (15h54)

A Royal Caribbean anunciou que vai posicionar o maior navio de cruzeiros do mundo na Europa a partir de Maio de 2022, o Wonder of the Seas, que fará itinerários no Mediterrâneo com embarques em Barcelona e Roma.

Opinião e Análise