Portugal vai perder tráfego e turismo para Espanha por culpa das taxas aeroportuárias – afirma Michael O’Leary

17-05-2017 (16h17)

José Espartero, Michael O'Leary e David O'Brien em Lisboa
José Espartero, Michael O'Leary e David O'Brien em Lisboa

Campeões no futebol e campeões a cantar, mas no turismo Portugal vai perder para Espanha, prognostica Michael O’Leary, CEO da Ryanair, culpando as taxas elevadas dos aeroportos e a delonga na abertura do Aeroporto do Montijo.

“O governo tem o papel de dizer que quer o Montijo aberto em 2019”, defendeu o CEO da Ryanair hoje em conferência de imprensa em Lisboa.

“Nem em 2020, nem 2021, precisamos que esteja aberto mais cedo, [porque] de outra forma, Portugal e Lisboa vão perder crescimento, que irá para os aeroportos espanhóis, como Málaga ou Valência, que estão a baixar as suas taxas”.

“São campeões no futebol, são agora campeões a cantar na Eurovisão, mas vão perder tráfego e turismo para Espanha... e Portugal odeia perder para Espanha”, frisou Michael O’Leary.

David O’Brien, responsável comercial (chief commercial officer) da low cost, apresentou a Madeira como exemplo da concorrência entre os aeroportos portugueses e espanhóis, dizendo que “a Ryanair não voa para a Madeira porque custa 33 euros por passageiro, enquanto Lanzarote custa 15”.

“Isso é resultado de fazer parte de um monopólio”, acrescentou David O’Brien.

Os executivos da Ryanair estiveram esta manhã em Lisboa para reforçar uma perspectiva já avançada por Michael O’Leary em finais de Fevereiro, de que o Montijo poderia estar aberto mais cedo que a data prevista de 2021 e que deveria ser outro operador a gerir o novo aeroporto, porque “a concorrência funciona” (clique para ler: Michael O’Leary defende que o Montijo deveria estar a funcionar em seis meses / Michael O’Leary diz que a Ryanair só voará para o Montijo se for “significativamente mais barato que a Portela”).

Este Verão a Ryanair tem seis novas rotas em Lisboa, designadamente Bolonha, Glasgow, Luxemburgo, Nápoles, Toulouse e Breslávia, e avançou que prevê transportar de/para a capital este ano 3,2 milhões de passageiros.

Em 2016, a Ryanair foi a segunda maior companhia aérea no Aeroporto de Lisboa, com 2,5 milhões de passageiros em 14,6 mil voos, representando aumentos em 12,5% em número de passageiros e em 9,2% em número de voos.

No primeiro trimestre deste ano, com 639.540 passageiros, a low cost está com um aumento em 7,5%, abaixo do crescimento médio do tráfego em voos regulares de/para Lisboa, que teve um aumento em 21,4%, para 5,16 milhões de passageiros.

Assim, ao contrário dos prognósticos do seu CEO, a Ryanair no primeiro trimestre viu a TAP distanciar-se, com a companhia portuguesa a crescer 30,1% e a alcançar uma quota de mercado de 51,6%, enquanto a low cost baixa para 12,3%.

 

Ver também:

O’Brien da Ryanair diz ter sido contactado pela TAP sobre a low cost ser feeder da portuguesa

 

Clique para mais notícias: Ryanair

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Venezuela restringe voos internacionais por tempo indeterminado

20-10-2021 (15h25)

As autoridades venezuelanas prolongaram, por tempo indeterminado, as restrições às operações aéreas internacionais em vigor no país, devido à quarentena preventiva da covid-19.

Marrocos suspende voos de/para Alemanha, Reino Unido e Países Baixos

20-10-2021 (14h53)

As autoridades marroquinas decidiram suspender, a partir da meia-noite de hoje, os voos de e para a Alemanha, Países Baixos e Reino Unido devido à evolução da situação da covid-19 nestes três países.

Presidente angolano exonera administração da TAAG

20-10-2021 (14h28)

O Presidente angolano, João Lourenço, exonerou hoje o conselho de administração da companhia aérea de bandeira, TAAG, fundamentando a decisão com a necessidade de concretizar o plano de restruturação da empresa e os seus objectivos estratégicos.

Agências IATA portuguesas reduzem quebra da venda de voos pela pandemia para cerca de metade

20-10-2021 (12h56)

As agências de viagens IATA portuguesas, que nos primeiros meses do ano tiveram quebras da venda de voos em BSP (do inglês para Billing and Settlement Plan) da IATA face aos meses pré-pandemia acima dos 80%, em Setembro reduziram esse diferencial para 44,4%.

Vendas BSP este ano ultrapassam pela primeira vez o total homólogo de 2020

20-10-2021 (12h55)

As vendas BSP das agências IATA portuguesas atingiram em Setembro o total de 207,86 milhões de euros, superando pela primeira vez o total acumulado do período homólogo de 2020, ainda que em relação a 2019 a quebra ultrapasse os 500 milhões de euros.

Opinião e Análise