Pandemia enfatizou importância da sustentabilidade na aviação – CEO da TAP

16-09-2021 (17h22)

Foto: TAP
Foto: TAP

A CEO da TAP, Christine Ourmières-Widener, disse hoje que indústria da aviação foi “bastante afectada” pela pandemia de covid-19 e, com esta crise, ganharam importância as questões da sustentabilidade.

A crise derivada da pandemia de covid-19 enfatizou o facto “de que a sustentabilidade é mais importante e irá contribuir para um futuro melhor para a indústria”, frisou a executiva, durante a conferência “A World for Travel”, a decorrer em Évora.

Na sua intervenção, em que realçou que “a indústria da aviação foi bastante afectada” pela pandemia, Christine Ourmières-Widener assinalou alguns passos que têm sido dados em matéria de sustentabilidade no sector, aproveitando o momento de crise.

“Todas as companhias aéreas aproveitaram a oportunidade da crise para renovar a sua frota”, o que “tem um enorme impacto” nas emissões para a atmosfera de gases com efeito de estufa, “porque as novas aeronaves têm uma melhor eficiência operacional e queimam menos combustível”, disse.

E é “o que a TAP tem feito também”, pois, já tinha começado “uma renovação completa da frota há alguns anos” e, agora, está “a terminar esse processo”, disse.

Numa altura de crise, “o investimento pode ter de ser adiado”, mas “todo este investimento na frota e também a renovação da frota são escolhas sustentáveis também para nós”, as companhias de aviação, defendeu.

Quando a crise passar, se as companhias quiserem “ser mais fortes”, precisam de “continuar a renovar a frota” e de “ter uma aeronave sustentável, porque esse será também o futuro da indústria e o futuro da estrutura de custos”, acrescentou.

A CEO da TAP também sublinhou na mesma intervenção que a crise da pandemia tem sido “muito diferente de uma região [do mundo] para a outra”. Como exemplo, disse que a redução da procura no mercado doméstico nos EUA “começou muito antes do que em outros” mercados.

Quanto ao mercado sul-americano, a crise teve “um impacto profundo”, indicou, destacando que, no que respeita à TAP, vai ter agora “uma lenta recuperação, graças abertura por exemplo das fronteiras do Brasil”.

“Muito obrigado por esta boa notícia para nós”, congratulou-se a responsável da TAP, insistindo que o impacto da crise difere de país para país “dependendo das fronteiras estarem abertas ou não” e defendendo que, perante esta diversidade de cenários, as companhias aéreas têm de ser “flexíveis e adaptáveis”.

(Notícia Lusa)

 

Clique para ver mais: TAP

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Venezuela restringe voos internacionais por tempo indeterminado

20-10-2021 (15h25)

As autoridades venezuelanas prolongaram, por tempo indeterminado, as restrições às operações aéreas internacionais em vigor no país, devido à quarentena preventiva da covid-19.

Marrocos suspende voos de/para Alemanha, Reino Unido e Países Baixos

20-10-2021 (14h53)

As autoridades marroquinas decidiram suspender, a partir da meia-noite de hoje, os voos de e para a Alemanha, Países Baixos e Reino Unido devido à evolução da situação da covid-19 nestes três países.

Presidente angolano exonera administração da TAAG

20-10-2021 (14h28)

O Presidente angolano, João Lourenço, exonerou hoje o conselho de administração da companhia aérea de bandeira, TAAG, fundamentando a decisão com a necessidade de concretizar o plano de restruturação da empresa e os seus objectivos estratégicos.

Agências IATA portuguesas reduzem quebra da venda de voos pela pandemia para cerca de metade

20-10-2021 (12h56)

As agências de viagens IATA portuguesas, que nos primeiros meses do ano tiveram quebras da venda de voos em BSP (do inglês para Billing and Settlement Plan) da IATA face aos meses pré-pandemia acima dos 80%, em Setembro reduziram esse diferencial para 44,4%.

Vendas BSP este ano ultrapassam pela primeira vez o total homólogo de 2020

20-10-2021 (12h55)

As vendas BSP das agências IATA portuguesas atingiram em Setembro o total de 207,86 milhões de euros, superando pela primeira vez o total acumulado do período homólogo de 2020, ainda que em relação a 2019 a quebra ultrapasse os 500 milhões de euros.

Opinião e Análise