Lufthansa devolve dinheiro ao Estado com aumento de capital

13-10-2021 (10h22)

Foto: Lufthansa
Foto: Lufthansa

A Lufthansa conseguiu um aumento de capital e devolveu 1.500 milhões de euros ao Fundo de Estabilização Económica alemão, um instrumento do governo federal criado para ajudar as empresas afectadas pela crise da pandemia de covid-19.

Em coumunicado, o grupo alemão anuncia que, através de um aumento de capital de 2.160 milhões de euros, reembolsou totalmente o montante de 1.500 milhões de euros retirado da Participação Silenciosa I do Fundo de Estabilização Económica (FEE), liquidando assim “uma parte importante das medidas de estabilização actualmente pendentes do FEE”.

O grupo sublinha que também pretende reembolsar integralmente a Participação Silenciosa II de mil milhões de euros antes do final do ano e “rescindir a parte não utilizada da Participação Silenciosa I também antes do final de 2021”.

A nota de imprensa acrescenta que o empréstimo KfW de mil milhões de euros foi pago antes do planeado, em Fevereiro, e que o Fundo de Estabilização Económica, que passou a deter 14,09% do capital social da empresa, comprometeu-se a não alienar quaisquer acções da sociedade nos seis meses seguintes à concretização do aumento de capital.

Contudo, a alienação da participação deverá ser concluída no prazo máximo de 24 meses após a conclusão do aumento de capital, desde que o grupo tenha reembolsado as Participações Silenciosas I e II conforme planeado e que os requisitos contratuais sejam atendidos.

Citado no comunicado, o CEO da Lufhtansa, Carsten Spohr, sublinha que o dinheiro recebido durante a crise permitiu “preservar mais de 100.000 empregos e garanti-los para o futuro”.

“Hoje, estamos a cumprir a nossa promessa e a devolver grande parte dos fundos de estabilização antes do esperado. Estamos cada vez mais confiantes no futuro. Cada vez mais países estão a abrir as suas fronteiras e a procura por viagens aéreas, especialmente de viajantes de negócios, cresce diariamente”, frisou o executivo, admitindo porém que “o ambiente para as companhias aéreas continua desafiador”.

 

Clique para ver mais: Lufthansa

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Venezuela restringe voos internacionais por tempo indeterminado

20-10-2021 (15h25)

As autoridades venezuelanas prolongaram, por tempo indeterminado, as restrições às operações aéreas internacionais em vigor no país, devido à quarentena preventiva da covid-19.

Marrocos suspende voos de/para Alemanha, Reino Unido e Países Baixos

20-10-2021 (14h53)

As autoridades marroquinas decidiram suspender, a partir da meia-noite de hoje, os voos de e para a Alemanha, Países Baixos e Reino Unido devido à evolução da situação da covid-19 nestes três países.

Presidente angolano exonera administração da TAAG

20-10-2021 (14h28)

O Presidente angolano, João Lourenço, exonerou hoje o conselho de administração da companhia aérea de bandeira, TAAG, fundamentando a decisão com a necessidade de concretizar o plano de restruturação da empresa e os seus objectivos estratégicos.

Agências IATA portuguesas reduzem quebra da venda de voos pela pandemia para cerca de metade

20-10-2021 (12h56)

As agências de viagens IATA portuguesas, que nos primeiros meses do ano tiveram quebras da venda de voos em BSP (do inglês para Billing and Settlement Plan) da IATA face aos meses pré-pandemia acima dos 80%, em Setembro reduziram esse diferencial para 44,4%.

Vendas BSP este ano ultrapassam pela primeira vez o total homólogo de 2020

20-10-2021 (12h55)

As vendas BSP das agências IATA portuguesas atingiram em Setembro o total de 207,86 milhões de euros, superando pela primeira vez o total acumulado do período homólogo de 2020, ainda que em relação a 2019 a quebra ultrapasse os 500 milhões de euros.

Opinião e Análise