Emirates manteve-se em 2020 a companhia de aviação mais internacional do mundo

04-08-2021 (17h24)

Foto: A. Doumenjou, Airbus
Foto: A. Doumenjou, Airbus

A Emirates manteve-se em 2020, apesar da pandemia de covid-19, a companhia líder mundial em tráfego internacional transportado, à frente da Ryanair (maior europeia), da Qatar Airways, da Air France e da Turkish Airlines.

Os dados são da IATA que estabeleceu o ranking com base no total de RPK (do inglês para passageiros x quilómetros voados e que no Top25 inclui ainda as europeias British Airways, Lufthansa, KLM, easyJet, Wizz Air, Aeroflot e Iberia.

A IATA indicou que a Emirates realizou 78.746 milhões de RPK, suplantando a Ryanair, de que contabilizou o tráfego apenas da Ryanair irlandesa, com 64.928 milhões de RPK, e que foi a nº 1 mundial em passageiros embarcados em voos internacionais, com 51 milhões.

Em RPK, depois da Emirates e da Ryanair seguiram-se Qatar Airways, com 57.171 milhões, Air France, com 45.619 milhões, e Turkish Airlines, com 42.973 milhões.

Já em passageiros embarcados em voos internacionais, a Ryanair lidera o ranking mundial, com 51.004, seguida por easyJet, com 23.841, Wizz Air, com 16.519, Emirates, com 15.840, e Turkish Airlines, com 13.781.

O ranking das 25 maiores do mundo em passageiros de voos internacionais inclui ainda as europeias Lufthansa, Air France, KLM, British Airways, Eurowings, Transavia, Pegasus Airlines, Swiss, Aeroflot, Vueling e Norwegian.

Quando se juntam os passageiros transportados em voos domésticos, em que a líder mundial é a low cost norte-americana Southwest com 66.600, esta é também a companhia do mundo com mais passageiros transportados em 2020, com 67.785, seguida pela China Southern Airlines, com 67.571, pela American Airlines, com 65.746, pela China Eastern, com 61.050, pela Delta Airlines, com 55.069, e só depois a maior europeia, a Ryanair, com 51.004.

Em passageiros ponderados pelas distâncias voadas (RPK), a maior do mundo incluindo voos internacionais e domésticos foi no ano passado a American Airlines, com 123.997 milhões, seguida por China Southern Airlines, com 110.650 milhões, Delta Airlines, com 106.488 milhões, United Airlines, com 100.188 milhões, e China Eastern Airlines, com 88.728 milhões.

A maior europeia foi a Ryanair, com 64.928 milhões de RPK, seguida pela Turkish Airlines, com 52.206 milhões, pela Air France, com 48.809 milhões, e pela British Airways, com 38.825 milhões.

 

Para ler mais clique:

Europa mantém liderança do tráfego aéreo mundial

 

Clique para mais notícias: IATA

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

CTP preocupada com controlo de testes caso a caso nos aeroportos

26-11-2021 (16h49)

O presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP) manifestou-se hoje preocupado com a medida que obriga as companhias aéreas a controlarem caso a caso os testes à covid-19, nomeadamente em alturas de maior movimento nos aeroportos.

Hub and Spoke

26-11-2021 (16h26)

Poucas decisões são tão impactantes para o resultado de uma companhia aérea como as relativas à sua estrutura de rede (network structure). Mesmo que tudo o resto esteja equilibrado e bem estruturado - a organização operacional, a estrutura de capitais, a política comercial, etc. - as decisões sobre como e para onde voam podem, por si só, determinar o grau de sucesso e consequente futuro dessa companhia aérea. Essas são decisões sobre a frota, as rotas, os horários e a arquitetura do sistema em que se organizam essas rotas e horários.

Companhias aéreas incorrem em multas de 20 mil euros por passageiro sem teste em Portugal

26-11-2021 (15h39)

As companhias aéreas que transportem passageiros sem teste negativo à covid-19 para Portugal incorrem em multas de 20 mil euros por pessoa, anunciou ontem o primeiro-ministro, António Costa, após a reunião do Conselho de Ministros.

França proíbe voos provenientes de Moçambique e de outros países da região

26-11-2021 (13h03)

A França suspendeu hoje os voos provenientes de Moçambique, África do Sul, Lesotho, Botsuana, Zimbabué, Namíbia e Essuatini, com efeito imediato e durante pelo menos 48 horas, após ter sido encontrada uma nova variante do coronavírus.

TAP já esgotou classe executiva nos voos de/para o Brasil até ao fim do ano

23-11-2021 (15h52)

O mercado reagiu como "uma explosão" ao fim das restrições às viagens para Portugal em Setembro, e desde então os voos têm estado "muito bem compostos", disse ao PressTUR o director da TAP no Brasil, Mário Carvalho, destacando que a classe executiva "está cheia até ao fim do ano".

Opinião e Análise