CEO da Ryanair conversa com David Neeleman para ‘alimentar’ voos de longo curso da TAP

02-09-2015 (12h48)

Mas sem code-shares, que “a vida é muito curta”

Michael O’Leary, CEO da Ryanair, já agendou com David Neeleman, líder industrial do consórcio vencedor da privatização da TAP, que assim que o empresário estiver em Lisboa com a sua equipa na companhia portuguesa, terão uma conversa sobre ‘alimentar’ o tráfego de longo curso da transportadora portuguesa com os voos da low cost na Europa.



Mas sem code-shares, que “a vida é muito curta”, respondeu quando questionado pelo PressTUR hoje de manhã durante um encontro com a imprensa em Lisboa.
A Ryanair anunciou no início de Agosto a sua pretensão de se tornar ‘feeder’ de voos de longo curso de outras companhias aéreas como a TAP e já ter falado com a empresa portuguesa, mas, na altura, a companhia aérea portuguesa, questionada pelo PressTUR, disse desconhecer essa situação (para ler mais clique aqui).  
Hoje em Lisboa, Michael O’Leary afirmou que conversou foi com o futuro proprietário da TAP, David Neeleman, que integra o consórcio Atlantic Gateway com Humberto Pedrosa, que está a finalizar a compra da companhia.
“Falei com o David Neelman há cerca de um mês e disse: se a aquisição for para a frente porque é que não conversamos? Nós poderíamos alimentar muitos dos voos de longo curso da TAP à partida de Lisboa, usando os voos de curta distância da Ryanair de e para Lisboa”, revelou Michael O’Leary.
David Neeleman, prosseguiu o CEO da Ryanair, “achou que era uma ideia interessante e combinámos que quando cá estiver [em Lisboa] com a sua equipa na TAP teremos uma conversa sobre isso”.
O CEO da Ryanair considera o modelo de ‘feeder’ de companhias aéreas que não têm uma boa rede própria de voos de curta distância na Europa “um desenvolvimento óbvio” para as low cost nos próximos anos.
Michael O’Leary explicou, então, qual a sua perspectiva em relação aos moldes em que se poderá desenvolver essa estratégia, sublinhando que seria “como um code-share, mas não é um code-share”, porque isso fica “demasiado complicado”, com partilha de “rotas, receitas… a vida é muito curta”.
Uma companhia aérea como a Aer Lingus, que tem voos de longo curso, poderia comprar lugares na Ryanair, explicou O’Leary, tomando como exemplo uma viagem de Manchester a Nova Iorque: “a Aer Lingus faria toda a papelada, mas em Manchester o passageiro faria o check-in nos balcões da Ryanair, e em Dublin nós entregávamos as malas à Aer Lingus”.
“Seria a papelada toda da Aer Lingus, a relação com passageiro seria toda com a Aer Lingus, tanto na curta distância, como no longo curso, mas o voo de curta distância seria feito pela Ryanair”, disse.
Ao permitir à Aer Lingus comprar capacidade na Ryanair “estamos a dar-lhes muito mais lugares a preços mais baixos do que eles conseguem fazer em tráfego ‘feeder’ para eles próprios. E poderíamos fazer algo semelhante para a TAP aqui em Lisboa”.
Resumindo, “se quer comprar o nosso lugar por 25 libras de Manchester para Dublin, vende ao passageiro uma tarifa de 400 libras de Nova Iorque para Manchester e regresso. Nós ficamos com 50 libras e vocês podem guardar o resto do dinheiro”.
O “desafio”, acrescentou Michael O’Leary, é que “estamos com muito movimento”, com um taxa de ocupação em Julho de 95%, pelo que “não temos assim tantos lugares de sobra para vender”.
“Especialmente no Inverno teríamos alguns lugares que seriam de bom uso para algumas das companhias aéreas de longo curso, como a TAP e como a Aer Lingus”, concluiu o CEO da low cost.


Ryanair prevê 2,5 milhões de passageiros no Aeroporto de Lisboa em 2016  
Ryanair atinge novo recorde mensal em Agosto com 10,4 milhões de passageiros  

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Venezuela restringe voos internacionais por tempo indeterminado

20-10-2021 (15h25)

As autoridades venezuelanas prolongaram, por tempo indeterminado, as restrições às operações aéreas internacionais em vigor no país, devido à quarentena preventiva da covid-19.

Marrocos suspende voos de/para Alemanha, Reino Unido e Países Baixos

20-10-2021 (14h53)

As autoridades marroquinas decidiram suspender, a partir da meia-noite de hoje, os voos de e para a Alemanha, Países Baixos e Reino Unido devido à evolução da situação da covid-19 nestes três países.

Presidente angolano exonera administração da TAAG

20-10-2021 (14h28)

O Presidente angolano, João Lourenço, exonerou hoje o conselho de administração da companhia aérea de bandeira, TAAG, fundamentando a decisão com a necessidade de concretizar o plano de restruturação da empresa e os seus objectivos estratégicos.

Agências IATA portuguesas reduzem quebra da venda de voos pela pandemia para cerca de metade

20-10-2021 (12h56)

As agências de viagens IATA portuguesas, que nos primeiros meses do ano tiveram quebras da venda de voos em BSP (do inglês para Billing and Settlement Plan) da IATA face aos meses pré-pandemia acima dos 80%, em Setembro reduziram esse diferencial para 44,4%.

Vendas BSP este ano ultrapassam pela primeira vez o total homólogo de 2020

20-10-2021 (12h55)

As vendas BSP das agências IATA portuguesas atingiram em Setembro o total de 207,86 milhões de euros, superando pela primeira vez o total acumulado do período homólogo de 2020, ainda que em relação a 2019 a quebra ultrapasse os 500 milhões de euros.

Opinião e Análise