Aeroportos de Faro e Funchal voltaram às quebras em Outubro

25-11-2019 (15h15)

Foto: ANA/Vinci
Foto: ANA/Vinci

O crescimento do número de passageiros nos aeroportos portugueses geridos pela ANA/Vinci abrandou em Outubro para 4,2%, com quebras em seis deles, as maiores das quais em Faro e no Funchal, que perderam respectivamente 23 mil e 8,9 mil passageiros em relação ao mês homólogo de 2018.

Dados dos aeroportos portugueses a que o PressTUR teve acesso mostram que ainda assim os aeroportos geridos pela ANA/Vinci atingiram o recorde para o mês de Outubro de 5,39 milhões de passageiros, 219,2 mil acima de Outubro de 2018, pelos aumentos de 162,6 mil em Lisboa e 90,88 mil no Porto.

Os dois maiores aeroportos portugueses atingiram, aliás, novos recordes para o mês de Outubro, com 2,8 milhões de passageiros em Lisboa e 1,18 milhões no Porto.

Em contrapartida, Faro e Funchal, respectivamente terceiro e quarto maiores aeroportos portugueses tiveram quebras.

Em Faro, as quebras de passageiros com mais impacto foram em voos de /para Alemanha, com menos 22,7 mil passageiros (-17,1%), França, com menos 12,5 mil (-15,6%), Holanda, com -6,4 mil (-8%), doméstico, com menos 4,5 mil (-10,1%), Polónia, com menos 3,7 mil (-38,5%), e Irlanda, com menos 3,1 mil (-4,3%).

No Funchal, as maiores quebras foram em voos de/para o Reino Unido, com menos 9,5 mil (-15,3%), França, com menos 2,6 mil (-17,3%), Alemanha, com menos 1,3 mil (-3,6%), Finlândia, com menos 1,3 mil (-23,6%), e Suécia, com menos mil (-31,2%).

A ‘equilibrar’ as quedas em Faro estiveram principalmente os aumentos em voos de/para o Reino Unido (+4% ou mais 17,9 mil), Suíça (+16,6% ou mais 2,7 mil), Itália (+41,8% ou mais 2,7 mil), Áustria (+83,3% ou mais 2,4 mil) e Suécia (+30,1% ou mais 2,1 mil).

No Funchal, as rotas que mais contribuíram para compensar as quebras foram as domésticas, com mais 4,7 mil passageiros (+3,8%), e as ligações com a Lituânia, com mais 1,7 mil passageiros (+198,5%).

Além de Faro e Funchal, também o Aeroporto de Ponta Delgada teve queda de passageiros no mês de Outubro, em 0,3% ou cerca de 520, para 163,8 mil, com aumentos nos voos domésticos (+0,9%) ou mais 1,3 mil, e nas ligações com a Dinamarca (+72% ou mais 641) e Reino Unido (+8,9% ou mais 235), mas quebras nos voos de/para Espanha (-26,7%), Canadá (-6,3%), Alemanha (-13,2%), Cabo Verde (-45,7%) e Estados Unidos (-8,3%).

Para ler mais clique:

Aeroportos portugueses somam no fim de Outubro mais 3,2 milhões de passageiros que em 2018

 

Clique para mais notícias: Aeroportos portugueses

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Venezuela restringe voos internacionais por tempo indeterminado

20-10-2021 (15h25)

As autoridades venezuelanas prolongaram, por tempo indeterminado, as restrições às operações aéreas internacionais em vigor no país, devido à quarentena preventiva da covid-19.

Marrocos suspende voos de/para Alemanha, Reino Unido e Países Baixos

20-10-2021 (14h53)

As autoridades marroquinas decidiram suspender, a partir da meia-noite de hoje, os voos de e para a Alemanha, Países Baixos e Reino Unido devido à evolução da situação da covid-19 nestes três países.

Presidente angolano exonera administração da TAAG

20-10-2021 (14h28)

O Presidente angolano, João Lourenço, exonerou hoje o conselho de administração da companhia aérea de bandeira, TAAG, fundamentando a decisão com a necessidade de concretizar o plano de restruturação da empresa e os seus objectivos estratégicos.

Agências IATA portuguesas reduzem quebra da venda de voos pela pandemia para cerca de metade

20-10-2021 (12h56)

As agências de viagens IATA portuguesas, que nos primeiros meses do ano tiveram quebras da venda de voos em BSP (do inglês para Billing and Settlement Plan) da IATA face aos meses pré-pandemia acima dos 80%, em Setembro reduziram esse diferencial para 44,4%.

Vendas BSP este ano ultrapassam pela primeira vez o total homólogo de 2020

20-10-2021 (12h55)

As vendas BSP das agências IATA portuguesas atingiram em Setembro o total de 207,86 milhões de euros, superando pela primeira vez o total acumulado do período homólogo de 2020, ainda que em relação a 2019 a quebra ultrapasse os 500 milhões de euros.

Opinião e Análise