Açores autorizados a contrair até 130ME de dívida para financiar SATA

12-10-2021 (15h25)

Foto: SATA
Foto: SATA

A Região Autónoma dos Açores tem autorização para se endividar num valor até 130 milhões de euros, em 2022, para responder "às necessidades excepcionais de financiamento" da companhia aérea SATA, segundo a proposta de Orçamento do Estado.

O documento do Governo, entregue na Assembleia da República na segunda-feira, estabelece que esta é uma das excepções, no próximo ano, à proibição imposta às regiões autónomas de fazerem novos empréstimos, "incluindo todas as formas de dívida que impliquem um aumento do seu endividamento líquido", como estabelece a Lei de Enquadramento Orçamental em vigor.

Em 2022, serão uma excepção a esta regra, segundo o Governo, "os empréstimos contraídos e a dívida emitida" pelos Açores "que se destinem especificamente à cobertura de necessidades excepcionais de financiamento à SATA Air Açores", no âmbito do plano de reestruturação da companhia aérea, com um limite de 130 milhões de euros, "deduzido dos reembolsos efetcuados por esta empresa à Região Autónoma dos Açores durante o período decorrido de auxílio estatal de apoio à liquidez da empresa".

Os empréstimos que forem contraídos neste âmbito não serão considerados "para efeitos da dívida total da Região Autónoma", segundo a proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) entregue pelo Governo.

Segunda a Agência Lusa, a companhia aérea SATA pediu um auxílio estatal de 133 milhões de euros, tendo a operação sido aprovada por Bruxelas.

A Comissão Europeia aprovou em Abril a concessão, pelo Governo Regional dos Açores, de compensações financeiras no valor de 12 milhões de euros à SATA, a que acrescem 122,5 milhões de euros em apoio à liquidez.

As duas transportadoras da SATA (a SATA Air Açores, que viaja dentro do arquipélago, e a Azores Airlines) fecharam 2020 com um prejuízo de 88 milhões de euros.

A operação da SATA em 2020, à imagem da globalidade das transportadoras aéreas, foi condicionada pela pandemia de covid-19, tendo a empresa parado a operação durante a maior parte do segundo trimestre desse ano.

Nos anos anteriores à pandemia, os prejuízos globais do grupo haviam já sido de 53 milhões de euros em 2019, valor em linha com a perda registada em 2018.

O Governo entregou na segunda-feira à noite, na Assembleia da República, a proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE22), que prevê que a economia portuguesa cresça 4,8% em 2021 e 5,5% em 2022.

O primeiro processo de debate parlamentar do OE2022 decorre entre 22 e 27 de Outubro, dia em que será feita a votação, na generalidade. A votação final global está agendada para 25 de Novembro, na Assembleia da República, em Lisboa.

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Venezuela restringe voos internacionais por tempo indeterminado

20-10-2021 (15h25)

As autoridades venezuelanas prolongaram, por tempo indeterminado, as restrições às operações aéreas internacionais em vigor no país, devido à quarentena preventiva da covid-19.

Marrocos suspende voos de/para Alemanha, Reino Unido e Países Baixos

20-10-2021 (14h53)

As autoridades marroquinas decidiram suspender, a partir da meia-noite de hoje, os voos de e para a Alemanha, Países Baixos e Reino Unido devido à evolução da situação da covid-19 nestes três países.

Presidente angolano exonera administração da TAAG

20-10-2021 (14h28)

O Presidente angolano, João Lourenço, exonerou hoje o conselho de administração da companhia aérea de bandeira, TAAG, fundamentando a decisão com a necessidade de concretizar o plano de restruturação da empresa e os seus objectivos estratégicos.

Agências IATA portuguesas reduzem quebra da venda de voos pela pandemia para cerca de metade

20-10-2021 (12h56)

As agências de viagens IATA portuguesas, que nos primeiros meses do ano tiveram quebras da venda de voos em BSP (do inglês para Billing and Settlement Plan) da IATA face aos meses pré-pandemia acima dos 80%, em Setembro reduziram esse diferencial para 44,4%.

Vendas BSP este ano ultrapassam pela primeira vez o total homólogo de 2020

20-10-2021 (12h55)

As vendas BSP das agências IATA portuguesas atingiram em Setembro o total de 207,86 milhões de euros, superando pela primeira vez o total acumulado do período homólogo de 2020, ainda que em relação a 2019 a quebra ultrapasse os 500 milhões de euros.

Opinião e Análise