Cabo Verde investe 8,2 milhões de euros em turismo rural e ambiental

27-01-2021 (12h29)

Foto: www.governo.cv
Foto: www.governo.cv

Cabo Verde vai investir cerca de 8,2 milhões de euross num programa a cinco anos para a valorização turística e ambiental de aldeias rurais, com o intuito de diversificar a sua oferta turística além de “Sol e praia”.

A criação deste programa foi aprovada por resolução do Conselho de Ministros de 25 de Janeiro, à qual a Lusa teve hoje acesso, em que o Governo admite que a pandemia de covid-19 provocou “practicamente a paralisação do turismo” em 2020 no arquipélago, condicionando a estratégia nacional, que apontava à meta de um milhão de turistas anuais.

“Com a descoberta das vacinas, prevê-se o recuo da pandemia em 2021 e a recuperação da normalidade, retomando-se o crescimento da economia, mormente no que tange ao turismo. Nesta perspetiva, torna-se muito pertinente acelerar a diversificação dos segmentos turísticos (…), criando mais oportunidades no meio rural”, lê-se na resolução, que recorda que o turismo garante 25% do Produto Interno Bruto (PIB), com um recorde de quase 820.000 turistas em 2019.

Além disso, em termos ambientais, é realçada a necessidade de “integrar melhor a conservação da biodiversidade no turismo”, para “atender às vulnerabilidades dos ecossistemas existentes e, ao mesmo tempo, assegurar a beneficiação ambiental das zonas rurais”, tornando-as “mais qualificadas e atractivas para a actividade do turismo”.

“É justamente neste contexto que o Governo optou pela implementação de um programa de valorização turística e ambiental das aldeias rurais, visando maior rendimento para as famílias, maior resiliência das comunidades e um desenvolvimento mais inclusivo e sustentável”, lê-se na resolução que cria o programa “Valorização Turística e Ambiental das Aldeias Rurais”.

Este programa será implementado em aldeias rurais das ilhas de Santo Antão, São Nicolau, Maio, Santiago, Fogo e Brava, com “caraterísticas privilegiadas em termos de valores naturais”, como biodiversidade ou paisagens, socioculturais ou históricos, tendo a meta final de “diversificação da oferta turística, a melhoria do saneamento básico e o aumento do rendimento e da qualidade de vida da população no meio rural”.

“O turismo balnear (de Sol e praia) é, indubitavelmente, o mais emblemático e as ilhas rasas do Sal e da Boa Vista os principais destinatários de investimentos neste domínio. O país oferece, também, boas condições para o desenvolvimento de outros segmentos turísticos, dos quais destacam-se o ecoturismo e o turismo rural, especialmente nas ilhas de maior relevo”, sublinha-se ainda na resolução divulgada pela Agência Lusa.

As intervenções deste programa estatal preveem o arranjo paisagístico do espaço rural envolvente, como caminhos vicinais, currais, miradouros, reabilitação de habitações e seu enquadramento na paisagem, mas também o fomento da actividade turística nestas aldeias com a criação de circuitos pedestres, sinalética e de centros interpretativos, entre outros investimentos, como a simples construção de casas de banho ou a ligação domiciliária de água.

Genericamente, este programa estatal incluirá medidas de fomento empresarial que “propiciem mais e melhores alojamentos, produção agrícola, gastronomia, artesanato local e eventos culturais”, sendo que para a sua implementação serão alocados sobretudo recursos inscritos nos fundos do Turismo, em mais de 416 milhões de escudos (3,7 milhões de euros) e do Ambiente, cerca de 502 milhões de escudos (4,5 milhões de euros), “sujeitos aos mecanismos de alavancagem”, define o Governo.

É ainda estabelecido que são elegíveis para este programa as aldeias rurais com infraestruturas básicas, nomeadamente água, electricidade e saneamento, com elementos de atractividade turística, incluindo agrícola e pesqueira, com tradição de artes e ofícios como olaria, cerâmica, tecelagem e artesanato, mas também próximas de rotas pedestres ou conhecidas como locais de transformação artesanal de produtos.

Contudo, está também previsto que a beneficiação das aldeias rurais nas ilhas de intervenção “é programada conforme uma lista consensualizada entre o Governo e os diferentes municípios”.

Clique para ver mais: Cabo Verde

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Vilalara Thalassa Resort reabre quinta-feira, 13 de Maio

11-05-2021 (17h20)

O Vilalara Thalassa Resort, em Porches, no Algarve, vai reabrir a 13 de Maio, "preparado para receber com todas as comodidades e segurança os hóspedes que aqui escolhem usufruir das suas férias ou de uma escapada num oásis paradisíaco".

AP Oriental Beach reabre amanhã, 12 de Maio

11-05-2021 (15h04)

A AP Hotels & Resorts, que pertence ao grupo Madre Turismo, anunciou a reabertura do seu hotel AP Oriental Beach, junto à Praia da Rocha em Portimão, para amanhã, 12 de Maio.

VidaMar Algarve reabre a 21 de Maio com promoções

10-05-2021 (18h47)

O VidaMar Algarve, na Praia dos Salgados, no Algarve, vai reabrir a 21 de Maio com ofertas que incluem uma campanha de reabertura com descontos de 30% para estadas durante esse mês.

Dia aberto para visitas às escavações em Tróia será amanhã, 7 de Maio

06-05-2021 (11h55)

O trabalho de escavações nas Ruínas Romanas de Tróia, que já revelaram ocupações anteriores na zona do Palácio Sottomayor, vai estar disponível para visitas guiadas amanhã, 7 de Maio.

Solférias lança programa para visitar a “maior ponte pedonal suspensa do mundo”

06-05-2021 (10h19)

O operador turístico Solférias lançou para o mercado um programa para visitar a “maior ponte pedonal suspensa do mundo”, em Arouca, com alojamento no Hotel As Américas Art Nouveau & Design, em Aveiro.

Opinião e Análise