Cabo Verde e Portugal avançam com candidatura do ex-Campo do Tarrafal à UNESCO

11-06-2021 (18h55)

Foto: ipc.cv - Museu da Resistência
Foto: ipc.cv - Museu da Resistência

Os governos de Cabo Verde e Portugal assinam em 5 de Julho, no ex-Campo de Concentração do Tarrafal, um memorando de entendimento para a candidatura daquele espaço histórico cabo-verdiano a Património da Humanidade da UNESCO.

Segundo informação do Governo de Cabo Verde, o memorando de entendimento insere-se no quadro da cooperação técnica entre os dois países e será assinado naquele dia, no antigo campo de concentração, que há vários anos é o museu mais visitado do arquipélago, na presença da ministra da Cultura de Portugal, Graça Fonseca.

A decisão, segundo o Governo cabo-verdiano, resultou da reunião de trabalho que o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas de Cabo Verde, Abraão Vicente, manteve com a homóloga portuguesa, na terça-feira, durante a visita oficial que está a realizar a Portugal.

“Este será o primeiro passo para o processo de candidatura deste património histórico nacional a Património da Humanidade”, refere uma nota do Governo cabo-verdiano, citada pela Agência Lusa, sobre a assinatura do memorando de entendimento prevista para 5 de Julho, não tendo sido revelado o teor desse acordo.

Contudo, os governos de Portugal e de Cabo Verde já tinham acertado em Fevereiro de 2020, em Lisboa, os detalhes da cooperação técnica portuguesa à candidatura do ex-Campo de Concentração do Tarrafal a Património da Humanidade, que deveria avançar este ano, adiada depois para 2022 devido à pandemia e à crise económica provocada pela covid-19.

Na altura foi anunciado que o acordo para a cooperação técnica visando a candidatura seria formalizado em 1 de Maio de 2020, no Tarrafal, ilha de Santiago, e que o dossiê técnico da candidatura seria entregue à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO, na sigla em inglês) em 2021.

Trata-se da segunda candidatura de Cabo Verde à UNESCO, depois de em Dezembro de 2019 aquela organização ter proclamado a morna, género musical típico cabo-verdiano, a Património Imaterial Cultural da Humanidade, processo que contou com o apoio de especialistas portugueses.

A Lusa tinha já noticiado em Novembro de 2019 que o Instituto do Património Cultural (IPC) cabo-verdiano estava a ultimar, com a Direcção-Geral do Património Cultural de Portugal o apoio ao projecto de candidatura do antigo Campo de Concentração do Tarrafal a Património da Humanidade.

A informação constava de uma nota publicada na altura pelo IPC, na sequência da visita a Portugal do presidente do instituto cabo-verdiano, Hamilton Jair Fernandes, no âmbito da cooperação técnica que já existe entre as duas instituições.

Acompanhado por Paula Silva, da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), o responsável cabo-verdiano visitou o Museu Nacional Resistência e Liberdade, exemplo que, segundo o IPC de Cabo Verde, pretende aproveitar.

Este museu nasceu do reconhecimento da Fortaleza de Peniche enquanto espaço-memória e símbolo da luta pela liberdade em Portugal e da resistência à ditadura do Estado Novo, tal como a transformação feita no antigo Campo do Tarrafal, que passou a Museu da Resistência.

“Histórias e memórias que se cruzam” e que vão unir “uma vez mais estes dois espaços, agora pelo conhecimento e preservação da memória histórica para as futuras gerações. É neste sentido que o IPC e a DGPC pretendem assinar um acordo de parceria para formalizar um acordo já existente”, referia a nota.

O documento acrescentava que o “futuro acordo de parceria”, em negociação entre o IPC e a DGPC, visa a capacitação técnica em áreas como a museologia e gestão de museus, assistência técnica e intercâmbio entre técnicos das duas estruturas, além de mobilização de financiamentos, assim “como apoio técnico e científico ao projeto de candidatura do ex-Campo de Concentração do Tarrafal” a Património da Humanidade.

Situado na localidade de Chão Bom, o antigo Campo de Concentração do Tarrafal foi construído no ano de 1936 e recebeu os primeiros 152 presos políticos em 29 de Outubro do mesmo ano, tendo funcionado até 1956.

Reabriu em 1962, com o nome de “Campo de Trabalho de Chão Bom”, destinado a encarcerar os anticolonialistas de Angola, Guiné-Bissau e Cabo Verde.

O espaço foi classificado Património Cultural Nacional através da Resolução n.º 33/2006, de 14 de Agosto, integra desde 2004 a lista indicativa de Cabo Verde a património da UNESCO e foi alvo de uma reabilitação durante o ano de 2020, financiada pelo Estado cabo-verdiano.

Ao todo, foram presas neste "campo da morte lenta” mais de 500 pessoas: 340 antifascistas e 230 anticolonialistas.

Clique para ver mais: Empresas & Negócios

Clique para ver mais: África

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Solférias promove pacotes para a Disneyland que reabre a 17 de Junho

11-06-2021 (18h31)

O operador turístico Solférias está a promover os seus pacotes para a Disneyland Paris, que vai reabrir oficialmente a 17 de Junho, a partir de 156 euros por pessoa, com voos TAP à saída de Lisboa incluídos.

Moon & Sun reabre os seus hotéis no Porto e em Braga

09-06-2021 (18h59)

O grupo Moon & Sun reabriu os seus dois hotéis 4-estrelas no Porto e em Braga, "seguindo todas as normas de segurança e as recomendações da DGS, e com a renovação do selo Clean & Safe", oferecendo um pacote com descontos de 15%.

Companhias do grupo SATA reforçam operação nos Açores

09-06-2021 (18h15)

As companhias aéreas do grupo SATA reforçaram os voos directos entre os Açores e Portugal Continental e as operações inter-ilhas no arquipélago.

Exposição “As 7 Mulheres do Minho” junta sete artistas à luta intemporal de Maria da Fonte

08-06-2021 (19h02)

A exposição “As 7 Mulheres do Minho”, que celebra os 175 anos da Revolta da Maria da Fonte, foi inaugurada hoje, no Centro Interpretativo Maria da Fonte, da Póvoa de Lanhoso, abrindo um ciclo da galeria, dedicado a artistas mulheres.

Primeiro festival Jardins do Marquês em Oeiras está marcado para Julho

08-06-2021 (17h55)

A primeira edição do festival Jardins do Marquês Oeiras, marcada para 2020 e adiada para este ano, vai acontecer em Julho com mais artistas portugueses no cartaz, foi hoje anunciado, segundo a Lusa.

Opinião e Análise