Clique aqui para ver mais
Contacto: presstur@presstur.com ... Sábado, 31-01-2015 22:35:39 (Lisboa)
Pesquisar:






 Dicas de Viagem
Vendas BSP caem 2,6% em Junho
pela queda de 32,9% em voos domésticos
Presstur 11-07-2012 (16h49) As vendas de voos domésticos pelas agências de viagens IATA portugueses tiveram em Junho o terceiro mês consecutivo de quedas acima dos 30%, mas desta feita sem que o aumento das vendas de voos internacionais tenha chegado para evitar que o mercado registasse um decréscimo de 2,6% ou 1,9 milhões de euros, para 71,8 milhões.
Os dados a que o PressTUR teve acesso indicam que em Junho as vendas BSP de voos internacionais aumentaram 2,1% ou 1,3 milhões de euros, para 65,18 milhões, o que se revelou insuficiente para compensar a queda de 32,9% ou 3,2 milhões em voos domésticos, para 6,6 milhões.
Desde o início de 2012 que essa tem sido a tendência, à excepção do mês de Abril, que este ano pela Páscoa mais cedo teve em relação a 2011 quedas das vendas tanto dos voos domésticos (-34,9%) como dos internacionais (-1,7%).
Nos restantes meses, as vendas de voos internacionais tiveram sempre crescimento, o mais fraco dos quais o de Junho, em 2,1%, e os domésticos tiveram sempre quedas a dois dígitos, o mais fraco dos quais em Janeiro (-12,8%) e o mais forte o de Abril (-34,9%).
Os dados a que o PresTUR teve acesso mostram que o aumento de 0,1% verificado nas vendas BSP no conjunto do primeiro semestre resultaram do aumento em 3,1% no primeiro trimestre, para 197,29 milhões de euros, porque o segundo trimestre teve uma evolução negativa, com uma queda de 2,6%, para 212,4 milhões.
O melhor primeiro trimestre ficou a dever-se a queda menos forte das vendas de voos domésticos (-16,1%) que no segundo (-32,7%) e, também, a aumento mais forte das vendas de voos internacionais, que aumentaram 5,7% no primeiro trimestre e 2,4% no segundo.
Mas as comparações com o ano de 2011 têm reservas de duas ordens. Primeiro, porque 2011 já foi um ano de queda das vendas BSP, em 1,4%, com -2,6% no primeiro semestre, o que beneficia as valorizações este ano. Segundo, porque embora 2011 já fosse um ano de crise, é este ano que as medidas de austeridade se fazem em sentir em pleno, pelo que melhor seria a comparação com 2009, ano da crise económico-financeira mundial que teve forte impacto no turismo, relativamente ao qual o primeiro semestre deste ano mostra um robusto aumento das vendas em 11,4%.

Clique para mais notícias: BSP Portugal
Clique para mais notícias: Agências&Operadores
Clique para mais notícias: Aviação
Clique para mais notícias: Portugal
Entrada    Actualidade    Agências&Operadores










 Cruzeiros
Lisboa teve pior ano em cruzeiros desde 2010
com queda generalizada dos maiores emissores
23-01-2015 (14h40)

Os cruzeiros em Lisboa terminaram o ano de 2014 com o menor número de passageiros desde 2010, com 500.872, que em relação a 2013 representa uma quebra em 10,2% ou 57.168, que se deve essencialmente à quebra de quase 60 mil passageiros das quatro nacionalidades que constituem mais de 80% dos visitantes.

 Agências&Operadores
Pinto Lopes Viagens anuncia novos autores
e novos destinos para viagens este ano
27-01-2015 (20h57)

Uma viagem à Indonésia e a Timor-Leste com José Rodrigues dos Santos, um circuito na Noruega com o chef Hélio Loureiro e duas viagens com o chef Henrique Sá Pessoa, uma a Copenhaga e outra ao País Basco, são as novas propostas da Pinto Lopes Viagens.

Solférias propõe quatro destinos no Brasil
com o charter para Recife na Páscoa
27-01-2015 (12h45)

Recife, Porto de Galinhas, Maria Farinha e Maragogi são os destinos para onde o operador turístico Solférias está a anunciar programas de uma semana de férias na Páscoa com o voo charter de Lisboa no dia 29 de Março, com destino a Recife.

Sonhando volta aos charters para o Brasil
com programas para a Páscoa na Bahia
26-01-2015 (18h41)

O operador turístico Sonhando entra pela primeira vez desde a mudança de direcção, assumida em 2013 por José Manuel Antunes, num charter para o Brasil, designadamente no voo para a Páscoa na Bahia contratado pela Solférias, que foi seu parceiro na venda do charter de Cayo Coco.