TAP vai manter limites de vento que definiu para aterrar na Madeira – Antonoaldo Neves

14-09-2018 (11h54)

“Mesmo que os limites sejam alterados, a TAP vai manter” os limites de vento que definiu para aterragens na Madeira, porque estudou o assunto e tem o “seu padrão de operação e de segurança”, afirmou o CEO da transportadora, Antonoaldo Neves.

O tema foi dos que mais marcaram a audição de ontem na comissão parlamentar de Antonoaldo Neves que, aos jornalistas, precisou caber ao regulador, em alguns assuntos, poder definir limites e que “cabe ao operador decidir se opera naquele limite ou num limite um pouco abaixo daquele limite”.

“A TAP está confortável com o limite que opera hoje, por acreditar que é a forma mais segura de operar”, referiu o executivo, informando ter pedido, quando chegou à presidência da TAP, uma “avaliação profunda dos limites praticados na Madeira” com as actuais e futuras aeronaves da ilha.

Aos jornalistas, depois da audição de mais de três horas na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, o CEO da companhia de aviação frisou que quando afirma que “mesmo que os limites sejam alterados, a TAP vai manter” é porque estudou o assunto.

“Terceiros podem chegar a conclusões diferentes da TAP, mas a TAP tem o seu padrão de operação, tem o seu padrão de segurança, que eu revi, junto com os técnicos, e julgamos que estão muito adequados, inclusivamente com base no avião novo - A320 neo- que aterrou recentemente na Madeira, justamente para testar os limites do vento”, indicou.

O CEO da transportadora esclareceu ontem, dentro e fora da sala da audição parlamentar, que a TAP “não opera para a Madeira, ou para outro destino, na legislação de serviço público”.

“Nós operamos num ambiente concorrencial. Colocámos mais dois mil voos nas regiões autónomas desde que a empresa foi privatizada. Só na Madeira mais 200 mil assentos por ano”, acrescentou, para argumentar que se quisesse preços altos não tinha aumentado o número de lugares.

Segundo o gestor, a TAP “quer e tem trabalhado para baixar os preços para a Madeira”, e que os valores atuais são mais baixos do que antes da privatização da empresa.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: TAP

Clique para ver mais: Madeira

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Solférias leva agentes de viagens portugueses à Tailândia

18-09-2019 (18h16)

O operador turístico Solférias levou um grupo de agentes de viagens portugueses a conhecer a Tailândia, um dos novos destinos da sua programação, proporcionando-lhes um circuito que incluiu praias, cidade e natureza.

Ryanair quer que tripulantes da base de Faro aceitem alterar contratos para sazonais

18-09-2019 (18h13)

A low cost Ryanair admitiu em “nota” de distribuição restrita recuar no encerramento da base de Faro, mas dizendo que a sua continuação “poderá agora ser possibilitada pelo acordo das tripulações baseadas” na infra-estrutura “em mudar para contratos sazonais, para reflectir a natureza sazonal do tráfego de e para o Algarve”.

Ryanair invoca “razões comerciais” para cessar voos entre Lisboa e Porto

18-09-2019 (18h07)

A Ryanair decidiu abandonar a rota entre o Porto e Lisboa “por razões comerciais”, segundo fonte oficial da low cost citada pela Agência Lusa, a qual realçou que, ainda assim, continuará a “operar 57 rotas do Porto e 30 de Lisboa”.

Sindicato dos pilotos da British Airways desconvoca greve de 27 de Setembro

18-09-2019 (17h52)

O sindicato dos pilotos da British Airways (BALPA) desconvocou a greve prevista para 27 de Setembro e pretende iniciar “novas negociações” com a empresa sobre as condições laborais, segundo anunciou hoje.

SATA abre programa de pré-reformas para funcionários com mais de 59 anos

18-09-2019 (17h39)

A Administração do grupo SATA abriu um programa de reformas antecipadas para os trabalhadores com mais de 59 anos, no âmbito do processo de reestruturação da companhia aérea açoriana, noticiou a Lusa, que cita uma comunicação interna a que teve acesso.

Noticias mais lidas