Redes de agências de viagens “estão mais disponíveis” para o produto de cruzeiros, Francisco Teixeira

12-06-2019 (13h04)

As redes de agências de viagens "estão mais disponíveis" para o produto de cruzeiros, afirmou Francisco Teixeira, director da Melair Cruzeiros, que representa em Portugal as companhias Royal Caribbean, Celebrity, Azamara e Pullmantur.

“O trabalho em cada uma das redes tem que ser feito de maneira diferente. É um processo, não é uma coisa que nós chegamos, metemos na prateleira e já está”, começou por dizer o executivo da Melair em conversa com os jornalistas após uma apresentação ontem em Lisboa, a bordo do Independence of the Seas.

“O trabalho do agente de viagens é muito complexo. Se nós lhe introduzirmos a necessidade de trabalhar a venda através do conhecimento do produto isso ainda se torna mais complexo”, considera Francisco Teixeira.

A solução está em “encontrar mecanismos de o fazer da forma mais simples possível”, preconizou.

“Costumo dizer que o agente de viagens se assusta a vender cruzeiros. A maior parte do que ouvimos é que o agente de viagens reserva um cruzeiro porque o cliente lhe pediu. Nós temos que alterar isso. Mas isso também tem que ver com o modelo de negócio que as agências de viagens têm. E nós temos que nos adaptar”, salientou o Francisco Teixeira.

A estratégia da Melair passa por “analisar rede a rede, agrupamento a agrupamento, como é que funcionam, que espaço existe, que interesse existe e explorá-lo”.

De um modo geral, “as redes estão mais disponíveis”, conclui Francisco Teixeira.

A Melair promoveu ontem em Lisboa uma visita ao Indpendence of the Seas, em que participaram cerca de 130 agentes de viagens, que tiveram oportunidade de experimentar o simulador de surf Flow Rider e o jogo Laser Tag, jantar a bordo e assistir a uma apresentação sobre as novidades da companhia.

Clique para continuar a ler:

Mercado de cruzeiros português ultrapassa este ano os 60 mil passageiros, Francisco Teixeira

 

Ver também:

Royal Caribbean vai crescer na Europa “sustentada na qualidade”, Francisco Teixeira

Melair desafia agentes de viagens a propor cruzeiros à saída de Porto Rico 

 

Clique para ver mais: Cruzeiros

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Clique para ver mais: Portugal

Clique para ver mais: Melair

Clique para ver mais: Royal Caribbean

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP já voa para Washington – Dulles

17-06-2019 (17h16)

A TAP já liga as capitais de Portugal e dos Estados Unidos, com a inauguração no Domingo do seu voo TP231 para Washington – Dulles, que informou ter preços de ida desde 253 euros.

Hotéis 5-estrelas e alojamento local são as unidades com maiores aumentos de dormidas até Abril

17-06-2019 (16h59)

Os hotéis de 5-estrelas, com mais 117,9 mil dormidas nos primeiros quatro meses deste ano que no período homólogo de 2018 e os alojamentos locais, com mais 165,2 mil, são os estabelecimentos que maiores aumentos de dormidas tiveram no primeiro quadrimestre, em que o alojamento turístico português somou 16,67 milhões de dormidas, em alta de 3,9% ou 618,7 mil.

Portugal ultrapassa quatro milhões de turistas estrangeiros no primeiro quadrimestre

17-06-2019 (15h46)

Portugal teve 4.038,8 mil turistas residentes no estrangeiro em estabelecimentos de alojamento durante o primeiro quadrimestre, com um aumento em 5,6% ou cerca de 214 mil relativamente ao período homólogo de 2018.

Lufthansa responsabiliza excesso de capacidade na Europa pela quebra de resultados

17-06-2019 (15h15)

O grupo Lufthansa, maior grupo de aviação da Europa em número de passageiros e em tráfego medido em RPK (passageiros x quilómetros voados), responsabiliza um alegado excesso de capacidade na Europa por uma evolução pior do que previa, mas os seus dados mostram que a subsidiária mais problemática é a Eurowings, que até era identificada com o negócio de voos de longo curso low cost.

Governo abre hoje candidaturas a empréstimo obrigacionista para empresas do turismo

17-06-2019 (13h48)

O Governo abre hoje as candidaturas a um empréstimo obrigacionista para empresas do turismo, perspectivando que esta “emissão agrupada” a sete anos atinja, pelo menos, 100 milhões de euros, com financiamento máximo de 15 milhões de euros por empresa.

Noticias mais lidas