Veja aqui a mensagem de despedida de Fernando Pinto de CEO da TAP

11-01-2018 (11h42)

“Os acionistas da Atlantic Gateway já propuseram o nome de Antonoaldo Neves para assumir a liderança, enquanto CEO da TAP, após a aprovação em AG no dia 31 de Janeiro”, assim anuncia Fernando Pinto a sua saída da liderança da gestão executiva da TAP em mensagem aos trabalhadores que o PressTUR publica na íntegra.

“Caros colegas

É com grande orgulho que comunico que em breve estarei me afastando da direcção executiva da nossa Empresa.

Estes 17 anos na TAP foram a experiência mais enriquecedora da minha carreira. Não teria conseguido fazê-lo sem cada um de vós, de todos, os que já cá estavam quando cheguei e de todos os que foram entrando e que vi crescer profissionalmente com o passar dos anos, tal como a Companhia.

Só uma empresa feita de grandes profissionais nas várias áreas que a compõem consegue crescer como a TAP cresceu nestes últimos 17 anos. A TAP é hoje três vezes maior do que quando eu aqui cheguei e cresceu muito também neste dois anos de privatização. É hoje também uma das maiores empregadoras do País. Saio com a certeza de que a empresa está numa rota de crescimento. O nosso caminho é crescer. E irei acompanhar esse crescimento de perto, uma vez que continuarei ligado à companhia nos próximos dois anos enquanto assessor da TAP.

Não é assim, nem jamais será, um adeus. É altura de fazer um balanço e ele é muito positivo.

Há 17 anos, quando cheguei à TAP, tinha como missão privatizar a empresa. Foi, como todos sabemos, um processo difícil, feito de muitos obstáculos e dificuldades. A TAP era já então uma grande empresa, feita de excelentes profissionais, com uma história consistente, digna de uma Companhia que representa um País.

No entanto, enfrentava constrangimentos de ordem financeira que impunham a privatização. E enquanto esse objectivo não se concretizava, a empresa tinha de sobreviver. Esse foi um dos maiores desafios da minha equipa de gestão. Foram 15 anos de sobrevivência. Sobreviver à falta absoluta de capital, às imensas flutuações cambiais, à reestruturação da frota e por fim à chegada das low cost. Lembro de momentos de grandes desafios mas, acima de tudo, momentos de superação, em que foi possível, com a ajuda de todos, acreditar que a empresa tinha futuro.

A estratégia passou sobretudo por olhar além-fronteiras e tirar partido da posição geográfica do hub de Lisboa. Crescer. Aumentar rotas no Brasil, África e Europa. Tornámo-nos então na companhia aérea líder nas ligações entre a Europa e o Brasil. Encontrámos o nosso espaço, na cada vez mais competitiva indústria da aviação. E fizemos aliados. Associamo-nos à maior aliança de companhias aéreas, a Star Alliance, porque sabíamos que tínhamos de estar entre os melhores. Por isso, o balanço que faço desses anos é extremamente positivo. Todos souberam lidar com as adversidades e continuar a acreditar na empresa. Vestir a camisola, como é apanágio de todos aqui dentro.

A privatização da empresa, concretizada há dois anos, permitiu iniciar um novo ciclo na TAP. A meta que tinha imposto a mim e à minha equipa foi finalmente atingida. Era vital para a empresa, como se pode comprovar hoje, após este período de resultados extremamente positivos. A empresa tem atingido resultados históricos sucessivos e a sua saúde financeira é cada vez mais uma realidade, o que nos permite ter grande confiança no caminho que estamos a seguir.

Os verdadeiros heróis destes resultados são todos vós. É com profundo reconhecimento que vos agradeço e a todos os membros da minha equipa que me acompanharam. Destaco o nome de Manoel Torres, a quem devemos o facto de o hub de Lisboa ser uma realidade.

A TAP é hoje uma companhia com uma estratégia clara e bem definida, bem posicionada numa estratégia de crescimento. Fechámos o ano com mais de 14 Milhões de passageiros transportados. Uma meta que parecia inalcançável até há bem pouco tempo. Tem um quadro accionista estável, parcerias e alianças que lhe permitem voar mais alto numa quadro global, com uma nova equipa de excelência, preparada e conhecedora da realidade da empresa e que tenho vindo a acompanhar, e continuarei a fazê-lo, desde a privatização. Os accionistas da Atlantic Gateway já propuseram o nome de Antonoaldo Neves para assumir a liderança, enquanto CEO da TAP, após a aprovação em AG no dia 31 de Janeiro.

Não podia estar mais contente e entusiasmado com esta escolha para assumir os destinos da TAP. É a pessoa certa, e pela qual tenho grande admiração. Aliás, fui eu mesmo quem o convidou para nos ajudar no programa de crescimento que lançámos há dois anos, o que lhe permitiu conhecer detalhadamente a Companhia. É um profissional com grande know how no sector, com experiência enquanto consultor da Mckinsey e membro do Conselho de Administração da empresa brasileira de aeroportos, a convite do Estado brasileiro. Executivo de perfil internacional ligado ao sector da aviação há cerca de 15 anos, foi também responsável pela colocação na Bolsa de NY e de SP da Azul Linhas Aéreas, no que foi o primeiro IPO de uma empresa brasileira nos últimos três anos. Além disso, temos mais em comum: o Antonoaldo, tal como eu, tem antepassados do Norte e também tem cidadania portuguesa.

Estou absolutamente seguro de que com a liderança de Antonoaldo, a TAP continuará neste incrível processo de crescimento. Assim, o meu sentimento hoje é de absoluta realização profissional e pessoal. De missão cumprida. A empresa está no bom caminho e sinto-me plenamente realizado.

Cabe agora aos accionistas iniciarem um novo ciclo com a eleição do meu sucessor para o lugar de presidente executivo da TAP, o que deverá acontecer já na próxima Assembleia Geral, a realizar no próximo dia 31 de Janeiro.

Eu, como todos vocês, tenho e sempre terei muito orgulho nesta empresa. Acredito que devemos todos sentir-nos felizes ao ver aquilo em que a TAP se transformou: numa empresa notável que em 17 anos triplicou o seu tamanho: Três vezes mais receitas, três vezes mais passageiros, três vezes mais rotas e três vezes mais aviões. Hoje a Companhia está presente em 85 destinos, em 35 países. Reconhecida com múltiplos prémios. E muito em breve terá novos aviões. Todo esse crescimento trouxe um incrível aumento do sector turístico e da economia de Portugal. Todos nós devemos estar muito orgulhosos do contributo que demos para o crescimento do nosso país.

Continuarei sempre a acreditar na TAP, porque sei que ela tem os melhores profissionais com quem tive o gosto de trabalhar ao longo dos últimos 17 anos”.

 

Clique para mais notícias: TAP

Clique para mais notícias: Fernando Pinto

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Empreendimentos turísticos de Monchique reabrem após grande incêndio

14-08-2018 (18h46)

O Macdonald Monchique Resort & Spa, em Caldas de Monchique, Algarve, vai reabrir na quinta-feira, depois de ter encerrado devido ao incêndio que durante uma semana atingiu a serra de Monchique.

Governo dos Açores considera “prematuro” falar da proposta de compra da Azores Airlines

14-08-2018 (18h21)

A secretária regional dos Transportes e Obras Públicas dos Açores afirmou ontem ser “absolutamente prematuro” pronunciar-se sobre o processo de alienação de 49% do capital da Azores Airlines, uma vez que a proposta apresentada se encontra em análise.

CVC agrega mais uma participada b2b com a compra do consolidador Esferatur

14-08-2018 (16h26)

A brasileira CVC, maior grupo latino americano de organização e comercialização de viagens, anunciou hoje um reforço do seu portefólio de produtos e serviços para o mercado profissional através da aquisição da Esferatur, classificada como um dos maiores consolidadores do mercado brasileiro, com vendas de bilhetes de avião na ordem de 1,8 mil milhões de reais (cerca de 407 milhões de euros).

Apesar da ocupação a cair, subida de preços da hotelaria portuguesa até acelera em Junho

13-08-2018 (17h46)

Os clientes da hotelaria portuguesa pagaram em média este mês de Junho +11% por dormida, ainda que os dados do INE indiquem uma queda da ocupação, tendência que o sector tende normalmente a travar com descidas de preços para estimular a procura.

Hotelaria portuguesa perde 225,7 mil dormidas de estrangeiros em Junho e acaba semestre com menos 132,3 mil

13-08-2018 (16h00)

A hotelaria portuguesa, que estava a viver um ciclo de crescimentos acentuados sustentado pela procura internacional, acabou o primeiro semestre deste ano com queda do número de pernoitas de turistas estrangeiros, em grande medida pela dimensão da quebra em Junho, primeiro mês da época alta, no qual teve menos 225,7 mil (-5,1%) pernoitas de residentes no estrangeiro.