TAP quer acabar com “dependência” do Brasil através da diversificação de mercados

22-03-2019 (16h42)

A TAP está a trabalhar na diversificação de mercados para acabar com a “dependência” do Brasil, um mercado que representa quase 25% das vendas totais da companhia e que no ano passado teve uma quebra de receitas de 10%, em euros.

Apesar da desvalorização cambial e incerteza política no Brasil, as receitas totais da companhia no ano passado subiram 9,1% ou 273 milhões de euros, para 3.251 milhões, o que foi “um crescimento notável”, começou por dizer o CEO da TAP, Antonoaldo Neves, hoje, na apresentação dos resultados da companhia em Lisboa.

Com a desvalorização cambial, de “3,61 reais por 1 euro em 2017 para 4,31 reais por 1 euro em 2018”, as receitas da TAP no Brasil no passado caíram 10%, em euros, e isso “naturalmente atingiu as nossas contas”, continuou Antonoaldo Neves.

Em passageiros, prosseguiu o CEO da TAP, a companhia transportou mais 1,5 milhões, “e numa matriz de clientes muito mais diversificada do que nós tínhamos no passado”.

“A TAP não pode depender de apenas um mercado. Nós vamos acabar com a dependência da TAP de apenas um mercado. Isso é um processo que foi intensificado esse ano com os novos mercados que nós lançámos”, frisou o executivo.

As 17 novas rotas que a companhia inaugurou nos últimos 18 meses “já representam 6% da receita vendida da TAP”.

“É muito gratificante poder ver nas reuniões mensais de rentabilidade as rotas dos Estados Unidos subindo no ranking de rentabilidade e, em algumas vezes, ultrapassando as nossas rotas brasileiras”, comentou Antonoaldo Neves.

“Isso é gratificante, isso garante o futuro da TAP”, enfatizou.

Antonoaldo Neves destacou que do total de bilhetes vendidos para a rota de Chicago 71% foram vendidos nos Estados Unidos, enquanto na rota de Washington foram 74% e na rota de São Francisco, 51%.

Na rota de Telavive, por sua vez, 39% dos bilhetes foram vendidos em Israel.

A perspectiva de Antonoaldo Neves é que os Estados Unidos possam chegar a representar 15% das vendas da TAP.

Contudo, acrescentou, “isto não é um jogo de quem tem um percentual maior”, o objectivo é que os dois mercados, Brasil e Estados Unidos, “cresçam muito e que seja um ano espectacular”.

David Neeleman, accionista da TAP através do consórcio Atlantic Gateway, que tem 45% da companhia, também afirmou na mesma ocasião que a dependência do Brasil “não pode continuar”.

“Os nossos lucros não podem depender de um país em que um dia está em cima, outro dia está em baixo”, afirmou David Neeleman.

Para mudar, “o que nós estamos a fazer é diversificar os nossos voos para os Estados Unidos”, algo que gostaria de ter feito antes, “mas as aeronaves demoraram bastante e eu não queria entrar nos Estados Unidos com aeronaves com 25 anos”.

“Temos dez cidades no Brasil e oito cidades na América no Norte, uma no Canadá e sete nos Estados Unidos. Gostaria que esse número fosse dez e dez”, acrescentou David Neeleman.

Sobre a operação no Brasil, o accionista avançou ainda que considera que os destinos no Nordeste poderão ser operados em aviões A321LR, “que tem um custo de viagem que é 50% menos que os nossos 330”.

 

Ver também:

TAP vai investir “cada vez mais” nas vendas directas

 

Clique para ver mais: TAP

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Solférias leva agentes de viagens portugueses à Tailândia

18-09-2019 (18h16)

O operador turístico Solférias levou um grupo de agentes de viagens portugueses a conhecer a Tailândia, um dos novos destinos da sua programação, proporcionando-lhes um circuito que incluiu praias, cidade e natureza.

Ryanair quer que tripulantes da base de Faro aceitem alterar contratos para sazonais

18-09-2019 (18h13)

A low cost Ryanair admitiu em “nota” de distribuição restrita recuar no encerramento da base de Faro, mas dizendo que a sua continuação “poderá agora ser possibilitada pelo acordo das tripulações baseadas” na infra-estrutura “em mudar para contratos sazonais, para reflectir a natureza sazonal do tráfego de e para o Algarve”.

Ryanair invoca “razões comerciais” para cessar voos entre Lisboa e Porto

18-09-2019 (18h07)

A Ryanair decidiu abandonar a rota entre o Porto e Lisboa “por razões comerciais”, segundo fonte oficial da low cost citada pela Agência Lusa, a qual realçou que, ainda assim, continuará a “operar 57 rotas do Porto e 30 de Lisboa”.

SATA abre programa de pré-reformas para funcionários com mais de 59 anos

18-09-2019 (17h39)

A Administração do grupo SATA abriu um programa de reformas antecipadas para os trabalhadores com mais de 59 anos, no âmbito do processo de reestruturação da companhia aérea açoriana, noticiou a Lusa, que cita uma comunicação interna a que teve acesso.

Ryanair cessa voos entre Lisboa e Porto

18-09-2019 (17h03)

A low cost Ryanair, que já em Abril tinha reduzido a sua oferta de voos entre Lisboa e o Porto, vai deixar mesmo de operar essa rota, a partir de 25 de Outubro, início do chamado Inverno IATA.

Noticias mais lidas