Operadores marítimo-turísticos dos Açores queixam-se de falta de capacidade na SATA

07-08-2018 (15h08)

Foto: www.azores.gov.pt/
Foto: www.azores.gov.pt/

A SATA “está a penalizar” a actividade dos operadores marítimo-turísticos, por falta de capacidade para a procura que há nomeadamente para mergulho com jamantas ao largo da ilha de Salta Maria, que empresários locais garantem estar a afirmar-se como alternativa às Maldivas.

“Claramente não há lugares suficientes para cobrir a procura”, declarou à Lusa o responsável pela Associação dos Operadores de Mergulho dos Açores (AOMA), que realçou a ineficácia de voos de reforço anunciados com pouco tempo de antecedência, por os clientes do sector dos operadores marítimo-turísticos “normalmente marcarem as férias com antecedência”.

De acordo com o operador, tem havido queixas das agências de viagens que tentam marcar grupos, mas não conseguem, procedendo ao cancelamento das reservas porque, por exemplo, necessitam de oito lugares na SATA e só conseguem seis, o que “gera consequências”.

“O turismo está a mudar. Há sectores que estão a crescer, o que saudamos, mas ao crescerem estes novos sectores isto significa que os previamente existentes não conseguem ter a quantidade de clientes desejada para fazer face às despesas e suas actividades”, declarou o presidente da AOMA.

No caso específico do turismo subaquático, em que, por exemplo, Santa Maria tem maior expressão no Verão, Paulo Reis, empresário do ramo, aponta para quebras de 50%.

O responsável afirma que o modelo de reencaminhamentos aéreos nos Açores “simplesmente não funciona, porque não há lugares e agência nenhuma quer trabalhar com este sistema porque, se algo correr mal, há que arcar com as despesas”.

A ilha de Santa Maria tem vindo a afirmar-se como um "destino de eleição" para mergulhar com jamantas, em alternativa às Maldivas e outras áreas do planeta.

Paulo Reis considera que os Açores “estão definitivamente” na rota das jamantas, que passam o Inverno em Cabo Verde, a avaliar pelos animais sinalizados pela Universidade dos Açores, e ficam o Verão nos Açores, onde chegam normalmente no mês de Junho e início de Julho.

O banco de pesca do Ambrósio é o local onde estas aparecem, sendo “muito raro” o dia em que se lá vai e não se mergulha com com jamantas, adianta.

Face aos “menos voos e menor acessibilidade” nas ilhas de Santa Maria, Faial, Pico e Flores, Paulo Reis refere que já não é possível salvar o Verão.

O dirigente da AOMA deixa, contudo, a necessidade de o grupo SATA começar a trabalhar já a operação de 2019, sublinhando que os mercados americano e europeu agendam férias com “muita antecedência”.

Apesar de reconhecer o esforço de realizar voos de reforço por parte da operadora aérea, o empresário recorda que estes são anunciados com um mês de antecedência ou 15 dias, o que “não serve absolutamente para nada” na sua actividade.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Empreendimentos turísticos de Monchique reabrem após grande incêndio

14-08-2018 (18h46)

O Macdonald Monchique Resort & Spa, em Caldas de Monchique, Algarve, vai reabrir na quinta-feira, depois de ter encerrado devido ao incêndio que durante uma semana atingiu a serra de Monchique.

Governo dos Açores considera “prematuro” falar da proposta de compra da Azores Airlines

14-08-2018 (18h21)

A secretária regional dos Transportes e Obras Públicas dos Açores afirmou ontem ser “absolutamente prematuro” pronunciar-se sobre o processo de alienação de 49% do capital da Azores Airlines, uma vez que a proposta apresentada se encontra em análise.

CVC agrega mais uma participada b2b com a compra do consolidador Esferatur

14-08-2018 (16h26)

A brasileira CVC, maior grupo latino americano de organização e comercialização de viagens, anunciou hoje um reforço do seu portefólio de produtos e serviços para o mercado profissional através da aquisição da Esferatur, classificada como um dos maiores consolidadores do mercado brasileiro, com vendas de bilhetes de avião na ordem de 1,8 mil milhões de reais (cerca de 407 milhões de euros).

Apesar da ocupação a cair, subida de preços da hotelaria portuguesa até acelera em Junho

13-08-2018 (17h46)

Os clientes da hotelaria portuguesa pagaram em média este mês de Junho +11% por dormida, ainda que os dados do INE indiquem uma queda da ocupação, tendência que o sector tende normalmente a travar com descidas de preços para estimular a procura.

Hotelaria portuguesa perde 225,7 mil dormidas de estrangeiros em Junho e acaba semestre com menos 132,3 mil

13-08-2018 (16h00)

A hotelaria portuguesa, que estava a viver um ciclo de crescimentos acentuados sustentado pela procura internacional, acabou o primeiro semestre deste ano com queda do número de pernoitas de turistas estrangeiros, em grande medida pela dimensão da quebra em Junho, primeiro mês da época alta, no qual teve menos 225,7 mil (-5,1%) pernoitas de residentes no estrangeiro.