“Nada pode objectar a que o nosso Portela+1 exista rápido. Não pode ser em 2022”, presidente da CTP

26-11-2017 (22h48)

Foto de Nuno Carvalho, Click and Play, distribuída pela APAVT
Foto de Nuno Carvalho, Click and Play, distribuída pela APAVT

A urgência do aumento da capacidade aeroportuária de/para Lisboa foi a questão que mereceu a maior ênfase por parte do presidente da Confederação do Turismo Português (CTP), Francisco Calheiros, que, ao dirigir-se ao Congresso da APAVT, que “é sempre o grande congresso do turismo”, preconizou seja encarada como “desígnio nacional”.

Francisco Calheiros, que receberia uma salva de palmas quando considerou que uma boa notícia para 2018 é que Pedro Costa Ferreira se recandidata à presidência da APAVT, enfatizou que é “sensível” a questões que têm sido levantadas, sejam ambientais, camarárias, Força Aérea, ou outras, “mas [que] nada pode objectar a que o nosso Portela+1 exista rápido. Não pode ser em 2022”.

E para agravar, Francisco Calheiros deixou a suspeita de que afinal nem essa data, que não satisfaz, “se calhar” não será cumprida.

O presidente da CTP optou por fazer uma intervenção ‘macro’ em que elencou os temas que as confederações patronais têm divergido do Governo, “e começamos logo com o Orçamento de Estado” em que considera “que se perdeu mais uma oportunidade de se fazerem importantes reformas”.

Para o presidente da CTP, um dos erros do OE é ir contra o princípio de que “só se pode distribuir aquilo que se tem”.

“Não tendo nada contra pensionistas nem contra as famílias, só em IRS, pensões e descongelamento de carreiras estamos a falar de um aumento de despesa de mais de um bilião de euros, ou seja mil milhões de euros... e para 2019 1.500 milhões de euros”, realçou.

Francisco Calheiros argumentou ainda que o OE não tem “praticamente nada” em termos de reforma do Estado.

“Nós todos, que somos empresários, sabemos bem o que é que nos últimos dez/vinte anos temos feito nas nossas empresas, as alterações profundíssimas que as nossas empresas têm vindo a sofrer. E o que é que nós vimos do Estado? O que alterou na Justiça? O que é que alterou na Educação? O que é alterou na Segurança Social de que tanto se fala todos os dias?”, questionou, avançando de seguida “a única alteração que vislumbramos no OE é que aquela velha regra de que quando saem dois funcionários entra um aumentámos e agora já podem entrar dois quando saem três”.

Francisco Calheiros levantou também a questão de que o aumento da derrama para empresas com lucros superiores a 35 milhões de euros seja apenas um começo. “Dir-me-ão, mas é só para empresas que ganham mais de 35 milhões... É este ano. Vamos ver para o ano que vem e para os outros dois [até ao fim da legislatura], se não vamos ter de facto um aumento de derrama”.

 

O PressTUR está em Macau a convite da APAVT

 

Continua em:

CTP não perde oportunidade de apontar “erro” da não dedutibilidade do IVA no MICE

 

Clique para mais notícias: APAVT

Clique para mais notícias: Congresso da APAVT

Clique para mais notícias: CTP

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Empreendimentos turísticos de Monchique reabrem após grande incêndio

14-08-2018 (18h46)

O Macdonald Monchique Resort & Spa, em Caldas de Monchique, Algarve, vai reabrir na quinta-feira, depois de ter encerrado devido ao incêndio que durante uma semana atingiu a serra de Monchique.

Governo dos Açores considera “prematuro” falar da proposta de compra da Azores Airlines

14-08-2018 (18h21)

A secretária regional dos Transportes e Obras Públicas dos Açores afirmou ontem ser “absolutamente prematuro” pronunciar-se sobre o processo de alienação de 49% do capital da Azores Airlines, uma vez que a proposta apresentada se encontra em análise.

CVC agrega mais uma participada b2b com a compra do consolidador Esferatur

14-08-2018 (16h26)

A brasileira CVC, maior grupo latino americano de organização e comercialização de viagens, anunciou hoje um reforço do seu portefólio de produtos e serviços para o mercado profissional através da aquisição da Esferatur, classificada como um dos maiores consolidadores do mercado brasileiro, com vendas de bilhetes de avião na ordem de 1,8 mil milhões de reais (cerca de 407 milhões de euros).

Apesar da ocupação a cair, subida de preços da hotelaria portuguesa até acelera em Junho

13-08-2018 (17h46)

Os clientes da hotelaria portuguesa pagaram em média este mês de Junho +11% por dormida, ainda que os dados do INE indiquem uma queda da ocupação, tendência que o sector tende normalmente a travar com descidas de preços para estimular a procura.

Hotelaria portuguesa perde 225,7 mil dormidas de estrangeiros em Junho e acaba semestre com menos 132,3 mil

13-08-2018 (16h00)

A hotelaria portuguesa, que estava a viver um ciclo de crescimentos acentuados sustentado pela procura internacional, acabou o primeiro semestre deste ano com queda do número de pernoitas de turistas estrangeiros, em grande medida pela dimensão da quebra em Junho, primeiro mês da época alta, no qual teve menos 225,7 mil (-5,1%) pernoitas de residentes no estrangeiro.