Museu do Côa vai ter passadiços de ligação ao rio Douro

26-02-2018 (15h30)

Foto: José Paulo Ruas/Fundação Côa Parque/www.arte-coa.pt
Foto: José Paulo Ruas/Fundação Côa Parque/www.arte-coa.pt

O município de Foz Côa e a Fundação Côa Parque vão construir passadiços para fazer a ligação do museu e do parque arqueológico à margem do rio Douro, tendo em vista o turismo fluvial, disse o presidente da autarquia à Agência Lusa.

“O que se pretende é uma maior aproximação do turismo fluvial do Douro com o Museu do Côa e, ao mesmo tempo, criar passadiços que liguem alguns núcleos da arte rupestre do parque arqueológico”, afirmou à Agência Lusa o presidente da câmara de Foz Côa, Gustavo Duarte.

O projecto, prosseguiu o autarca, “servirá para acelerar a construção de um cais fluvial nas proximidades do museu, de forma a permitir o desembarque de turistas que procuram a arte do Côa e os produtos endógenos”.

Na primeira fase será construído um passadiço com cerca de um quilómetro de extensão, desenhado em forma de uma das gravuras rupestre do Vale do Côa e desenvolvido pelos autores do projecto para o rio Paiva, na zona de Arouca.

“Outra das ideias é ligar um novo passadiço à antiga estação de caminho-de-ferro do Côa, no troço de linha desativado entre o Pocinho a Barca d' Alva. O imóvel da estação será alvo de requalificação, já havendo empresários interessados na iniciativa”, acrescentou Gustavo Duarte.

Em Vila Nova de Foz Côa, no distrito da Guarda, o projecto vai arrancar no sopé do museu para permitir a visita a alguns núcleos de gravuras rupestres no Vale de José Esteves e da Vermiosa.

“Depois, vamos alargar o projecto para que os visitantes tenham uma forma diferente de apreciar a natureza e este nosso património rupestre, e o próprio Douro e o Côa”, sublinhou o autarca.

O presidente da Fundação Côa Parque, Bruno Navarro, considerou por sua vez que o projecto pode constituir uma mais-valia para a valorização do território do Côa.

“Este passadiço poderá ser mais uma atracção para os turistas que utilizam a via fluvial para descobrirem o vale do Douro”, frisou.

Com este projeto, a Fundação Côa Parque assume o compromisso de abrir mais núcleos de Arte Rupestre ao público, sem ser necessário fazer o transporte em viaturas todo o terreno.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

A330neo deve começar a voar pela TAP “entre Novembro e Dezembro” – Antonoaldo Neves, CEO

20-06-2018 (00h38)

O novo A330neo apresentado esta terça-feira em Lisboa, que Airbus tinha previsto entregar à TAP este Verão, só vai integrar a frota da companhia aérea portuguesa “entre Novembro e Dezembro”, disse Antonoaldo Neves, CEO da TAP.

“TAP vai crescer oito destinos por ano nos próximos cinco anos” – Antonoaldo Neves, CEO

19-06-2018 (23h55)

O CEO da TAP, Antonoaldo Neves, anunciou que a companhia aérea portuguesa "vai crescer oito destinos por ano nos próximos cinco anos", destacando como possibilidades Chicago, Washington, Dublin, Telavive e São Francisco.

Ministro Pedro Marques fala de “negociação difícil” sobre novo aeroporto de Lisboa

19-06-2018 (19h52)

Cerca de ano e meio depois de ter assinado o contrato com a ANA/Vinci para a criação de um aeroporto complementar na base do Montijo, o ministro do Planeamento, Pedro Marques, queixa-se de que tem uma “negociação difícil pela frente” com a operadora aeroportuária que tem o monopólio da gestão dos aeroportos portugueses.

TAP vai levar o primeiro A330neo do mundo ao Rio de Janeiro, São Paulo, Recife e Miami

19-06-2018 (19h06)

Rio de Janeiro, São Paulo, Recife e Miami são os quatro aeroportos para onde a TAP opera que estão incluídos no périplo mundial que o primeiro Airbus A330neo vai realizar para cumprir as 150 horas de teste de voo.

TAP encomenda estudo sobre optimização do Aeroporto de Lisboa

19-06-2018 (18h15)

A TAP, companhia que transporta mais de metade dos passageiros que voam de/para Lisboa, encomendou um estudo sobre a optimização do Aeroporto Humberto Delgado e prevê ter respostas “em quatro ou cinco meses”, segundo o CEO da companhia, Antonoaldo Neves.