Montijo pode receber voos civis em 2022, “se”..., director do Aeroporto de Lisboa

13-06-2018 (15h33)

O director do aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, João Nunes, afirmou hoje que o aeroporto complementar do Montijo poderá receber voos civis em 2022, “se houver, dentro do horizonte temporal estabelecido, uma decisão favorável”.

“Acreditamos que há todas as condições, neste momento, para que se houver, dentro do horizonte temporal estabelecido, uma decisão favorável, estamos preparados para que tenhamos operações civis no Montijo já em 2022”, afirmou o executivo, indicando que deverá haver uma posição final no segundo semestre.

João Nunes garantiu que a responsabilidade da ANA, gestora dos aeroportos, está cumprida em termos de apresentação de projectos necessários.

“Havia algumas matérias pendentes, que tinham a ver com estudos ambientais, que também já estão entregues. Nós consideramos que estão reunidas todas as condições e o Governo terá todos os elementos necessários à tomada de decisão, que é importante que ela seja tomada efectivamente, rapidamente”, considerou.

As respostas aos jornalistas foram dadas depois da apresentação da nova área de 'check-in' do aeroporto de Lisboa, composta por quiosques e balcões de utilização automática em formato de ‘self-service’, num investimento de 11 milhões de euros.

Esta nova área surge quando o Aeroporto de Lisboa, mais do que duplicou em termos de número de passageiros processados, que subiram de 13 milhões em 2008 para 26,7 milhões em 2017.

O director do Aeroporto de Lisboa realçou ainda que em 2017 a infra-estrutura teve o maior aumento de passageiros de sempre, com mais 4,2 milhões, e destacou que Lisboa entrou, assim, na “liga dos campeões dos aeroportos” e está a competir em “tudo que é bom e naquilo que são grandes desafios”, referindo-se ao facto de o Humberto Delgado ter passado a ser classificado no Grupo 1 pelo Airports Council International (ACI) Europa, que engloba os mais aeroportos da Europa, com mais de 25 milhões de passageiros por ano.

O executivo classificou esse crescimento como “tão abrupto e súbito”, ignorando que há mais de uma década que está em cima da mesa a necessidade de Lisboa ter mais capacidade aeroportuária, e descreveu a situação actual como perto do “limite da sua capacidade”, depois que em 2017 foram ultrapassadas todas as condições impostas para a “formulação para uma proposta de expansão para o aeroporto de Lisboa”.

João Nunes avançou que relativamente às questões de capacidade e organização do espaço aéreo na zona de Lisboa foram desenvolvidos planos e “compromissos militares, alguns deles que ainda estarão em formalização final”, que irão permitir passar dos actuais 40 movimentos por hora para 46 a 48.

O Montijo poderá registar 24 movimentos por hora e assim poderá haver uma espécie de “aeroporto com duas pistas separadas, no meio, por um rio”, já que a “pista no Montijo, se esta solução avançar, é praticamente paralela à de Lisboa”.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Aeroporto de Lisboa

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Empreendimentos turísticos de Monchique reabrem após grande incêndio

14-08-2018 (18h46)

O Macdonald Monchique Resort & Spa, em Caldas de Monchique, Algarve, vai reabrir na quinta-feira, depois de ter encerrado devido ao incêndio que durante uma semana atingiu a serra de Monchique.

Governo dos Açores considera “prematuro” falar da proposta de compra da Azores Airlines

14-08-2018 (18h21)

A secretária regional dos Transportes e Obras Públicas dos Açores afirmou ontem ser “absolutamente prematuro” pronunciar-se sobre o processo de alienação de 49% do capital da Azores Airlines, uma vez que a proposta apresentada se encontra em análise.

CVC agrega mais uma participada b2b com a compra do consolidador Esferatur

14-08-2018 (16h26)

A brasileira CVC, maior grupo latino americano de organização e comercialização de viagens, anunciou hoje um reforço do seu portefólio de produtos e serviços para o mercado profissional através da aquisição da Esferatur, classificada como um dos maiores consolidadores do mercado brasileiro, com vendas de bilhetes de avião na ordem de 1,8 mil milhões de reais (cerca de 407 milhões de euros).

Apesar da ocupação a cair, subida de preços da hotelaria portuguesa até acelera em Junho

13-08-2018 (17h46)

Os clientes da hotelaria portuguesa pagaram em média este mês de Junho +11% por dormida, ainda que os dados do INE indiquem uma queda da ocupação, tendência que o sector tende normalmente a travar com descidas de preços para estimular a procura.

Hotelaria portuguesa perde 225,7 mil dormidas de estrangeiros em Junho e acaba semestre com menos 132,3 mil

13-08-2018 (16h00)

A hotelaria portuguesa, que estava a viver um ciclo de crescimentos acentuados sustentado pela procura internacional, acabou o primeiro semestre deste ano com queda do número de pernoitas de turistas estrangeiros, em grande medida pela dimensão da quebra em Junho, primeiro mês da época alta, no qual teve menos 225,7 mil (-5,1%) pernoitas de residentes no estrangeiro.