Hotéis do Algarve e da Madeira perspectivam quebra do mercado britânico este Verão – AHP

12-07-2018 (12h51)

A Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) concluiu através de um inquérito que 32% dos hoteleiros do Algarve e 59% dos hoteleiros da Madeira perspectivam uma quebra do mercado britânico este Verão.

Os hoteleiros inquiridos pela AHP apontam o mercado interno (18%), Espanha e França (15%) como sendo os principais para este Verão, seguidos da Alemanha e do Reino Unido (11%), Brasil (8%), Estados Unidos (6%), Holanda (4%) e Itália (3%).

A AHP destaca a melhoria das expectativas para o mercado francês e brasileiro, com 45% e 44% dos hoteleiros, respetivamente, a indicarem que a evolução destes mercados será melhor ou muito melhor que no Verão do ano passado.

Ao analisar por regiões, a Associação indica que 32% dos hoteleiros do Algarve prevê uma quebra do mercado do Reino Unido, que deverá no entanto manter-se como principal emissor, com uma quota de 22%.

Os hoteleiros da Madeira também indicam o Reino Unido como principal mercado, com 19%, seguido da Alemanha e de Portugal.

Contudo, acrescenta a informação, 59% dos hoteleiros da Madeira prevê uma quebra do mercado britânico, enquanto 53% prevê uma quebra do mercado alemão.

A AHP sublinha que no Alentejo existe “uma estabilidade de todos os mercados”, e na região Centro “os principais mercados serão Portugal (22%), Espanha (18%) e França (14%)”.

No Norte, as respostas apontam como primeiro mercado Portugal (20%), seguido de Espanha (18%) e França (16%), e nos Açores, os principais mercados serão, “à semelhança do ano anterior”, Portugal e Alemanha (22%), com destaque também para “melhor performance dos Estados Unidos, Itália e Alemanha e a quebra do mercado inglês para 33% dos inquiridos”.

Para a região de Lisboa, a AHP assinala “o crescimento em termos de performance dos mercados americano, francês e brasileiro”, com os principais mercados a serem França (17%) Espanha (15%) e Portugal (14%).

O inquérito foi realizado entre 29 de Maio e 21 de Junho com base nas pré-reservas efectuadas em hotéis associados, com uma amostra de 40%.

Cristina Siza Vieira, presidente executiva da AHP, citada em comunicado, afirmou que a Associação tem “acompanhado o mercado inglês com particular atenção por várias razões, entre elas: o facto de ser um mercado que em termos de dimensão é o nosso 1º mercado emissor, com uma quota de 22,3%, mais ainda no Algarve e na Madeira, onde representa 40,3% e 28,4%, respetivamente, da quota de mercado”.

Cristina Siza Vieira destaca que ainda está por calcular o impacto do Brexit “particularmente na vertente de desvalorização da libra mas não só”.

Em análise sobre o desempenho do mercado britânico está também "a recuperação de destinos concorrentes de Sol e Praia; e a falência de algumas companhias aéreas".

Neste inquérito, acrescentou a presidente executiva da AHP, “os hoteleiros já perspectivam que haja uma quebra significativa deste mercado, na Madeira e Algarve”.

Outro factor assinalado por Cristina Siza Vieira na análise por regiões é a quebra de 3,8% das dormidas do mercado alemão na Madeira desde o início do ano, um emissor que representa 30,9%.

A quebra, conclui Cristina Siza Vieira, é “provocada pela falência da Monarch, da Air Berlin e da Niki justifica preocupação”.

 

Ver também:

Hotelaria portuguesa prevê melhorar RevPAR este Verão – AHP

 

Clique para ver mais: AHP

Clique para ver mais: Hotelaria portuguesa

Clique para ver mais: Hotelaria

Clique para ver mais: Portugal


 

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Aegean confirma aumento de frequências para Lisboa e Porto

22-02-2019 (18h11)

A companhia de aviação grega Aegean confirmou hoje que tem programado um aumento de frequências para Lisboa e Porto, num comunicado em que anuncia um reforço da sua oferta global este ano em 700 mil lugares.

Mesmo com Brexit ‘à porta’, britânicos foram os turistas que mais despenderam em Portugal em 2018

21-02-2019 (17h54)

Os residentes no Reino Unido, mesmo com o adensar da perspectiva de um ‘divorcio litigioso’ com a União Europeia e apesar de uma quebra no alojamento turístico português, não só se mantiveram em 2018 os líderes em gastos turísticos em Portugal em 2018, como foram os que fizeram o segundo maior aumento.

Portugal teve aumentos a dois dígitos de gastos de turistas de 37 países

21-02-2019 (17h49)

Apesar dos ventos desfavoráveis principalmente na segunda metade do ano, Portugal concluiu 2018 com um aumento médio dos gastos de turistas estrangeiros em 9,6%, com 37 em 62 com dados disponíveis no Banco de Portugal a registarem aumentos a dois dígitos.

Brasil foi o destino com a maior queda de gastos turísticos dos portugueses em 2018

21-02-2019 (16h37)

O Brasil, que enfrentou vários desafios em 2018, nomeadamente uma sucessão presidencial turbulenta, foi o país que teve a maior quebra de gastos turísticos dos portugueses, entre 61 com dados publicados pelo Banco de Portugal, mas conseguiu ainda assim manter-se no Top10 dos destinos.

Gastos dos portugueses em turismo ultrapassam os cem milhões de euros em oito países

21-02-2019 (16h35)

Espanha, França, Reino Unido, Alemanha, Estados Unidos, Bélgica, Itália e Holanda foram os únicos países a somarem mais de cem milhões de euros de gastos turísticos de residentes em Portugal no ano de 2018, de acordo com dados do Banco de Portugal recolhidos pelo PressTUR.