Gastos dos portugueses em turismo ultrapassam os cem milhões de euros em oito países

21-02-2019 (16h35)

Espanha, França, Reino Unido, Alemanha, Estados Unidos, Bélgica, Itália e Holanda foram os únicos países a somarem mais de cem milhões de euros de gastos turísticos de residentes em Portugal no ano de 2018, de acordo com dados do Banco de Portugal recolhidos pelo PressTUR.

Espanha consolidou no ano passado a liderança dos destinos onde os portugueses mais despendem, o que segundo alguns analistas também reflecte as compras de bens e serviços com preços mais favoráveis sobretudo por parte de populações das regiões fronteiriças.

Os dados recolhidos pelo PressTUR mostram que desde pelo menos 2014 que ‘o trio’ de países com mais gastos turísticos dos portugueses se mantém inalterado, com França, em nº 2, no ano passado com 652,25 milhões de euros em 2018 (+9,2% ou mais 55,07 milhões que em 2017) e Reino Unido em 3º, com 418,88 milhões no ano passado (-0,1% ou menos 0,3 milhões que em 2017).

A Alemanha, com 292,52 milhões de euros (+5,3% ou mais 14,8 milhões), manteve a 4ª posição, alcançada em 2015, quando superou os Estados Unidos, que se mantêm desde então o 5º principal destino, no ano passado com 230,42 milhões de euros (+2,4% ou mais 5,42 milhões que em 2017), e segue-se a Bélgica, com 207,49 milhões (+16,3% ou mais 29,1 milhões).

Em mais nenhum destino foi superada a marca dos 200 milhões de gastos em 2018, tendo a Itália como o que ficou mais próximo, com 192,29 milhões (+21,9% ou mais 34,54 milhões), mantendo portanto a 7ª posição.

Já com menos de 200 milhões, mas ainda com mais de cem milhões, segue-se a Holanda, com 113,07 milhões (+15,8% ou mais 15,45 milhões), que entre 2014 e 2018 subiu sucessivamente de 12º para 8º destino.

O Top10 dos destinos com mais gastos turísticos dos portugueses em 2018 encerra-se com Luxemburgo e Brasil, respectivamente com 96,62 milhões (+16,7% ou mais 13,85 milhões que em 2017) e com 92,82 milhões (-20,5% ou menos 23,98 milhões).

Seguem-se Suíça, com 64,63 milhões de euros  (-1,3% ou menos 0,83 milhões que em 2017), Irlanda, com 51,17 milhões (-11,3% ou menos 6,55 milhões), e, na 13ª posição, Cabo Verde, primeiro destino em África, com 42,18 milhões (+41,8% ou mais 12,43 milhões), seguido por México, nº 1 nas Caraíbas, com 38,17 milhões (+18,8% ou mais 6,03 milhões), e Angola, com 37,2 milhões (-12,5% ou menos 5,3 milhões).

Marrocos foi o 16º destino com mais gastos turísticos dos portugueses em 2018, com 35,54 milhões (+52,3% ou mais 12,2 milhões que em 2017), seguido por Emirados Árabes Unidos, com 33,12 milhões (-0,8% ou menos 0,26 milhões), Grécia, com 30,33 milhões (+20,6% ou mais 5,18 milhões), Áustria, com 28,89 milhões (+12,7% ou mais 3,26 milhões), e África do Sul, com 28,63 milhões (+1,9% ou mais 0,54 milhões).

Ainda com mais de 20 milhões de gastos de turistas portugueses contabilizados pelo Banco de Portugal estiveram no ano passado o Canadá, com 28,33 milhões (-6,2% ou menos 1,88 milhões), e Rússia, com 24,12 milhões (+70,9% ou mais 10,01 milhões).

Seguiu-se um grupo de cinco países com menos de 20 milhões, mas mais de 15 milhões, que inclui Polónia, com 19,63 milhões (+25,4% ou mais 3,97 milhões), Moçambique, com 18,53 milhões (-6,2% ou menos 1,22 milhões), Suécia, com 17,88 milhões (+7,6% ou mais 1,27 milhões), Dinamarca, com 16,81 milhões (+6,5% ou mais 1,03 milhões), e China, com 15,45 milhões (+20,1% ou mais 2,59 milhões).

Com menos de 15 milhões, mas mais de dez milhões estiveram República Checa, com 14,93 milhões (+1,4% ou mais 0,2 milhões), Turquia, com 14,43 milhões (+129,8% ou mais 8,15 milhões), Hungria, com 13,48 milhões (+45,3% ou mais 4,2 milhões), Austrália, com 12,14 milhões (+42,2% ou mais 3,6 milhões), Croácia, com 11,69 milhões (+1,5% ou mais 0,17 milhões), São Tomé, com 11,66 milhões (+72,7% ou mais 4,91 milhões), Índia, com 11,42 milhões (+14,8% ou mais 1,47 milhões), Malta, com 10,57 milhões (+51,9% ou mais 3,61 milhões), Tunísia, com 10,53 milhões (+154,3% ou mais 6,39 milhões), Japão, com 10,45 milhões (+8,7% ou mais 0,84 milhões), Noruega, com 10,32 milhões (-0,6% ou menos 0,06 milhões), e Roménia, com 10,15 milhões (-4,4% ou menos 0,47 milhões).

 

Para ler mais clique:

Espanha já fica com praticamente 30% dos gastos dos portugueses em turismo no estrangeiro

Gastos dos portugueses em turismo no estrangeiro completam 72 meses consecutivos de aumentos

 

Clique para mais notícias: Balança portuguesa das Viagens e Turismo

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP quadruplica oferta de obrigações para até 200 milhões de euros

14-06-2019 (19h03)

A TAP decidiu multiplicar por quatro o número e valor de obrigações a emitir, no âmbito do empréstimo obrigacionista em curso, passando de 50 milhões de euros para até 200 milhões de euros, foi hoje comunicado ao mercado.

TAP recebe mais três Airbus A330neo e já conta com dez

14-06-2019 (16h58)

A TAP anunciou hoje ter recebido mais três aviões Airbus A330neo e que, assim, já com dez unidades deste avião que diz contribuir “com mais de 24 milhões de euros para a economia portuguesa” e “mais de 600 postos de trabalho para o País”.

Governo português quer mais 50% de turistas brasileiros até 2021

13-06-2019 (15h17)

O Governo português quer que o número de turistas brasileiros que visita o país aumente para 1,5 milhões até 2021, disse à Lusa, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, que assim fixou um objectivo de crescimento em 50% deste emissor, que disse continuar a “ser uma aposta estratégica para o turismo português”.

PSP reforça policiamento de praias, transportes públicos e locais turísticos no Verão

13-06-2019 (14h52)

A PSP vai reforçar o policiamento das zonas balneares, transportes públicos e locais turísticos a partir de sábado, no âmbito da operação "Verão seguro 2019", que se prolonga até 15 de Setembro, indicou hoje aquela polícia.

Banco de Portugal prevê “abrandamento” das exportações de turismo em 2020-21

12-06-2019 (17h05)

O Banco de Portugal avançou hoje a previsão de um abrandamento das exportações de turismo em 2020-21, “num contexto de recuperação de alguns destinos concorrentes”.

Noticias mais lidas