Espanhóis e portugueses garantiram crescimento da hotelaria portuguesa em Março

15-05-2018 (16h29)

A comparação de um Março com Páscoa este ano com um Março sem Páscoa em 2017 proporcionou o primeiro aumento de dormidas a dois dígitos no alojamento turístico português este ano, mas com um ‘efeito’ concentrado nos mercados português e espanhol, aos quais deve 83,3% do crescimento.

Como tradicionalmente, Portugal é um destino muito procurado pelos turistas espanhóis na Semana Santa, o que se traduziu, de acordo com os dados divulgados hoje pelo INE, num aumento em 61,4% dos que se hospedaram no alojamento turístico português e uma subida ainda mais forte do total de pernoitas realizadas, em 75,1%.

Os números do INE indicam que Espanha foi, assim, o maior emissor estrangeiro em número de hóspedes na hotelaria portuguesa, com 160,6 mil, mas apenas o 3º em número de dormidas, com 371,6 mil, depois do Reino Unido, com 526,2 mil, e Alemanha, com 478,2 mil.

Adicionalmente, Espanha foi também o mercado emissor de onde o alojamento turístico português teve o maior aumento de dormidas, com mais 159,4 mil que em Março de 2017, inclusivamente à frente do aumento de pernoitas de residentes em Portugal, maior emissor para o alojamento turístico e que também apresentou um crescimento ‘explosivo’ pelo efeito Páscoa mais cedo.

Os residentes em Portugal, com 1,099 milhões de dormidas na hotelaria portuguesa em Março, asseguraram 26% do total de pernoitas, além de que, com um aumento em 154,3 mil face a Março de 2017, foi o que teve o segundo maior aumento, apenas superado pelo dos espanhóis.

Os dados do INE mostram que embora as dormidas de residentes em Portugal e em Espanha tenham sido mais 313,7 mil que em Março de 2017, o aumento das dormidas totais ficou em 376,8 mil (+10,3%, para 4,018 milhões).

A principal causa foram as quebras de alguns mercados, como o Reino Unido (-5,6% ou menos 31,2 mil, para 526,2 mil), Países Baixos, com menos 30 mil (-17,1% para 145,5 mil, Bélgica, com menos cerca de 1,5 mil (-3,1%, para 48,6 mil), Alemanha, com menos cerca de 940 (-0,2%, para 478,2 mil), e Polónia, com menos cerca de 800 (-1,8%, para 42,8 mil).

A sustentar o crescimento no mês de Março estiveram, além de Portugal e Espanha, também França, com mais 24,8 mil pernoitas (+11,8%, para 235,5 mil), Estados Unidos, com mais 16,4 mil (+17,7%, para 109,2 mil), Brasil, com mais 6,9 mil (+5,2%, para 138,8 mil), e conjunto de “outros mercados” não especificados, com mais 61,1 mil (+12,4%, para 554 mil).

 

Continua:

Efeito Páscoa mais cedo apenas ‘mitiga’ desaceleração da procura internacional da hotelaria portuguesa

 

Clique para mais notícias: Hotelaria portuguesa

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Voos para Lisboa representam “um marco na nossa expansão europeia”, CEO da Qatar Airways

25-03-2019 (14h44)

“Esta nova ligação representa um marco na nossa expansão europeia”, afirmou o CEO da Qatar Airways, Akbar Al Baker, citado num comunicado sobre os novos voos entre Doha e Lisboa que a companhia aérea fará a partir de 24 de Junho.

Oásis Atlântico nomeia Gonçalo Ramos director dos seus hotéis em Saïdia

25-03-2019 (12h27)

O grupo hoteleiro Oásis Atlântico contratou Gonçalo Ramos, ex-director do resort Villa Termal Caldas de Monchique, para o cargo de director dos seus dois novos hotéis na zona balnear de Saïdia, Marrocos, previstos abrir no final de Maio.

Hangar da Hi Fly em Beja deverá começar a funcionar no 4º trimestre de 2020

25-03-2019 (12h03)

A Mesa, do grupo Hi Fly, já começou a construir o hangar para manutenção de aviões no aeroporto de Beja, que prevê ter a funcionar no 4º trimestre de 2020, revelou hoje Paulo Mirpuri, presidente do grupo.

Laudamotion vai voar de Viena para Lisboa e Porto

25-03-2019 (10h11)

A companhia de aviação Laudamotion, que opera dois voos por semana entre Faro e Viena, anunciou que também vai ligar a capital austríaca a Lisboa e Porto a partir de finais de Outubro.

Grupo TAP tem prejuízo de 118 milhões de euros em “ano necessário”

22-03-2019 (18h06)

O Grupo TAP passou de um lucro de 21,2 milhões de euros em 2017 para um prejuízo de 118 milhões de euros em 2018, um ano de transformação necessária para preparar o futuro, segundo descreveram hoje Miguel Frasquilho, Antonoaldo Neves e David Neeleman.