Criar uma lei geral para o alojamento local pode ser “uma machadada” no sector – Municípios

11-05-2018 (12h05)

A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) defende que burocratizar o alojamento local, incluindo a autorização dos condomínios, e fazer alterações sem levar em conta as diferenças do país pode ser “uma machadada” no sector.

A vice-presidente da ANMP e presidente da Câmara de Portimão, Isilda Gomes, citada pela agência Lusa, defendeu ontem no parlamento que a actual legislação do alojamento local serve os interesses dos municípios e os autarcas estão disponíveis para assumir maior responsabilidade no processo de decisão.

“Uma lei geral, que seja limitativa, que seja imposta a todo o território da mesma forma, eu acho que é completamente errado. Ou há uma margem de manobra para que os autarcas possam adaptar a lei aos seus territórios ou então estamos, de facto, a dar uma machadada no alojamento local”, afirmou Isilda Gomes.

A vice-presidente da ANMP, que falava numa audição do grupo de trabalho da temática do alojamento local, criado no âmbito da comissão parlamentar de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, defendeu a manutenção da comunicação prévia, porque mais burocracia “é fazer com que os cidadãos fujam do processo” e voltem ao arrendamento ilegal.

Em relação à eventual autorização prévia das assembleias de condóminos para adaptação de fracções habitacionais a alojamento local, Isilda Gomes apontou o exemplo de Portimão, onde prédios com mais de uma centena de proprietários, dos quais mais de metade são estrangeiros, “nunca vão conseguir encontrar-se”.

Para a autarca, a ANMP não vê razões “para grandes alterações” na legislação e, “se há algumas áreas do país onde é preciso intervir”, então seria de deixarem aos municípios a possibilidade de regular a actividade.

O parecer da ANMP enviado ao grupo de trabalho concluiu que a legislação em vigor foi “muito importante para a dinamização da economia nacional”, em particular nas zonas de baixa densidade, com “aspectos positivos na conservação do parque habitacional e humanização dos espaços”.

“Qualquer intervenção legislativa nesta matéria tem que ter em conta todas as realidades do país, e não apenas focalizar-se na realidade e problemas dos grandes centros urbanos, até porque as leis são gerais e abstratas, sob pena de inconstitucionalidade”, lê-se no documento, a que a agência Lusa teve acesso.

A associação defendeu que eventuais restrições “quanto à utilização de imóveis habitacionais para fins de alojamento local têm de ser ponderadas e equilibradas, concedendo-se um incremento da regulação” da actividade em prédios de propriedade horizontal “como factor de equilíbrio no que respeita ao direito à habitação, ao sossego e à tranquilidade dos habitantes”.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Alojamento local

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Empreendimentos turísticos de Monchique reabrem após grande incêndio

14-08-2018 (18h46)

O Macdonald Monchique Resort & Spa, em Caldas de Monchique, Algarve, vai reabrir na quinta-feira, depois de ter encerrado devido ao incêndio que durante uma semana atingiu a serra de Monchique.

Governo dos Açores considera “prematuro” falar da proposta de compra da Azores Airlines

14-08-2018 (18h21)

A secretária regional dos Transportes e Obras Públicas dos Açores afirmou ontem ser “absolutamente prematuro” pronunciar-se sobre o processo de alienação de 49% do capital da Azores Airlines, uma vez que a proposta apresentada se encontra em análise.

CVC agrega mais uma participada b2b com a compra do consolidador Esferatur

14-08-2018 (16h26)

A brasileira CVC, maior grupo latino americano de organização e comercialização de viagens, anunciou hoje um reforço do seu portefólio de produtos e serviços para o mercado profissional através da aquisição da Esferatur, classificada como um dos maiores consolidadores do mercado brasileiro, com vendas de bilhetes de avião na ordem de 1,8 mil milhões de reais (cerca de 407 milhões de euros).

Apesar da ocupação a cair, subida de preços da hotelaria portuguesa até acelera em Junho

13-08-2018 (17h46)

Os clientes da hotelaria portuguesa pagaram em média este mês de Junho +11% por dormida, ainda que os dados do INE indiquem uma queda da ocupação, tendência que o sector tende normalmente a travar com descidas de preços para estimular a procura.

Hotelaria portuguesa perde 225,7 mil dormidas de estrangeiros em Junho e acaba semestre com menos 132,3 mil

13-08-2018 (16h00)

A hotelaria portuguesa, que estava a viver um ciclo de crescimentos acentuados sustentado pela procura internacional, acabou o primeiro semestre deste ano com queda do número de pernoitas de turistas estrangeiros, em grande medida pela dimensão da quebra em Junho, primeiro mês da época alta, no qual teve menos 225,7 mil (-5,1%) pernoitas de residentes no estrangeiro.