Câmara do Funchal põe taxa turística em consulta pública

17-01-2020 (11h30)

Teleférico do Funchal
Teleférico do Funchal

A Câmara Municipal do Funchal remeteu para consulta pública o regulamento da taxa turística, que prevê a cobrança diária de dois euros por pessoa nas primeiras sete noites de estada no concelho, anunciou o presidente da autarquia.

Miguel Gouveia indicou que as estimativas apontam para uma receita global de oito milhões de euros por ano.

"A taxa turística parece-me inevitável, na senda daquilo que as maiores cidades do país têm vindo a implementar e também as grandes cidades europeias", disse Miguel Gouveia, após a reunião do executivo, liderado pela coligação Confiança (PS/BE/PDR/Nós, Cidadãos!).

O autarca sublinhou que a submissão a consulta pública de uma taxa municipal, aprovada com os votos favoráveis dos seis vereadores da coligação, é um "marco histórico" para a Câmara do Funchal, na Madeira, e criticou a posição do PSD (quatro vereadores) e do CDS-PP (um vereador), que votaram contra.

"Demonstra, mais uma vez, que esta coligação PSD/CDS procura olhar para o Funchal como uma cidade pequena, mantendo a sua visão muito focada no passado, contrastando com a visão de futuro e a visão de cidade grande que queremos trazer para o Funchal", disse Miguel Gouveia.

O autarca considerou ainda que a posição destes partidos é "incoerente", pois a Câmara Municipal do Porto Santo, liderada pelo PSD, aprovou a recentemente a aplicação de taxa turística, também praticada em Cascais, onde a autarquia é governada por uma coligação PSD/CDS.

O vereador social-democrata Jorge Vale classificou a taxa turística como "mais uma atitude predatória, danosa e prejudicial" do executivo em relação ao sector empresarial do concelho, justificando o voto contra com o facto de o turismo enfrentar atualmente "alguns desafios, incertezas e dificuldades".

Ana Rita Gonçalves, do CDS-PP, corroborou que a altura "não é a mais oportuna", vincando que a taxa não apresenta qualquer "contrapartida ou benefício direto" para quem a paga.

O presidente da autarquia esclareceu, porém, que as receitas resultantes da taxa turística reverterão para três áreas: qualificação do destino, ao nível da beneficiação de infraestruturas, e promoção de eventos culturais e desportivos; cofinanciamento de atividades da gestão da cidade; e financiamento de um "programa de mitigação das distorções sociais".

Miguel Gouveia explicou que estas "distorções sociais" resultam, sobretudo, do aumento das rendas e das acções de despejo para permitir a reabilitação de edifícios para alojamento local ou hotéis de cidade.

"A pressão turística na cidade do Funchal é de 12,7%, praticamente do dobro de Lisboa e quatro vezes mais do que no Porto, pelo que importa que quem nos visita também tenha um papel activo e contributivo na gestão da cidade", realçou.

O regulamento da taxa turística municipal deverá ser votado na Assembleia Municipal, onde a coligação não tem maioria absoluta, em Abril.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Taxa turística

Clique para ver mais: Madeira

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Gastos dos portugueses em turismo no estrangeiro atingiram 56 meses consecutivos a subir

19-02-2020 (17h55)

Os gastos dos portugueses em turismo no estrangeiro contabilizados pelo Banco de Portugal completaram em Dezembro passado 56 meses consecutivos de subidas, de acordo com os dados consultados pelo PreessTUR, que indicam que em 2019 foi ultrapassada pela primeira vez a marca dos cinco mil milhões de euros.

Receitas turísticas portuguesas ultrapassaram os 18,4 mil milhões de euros em 2019

19-02-2020 (16h31)

As exportações portuguesas de turismo, que representam os gastos no país por turistas residentes no estrangeiro atingiram o recorde de 18.430,72 milhões de euros em 2019, mais 1.377,18 milhões que no ano de 2018, que também tinha sido recorde.

Atribuição de prémios na TAP com "100 milhões de euros de prejuízos" em 2019 é “inaceitável”, diz ministro

19-02-2020 (15h47)

O Governo considerou hoje “inaceitável” que a TAP, empresa que “tem 100 milhões de euros de prejuízos” em 2019, atribua prémios a uma minoria de trabalhadores, ressalvando que a decisão não é da administração, mas da gestão privada.

Quadro legal para certificação do aeroporto do Montijo pela ANAC tem que ser revisto, diz ministro

19-02-2020 (15h34)

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, disse hoje que o quadro legal para certificação do aeroporto do Montijo pela Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) “tem obviamente de ser revisto”, uma vez que “é absolutamente incompreensível que fosse o presidente da Câmara da Moita a negar” a construção do aeroporto.

“Mais de 400 mil passageiros não virão a Portugal este Verão” por falta de capacidade aeroportuária, diz ministro

19-02-2020 (15h31)

O ministro das Infraestruturas e da Habitação disse hoje que "mais de 400 mil passageiros não virão a Portugal este Verão" por falta de capacidade aeroportuária e que o país está "a pagar caro" o adiamento de investimentos.

Noticias mais lidas