Banco de Portugal sublinha repetidamente o especial impacto da pandemia no turismo

26-03-2020 (15h19)

“A importância do setor do turismo na atividade económica em Portugal implica uma elevada exposição à redução esperada da procura global deste tipo de serviços, que será muito significativa”, realça o Boletim Económico do Banco de Portugal publicado hoje e no qual repetidamente assina o especial impacto da pandemia de covid-19 no turismo.

“O facto de a pandemia ser sincronizada e generalizada a um grande número de países tenderá a acentuar a queda da atividade económica, por via do colapso nos fluxos de comércio mundiais, com destaque para o turismo”, explica o banco central, que refere que a sua análise considera “um conjunto de choques”, de que assinala “choques negativos sobre o consumo privado na generalidade das economias, que captam o efeito da pandemia via menor rendimento e maior incerteza, bem como o impacto directo sobre despesas em serviços, em particular, em turismo, transportes e serviços recreativos e culturais”.

O realce ao impacto no turismo é também apontado pelo Banco de Portugal ao prever que “o comércio mundial reduz-se significativamente em 2020 (-10,3%)” que diz reflectir “um choque que afecta desproporcionalmente os fluxos internacionais de bens e serviços (nestes últimos, destacam-se o turismo e os transportes)”.

O banco central explicita, aliás, que “a importância do sector do turismo na atividade económica em Portugal implica uma elevada exposição à redução esperada da procura global deste tipo de serviços, que será muito significativa”.

E relativamente ao turismo internacional, a perspectiva do banco central uma vez mais insiste que turismo e transportes terão as suas exportações “fortemente afetadas pelas limitações à movimentação de pessoas e deverão registar uma queda acentuada”, sem quantificar.

O banco central acrescenta que dessa forma “o excedente da balança de serviços reduz-se, reflectindo o impacto particularmente negativo do choque sobre os fluxos de turismo”.

O Banco de Portugal indica que antecipa “um abrandamento significativo dos preços dos serviços relacionados com o turismo” e assinala que, “em termos conjunturais, a crise despoletada pela propagação do vírus Covid-19 tem impactos diretos sobre o turismo e perturba o comércio de bens, assente em cadeias de valor globais”.

Para ler mais clique:

Banco de Portugal prevê queda do PIB entre 3,7% e 5,7% este ano

 

Clique para mais notícias: Banco de Portugal

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Coronavírus

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

AHP propõe vouchers para viajar mais tarde em vez do reembolso imediato

08-04-2020 (13h25)

A principal associação da hotelaria portuguesa revelou hoje estar a preparar uma proposta a apresentar à Secretaria de Estado do Turismo para que os hotéis possam entregar aos clientes com reservas canceladas vouchers que lhes permitem viajar mais tarde em vez de os reembolsar de imediato.

Turismo de Portugal promove programa de formação online

08-04-2020 (12h53)

O Turismo de Portugal está a promover sessões online do programa de formação BEST - Business Education for Smart Tourism, na plataforma Microsoft Teams, com inscrição obrigatória e gratuita.

Mais de três quartos dos portugueses que pediram para voltar já foram repatriados

07-04-2020 (16h42)

Já regressaram a Portugal cerca de 3.700 cidadãos, mais de três quartos dos que pediram apoio para repatriamento devido à pandemia do novo coronavírus.

Azul ainda termina 1º trimestre a crescer, apesar do impacto da pandemia de covid-19

07-04-2020 (16h21)

A Azul, companhia brasileira que é accionista indirecta da TAP, indicou hoje que terminou o primeiro trimestre com um crescimento do tráfego em 10,8%, embora tendo registado uma quebra de 24,6% no mês de Março, em que se agravou a disseminação pelo mundo das infecções pelo novo coronavírus.

Mortes pela pandemia no mundo já são mais de 75 mil

07-04-2020 (14h47)

A pandemia de covid-19 matou mais de 75 mil pessoas em todo o mundo desde que a doença surgiu em Dezembro na China, segundo um balanço da AFP às 9h45, a partir de dados oficiais, que indica um total de 75.538 óbitos e 1.350.759 doentes infectados.

Noticias mais lidas