Alemães e franceses penalizam evolução das receitas turísticas em Maio

18-07-2019 (13h57)

O fraco crescimento das receitas turísticas portuguesas em Maio deve-se em grande medida às reduções de gastos de turistas residentes na Alemanha e em França, que em conjunto ascenderam a 33 milhões de euros, e a que se somaram quebras também por parte de residentes na Bélgica, na Suíça, em Angola e na Holanda.

A maior quebra em valor foi dos gastos de residentes na Alemanha, com menos 20,13 milhões de euros que em Maio de 2018, seguindo-se os residentes em França, com menos 12,90 milhões.

Depois estiveram as quebras de gastos de residentes na Holanda e em Angola, ambas na ordem dos quatro milhões de euros, em 4,48 milhões e em 4,19 milhões, respectivamente, a que acresceram ainda quebras de 1,44 milhões nos gastos de residentes na Suíça e de 0,84 milhões dos residentes na Bélgica.

Espanha foi, por sua vez, o mercado emissor que mais ‘aguentou’ as receitas turísticas portuguesas em Maio, com um aumento dos gastos dos seus residentes em 17,8% ou 26 milhões de euros, seguidos pelos turistas residentes nos Estados Unidos, cujos gastos aumentaram 13,1% ou 14,49 milhões.

Também com aumentos a dois dígitos estiveram os gastos de residentes em Itália, que subiram 14,2%, embora em valor o seu aumento tenha menor expressão que os aumentos de gastos de espanhóis e norte-americanos, elevando-se a 4,92 milhões.

Próximo desse montante esteve o aumento de gastos de residentes no Reino Unido (+4,57 milhões), que apesar das incertezas com o Brexit continuam a ser os líderes em gastos em Portugal, com 309,67 milhões de euros, mais distanciados de franceses (233,05 milhões) e alemães (177,67 milhões), que foram respectivamente os 2º e 3º maiores contribuintes para as receitas turísticas portuguesas em Maio.

A seguir aos residentes no Reino Unido, os turistas com maiores aumentos de gastos em Portugal no mês de Maio foram os residentes no Brasil, com mais 3,16 milhões de euros (+5,6%, para 59,59 milhões), Irlanda, com mais 1,57 milhões (+2,9%, para 55,60 milhões), e Luxemburgo, com mais 0,15 milhões (+0,9%, para 16,02 milhões).

 

Para ler mais clique:

Crescimento das receitas turísticas portuguesas foi o mais fraco de um mês de Maio desde 2009

 

Clique para mais notícias: Balança portuguesa das Viagens e Turismo

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Calçada da Pena em Sintra está limitada a viaturas autorizadas a partir de hoje

09-12-2019 (13h13)

O condicionamento do trânsito automóvel na Calçada da Pena, em Sintra, aplica-se a partir de hoje, 9 de Dezembro, uma medida que resulta principalmente da impossibilidade de garantir a circulação de meios de socorro naquele local, segundo a autarquia.

Governo lança concurso para converter em hotel o Palacete do Conde Dias Garcia (Aveiro)

09-12-2019 (12h00)

O Governo, através do programa Revive, lançou um concurso para a concessão do Palacete do Conde Dias Garcia, em São João da Madeira, Aveiro, onde estima que poderão ser instalados 70 quartos para um hotel de 4-estrelas ou superior.

Hotéis de Lisboa ganham mais em Outubro, por aumentos de preços

06-12-2019 (18h18)

Os hotéis da cidade de Lisboa tiveram aumentos da receita média de quartos por quarto disponível (RevPAR) no mês de Outubro entre 4,1% e 10,4%, de acordo com o Observatório do Turismo da capital, cujos dados evidenciam que a subida foi alavancada nos preços de quartos.

TAP já ultrapassou o total de passageiros do ano de 2018

06-12-2019 (15h53)

A TAP transportou 15,8 milhões de passageiros entre Janeiro e final de Novembro deste ano, igualando assim o total de 2018, ano em que crescera 10,4% ou 1,5 milhões de passageiros.

TAP cresce 15,7% em Novembro e melhora ocupação dos voos em 2,1 pontos

06-12-2019 (15h50)

A TAP informou hoje que em Novembro, um dos meses mais fracos para as companhias de aviação do hemisfério Norte, teve um crescimento do tráfego medido em passageiros x quilómetros voados (RPK, na sigla do inglês) em 15,7%, conseguindo assim uma melhoria da taxa de ocupação dos voos em 2,1 pontos, mesmo tendo feito um aumento de capacidade em 12,5%.

Noticias mais lidas