Aeroporto de Faro sem “restrições à operação” apesar da greve de motoristas, diz ANA Aeroportos

13-08-2019 (19h03)

Foto: ANA/Vinci
Foto: ANA/Vinci

O aeroporto de Faro tem registado um abastecimento de combustível de “forma regular”, sem necessidade de “impor restrições à operação”, apesar da greve dos motoristas de matérias perigosas, disse a ANA – Aeroportos de Portugal.

Em resposta escrita à Lusa, a gestora adiantou que no “aeroporto de Faro, até ao momento, o abastecimento tem-se processado de forma regular, não tendo sido, ainda, necessário impor restrições a operação”.

Já o abastecimento ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, está a acontecer hoje com “maior regularidade”, mas ainda não permite levantar as medidas de restrição em vigor desde segunda-feira, revelou hoje a ANA (clique para ler: Abastecimento do aeroporto de Lisboa decorre com “maior regularidade”, diz ANA Aeroportos).

Fonte oficial da gestora aeroportuária indicou à Lusa que “o abastecimento ao Aeroporto Humberto Delgado decorre, hoje, com maior regularidade do que ontem [segunda-feira]”, mas “o fluxo de combustível ainda não é suficiente para retirar as medidas de restrição ao abastecimento das aeronaves”.

A ANA adiantou também que está “em conjunto com o Governo, empresas petrolíferas, companhias aéreas e ‘handlers’ [empresas de assistência aos passageiros e aos aviões] a acompanhar e a avaliar a situação, com vista à minimização do impacte na operação”.

Durante o primeiro dia da greve, que ocorreu esta segunda-feira, a ANA deu conta de que o ritmo de abastecimento no Aeroporto Humberto Delgado era "insuficiente, em níveis bastante abaixo do estipulado para serviços mínimos”, provocando “restrições à operação”.

O ritmo de abastecimento “insuficiente” verificado nessa altura levou à implementação de restrições à operação, “nomeadamente na redução de abastecimento de aeronaves”, segundo a mesma fonte.

Com estas iniciativas, as companhias aéreas poderão abastecer noutros aeroportos ou antes de voar para Lisboa.

A greve que começou na segunda-feira, por tempo indeterminado, foi convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), com o objetivo de reivindicar junto da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

Ao fim do primeiro dia de paralisação, o Governo decretou a requisição civil, alegando o incumprimento dos serviços mínimos.

(PressTUR com Agência Lusa)

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Portugal na Fitur a "trabalhar novos mercados", Rita Marques

23-01-2020 (15h31)

“Vamos continuar a trabalhar novos mercados e a estruturar a oferta com novos produtos turísticos”, afirmou Rita Marques, secretária de Estado do Turismo português, na Feira Internacional de Turismo de Madrid (Fitur).

Wamos Air quer captar mais portugueses para os seus voos

23-01-2020 (10h48)

A Wamos Air assina esta quinta-feira um acordo para formalizar a sua representação em Portugal pela ATR, disse ao PressTUR David Blázquez, commercial routes manager, que assume o objectivo de captar mais passageiros no mercado português.

Portugal é destino de 20% das vendas da Tourmundial para a Península Ibérica

23-01-2020 (10h47)

Luis Ortiz de Vallejuelo, director Comercial da Tourmundial, disse ao PressTUR que Portugal “é um produto muito importante”, com um peso de cerca de 20% nas vendas do operador turístico para a Península Ibérica.

Portugal cresce nas vendas da Meliá num ano “extremamente complicado”, Gabriel Escarrer

23-01-2020 (10h45)

Portugal foi um dos mercados que cresceu nas contas da rede hoteleira espanhola Meliá em 2019, um ano “extremamente complicado” por diversos factores, afirmou Gabriel Escarrer Jaume, vice-presidente executivo.

Construção de aeroporto no Montijo depende da aprovação do projeto de execução e respetivo relatório ambiental

22-01-2020 (18h05)

A construção de um aeroporto civil no Montijo, declarada na terça-feira ambientalmente viável pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), só pode avançar após aprovação dos respetivos projecto de execução e relatório de conformidade ambiental.

Noticias mais lidas