Açores têm aumento de passageiros de cruzeiros em 41% no primeiro semestre

10-08-2018 (14h22)

Foto: MSC Cruzeiros
Foto: MSC Cruzeiros

Os portos dos Açores tiveram no primeiro semestre um aumento do número de passageiros de cruzeiros em 41%, correspondendo a um aumento de 80 mil para 112 mil, segundo a empresa pública Portos dos Açores, citada pela Lusa.

A informação indica que em número de escalas  escalas dos navios registaram também um crescimento de 95 para 97 unidades, ou seja, em 2%, o que se justifica, segundo a nota de imprensa hoje divulgada, com a "atractividade do destino, o posicionamento nas rotas transatlânticas e a cada vez maior afirmação no corredor Atlântico".

Por ilhas, São Miguel lidera em número de escalas de navios de turismo, com 51, bem como com em passageiros, com 86 mil, seguindo-se a ilha Terceira, com 14 mil passageiros e 14 escalas, e, finalmente, o Faial com 18 escalas e 10,5 mil passageiros.

Segundo a Portos dos Açores, todas as ilhas açorianas, com destaque para São Jorge, receberam navios de turismo durante o primeiro semestre deste ano, tendo sido no mês de Abril aquele em que os portos açorianos registaram o maior número de visitas, num total de 40, o que representa 41% do total do semestre.

O mercado britânico continua a liderar por nacionalidades dos passageiros, com mais de 50% do total, seguido pelos Estados Unidos da América e Alemanha.

Este ano, só no dia 23 de Abril o porto de Ponta Delgada recebeu cinco navios de cruzeiro e quatro no dia seguinte, situação que resultou num "novo máximo de visitantes, nos Açores, em apenas 24 horas".

"Estas dinâmicas possibilitaram que a região, em menos de quatro meses, tenha dado as boas vindas a mais de 100 mil passageiros, quando noutras épocas esta situação só se tinha verificado nos últimos meses dos respectivos anos", refere a empresa pública.

A Portos dos Açores estima que, até ao final deste ano, se concretizem mais 47 escalas com mais de 90 mil visitantes, incluindo passageiros e tripulações.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Cruzeiros

Clique para mais notícias: Açores

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Cruzeiros em Lisboa estão com recordes de alemães e brasileiros

17-10-2018 (17h33)

O Porto de Lisboa atingiu este ano novos recordes de passageiros de cruzeiros alemães e brasileiros, com 82.135 e 4.747, respectivamente, de acordo com dados da APL - Administração do Porto de Lisboa coligidos pelo PressTUR.

Vila Galé já tem acordo para edifício do Vila Galé Paulista em São Paulo - Jorge Rebelo de Almeida

17-10-2018 (17h17)

A Vila Galé já chegou a acordo para a aquisição de um edifício em São Paulo, que pretende transformar no hotel Vila Galé Paulista, o seu primeiro hotel na maior metrópole brasileira, que o presidente do grupo, Jorge Rebelo de Almeida, avançou ao PressTUR terá 110 quartos, restaurante, bar e piscina.

Construção do Vila Galé Costa do Cacau deverá começar em Abril/Maio – Jorge Rebelo de Almeida

17-10-2018 (17h09)

A construção do Vila Galé Costa do Cacau, um resort com 450 unidades de alojamento em Una, perto de Ilhéus, uma zona da Bahia celebrizada pelos livros de Jorge Amado, deverá começar em Abril/Maio de 2019, para concluir no final de 2020, avançou ao PressTUR o presidente do grupo, Jorge Rebelo de Almeida.

Ryanair garante continuidade dos voos Lisboa – Porto no próximo Verão

17-10-2018 (17h02)

A Ryanair vai continuar a voar entre Lisboa e Porto no próximo Verão, assegurou a companhia em resposta ao PressTUR, questionada sobre a continuidade da linha tendo em conta que no seu website estão indisponíveis reservas a partir de 31 de Março.

AHP confirma hotelaria portuguesa mais rentável mesmo com ocupação em queda

17-10-2018 (16h59)

O AHP Tourism Monitor publicado hoje pela AHP, Associação da Hotelaria de Portugal, indica que em Agosto, mês de maior actividade hoteleira em Portugal, apesar de uma queda da ocupação dos quartos em 1,3 pontos, a receita média de quartos por quarto disponível subiu 4%, ‘puxada’ por uma subida do preço médio de quartos em 6%.