Kiev investiga várias possíveis causas para queda de avião no Irão

09-01-2020 (14h55)

Foto: Trinity Moss / Unsplash
Foto: Trinity Moss / Unsplash

As autoridades ucranianas estão a investigar pelo menos sete possíveis causas para o desastre do Boeing 737 da Ukraine International Airlines no Irão, incluindo um eventual ataque com mísseis.

“Estamos a avaliar de forma minuciosa todas as teses, que são sete”, indicou hoje em declarações à agência France-Presse (AFP) o secretário do Conselho ucraniano de Segurança e de Defesa Nacional, Sergei Danylov.

Por enquanto, “nenhuma é prioritária”, precisou o representante.

Entre as possíveis teses que estão a ser exploradas pelas autoridades da Ucrânia está um possível disparo de um míssil antiaéreo contra o Boeing 737, a explosão de uma bomba a bordo do aparelho, a colisão do avião de passageiros com um drone (aparelho aéreo não-tripulado) ou a deflagração de um incêndio no motor “por razões técnicas”.

O Boeing 737 da Ukraine International Airlines (UIA) descolou quarta-feira de manhã da capital iraniana, Teerão, em direcção à capital da Ucrânia, Kiev.

O avião despenhou-se dois minutos depois da descolagem, matando todos os 176 ocupantes (82 iranianos, 63 canadianos, 11 ucranianos, 10 suecos, quatro afegãos, três alemães e três britânicos).

A Ucrânia enviou para Teerão uma equipa de 45 investigadores para estudar as causas do desastre aéreo.

Com a chegada prevista para hoje, a equipa de peritos ucranianos espera poder participar no inquérito em curso, em particular “na descodificação das caixas negras” do avião, referiu o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, num momento em que as autoridades iranianas estão a recusar o acesso às caixas negras do avião do fabricante norte-americano Boeing.

Segundo Sergei Danylov, alguns dos peritos ucranianos que estarão no Irão participaram na investigação do caso do voo MH17, da companhia aérea Malaysia Airlines, abatido em 17 de Julho de 2014 por um míssil quando sobrevoava um território controlado por separatistas pró-russos no leste ucraniano.

As 298 pessoas a bordo do avião, que fazia a ligação Amsterdão–Kuala Lumpur, – maioritariamente holandeses (196) – morreram.

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, decretou hoje luto nacional pelas vítimas do acidente do avião ucraniano no território iraniano.

O Boeing 737 despenhou-se algumas horas depois do lançamento de 22 mísseis iranianos contra duas bases da coligação internacional anti-‘jihadista’ liderada pelos Estados Unidos, em Ain Assad e Erbil, no Iraque, numa operação de retaliação pela morte do general iraniano Qassem Soleimani num ataque em Bagdad ordenado por Washington na sexta-feira passada.

(PressTUR com Agência Lusa)

Ver também:

Avião ucraniano não pediu ajuda e tentava voltar a Teerão antes de se despenhar, diz relatório preliminar

Agência Europeia para Segurança da Aviação desaconselha voos comerciais sobre o Iraque

 

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP aumenta frequência de voos para Telavive a partir de Abril

15-01-2020 (11h29)

A TAP vai aumentar a sua oferta de voos entre Lisboa e Telavive, em Israel, de sete voos por semana para 14 durante o mês de Abril e para 11 a partir de Maio.

General iraniano assume “responsabilidade total” pela queda do avião ucraniano em Teerão

13-01-2020 (11h37)

O comandante da brigada aeroespacial dos Guardas da Revolução iranianos assumiu a "responsabilidade total" pela queda do Boeing 737 da Ukraine International Airlines, que matou todas as 176 pessoas que seguiam a bordo.

Avião ucraniano não pediu ajuda e tentava voltar a Teerão antes de se despenhar, diz relatório preliminar

09-01-2020 (14h07)

A tripulação do avião ucraniano que caiu em Teerão não pediu ajuda via rádio e estava a tentar voltar ao aeroporto quando a aeronave se despenhou, segundo um relatório preliminar da investigação iraniana hoje divulgado.

Agência Europeia para Segurança da Aviação desaconselha voos comerciais sobre o Iraque

09-01-2020 (14h00)

A Agência Europeia para a Segurança da Aviação (AESA) desaconselha as companhias aéreas a efectuarem voos comerciais sobre o espaço aéreo do Iraque, na sequência da escalada do conflito entre Estados Unidos e Irão.

Petra recebeu mais de um milhão de visitantes em 2019

08-01-2020 (14h32)

O sítio histórico de Petra, considerado Património da Humanidade pela UNESCO, recebeu um número recorde de visitantes em 2019, ultrapassando a barreira de um milhão de visitantes e registando um crescimento de 37% em relação a 2018.

Noticias mais lidas