Lisboa encaixou 18,5 milhões de euros com a taxa turística em 2017

16-04-2018 (17h12)

A Câmara Municipal de Lisboa recebeu 18,5 milhões de euros de Taxa Municipal Turística em 2017, naquele que foi o primeiro ano em que a cobrança foi feita por todos os operadores envolvidos e durante os 12 meses.

Numa conferência de imprensa de apresentação do Relatório e Contas de 2017, que decorreu nos Paços do Concelho, o vereador das Finanças, João Paulo Saraiva, afirmou que, no ano passado, a Câmara encaixou 18,5 milhões de euros, mais 6,1 milhões do que em 2016.

Este foi o "primeiro ano em que foi feita a cobrança o ano inteiro e com todos os operadores" (hotéis e alojamento local, incluindo a plataforma Airbnb), referiu o vereador.

Em termos globais, a Câmara já encaixou cerca de 31 milhões de euros desde o início da cobrança, adiantou à Lusa fonte municipal.

Aprovada em 2014, a taxa turística começou a ser aplicada em Janeiro de 2016 sobre as dormidas nas unidades hoteleiras e de alojamento local, sendo cobrado um euro por noite até um máximo de sete euros.

No orçamento para o ano de 2017, a estimativa de receita da taxa turística era de 15,7 milhões de euros.

Relativamente a um possível aumento desta taxa, que está contemplado no acordo de governação da cidade, estabelecido entre o PS e o BE depois das eleições autárquicas, o vereador das Finanças considerou ser "completamente prematuro avançar com um aumento" neste momento, mas admitiu que poderão haver novidades "lá para meio do ano".

"Nessa equação estão a ser ponderadas várias questões, a principal prende-se com a salvaguarda da receita estrutural do município", frisou.

Em causa está "a situação extraordinária que a cidade vive" e que pode deixar de acontecer, pelo que, "quando todas as receitas associadas ao sobreaquecimento do imobiliário e à dinâmica da cidade" descerem, a Câmara deverá "ter cuidado para que a receita estrutural do município acomode a despesa estrutural do município".

Sobre a aplicação da taxa de um euro nas chegadas por via aérea e marítima, medida que ainda não entrou em funcionamento, apesar de continuar prevista desde a criação desta tarifa, João Paulo Saraiva afirmou que estão “a reequacionar essa questão” e que “quando tivermos uma solução iremos voltar a ela", explicando que existe uma "dificuldade operacional para montar o sistema".

"Ainda não temos solução, mas não abandonámos a ideia", frisou João Paulo Saraiva, acrescentando que "estão a ser ponderadas algumas soluções" que poderão entrar em prática, "se não este ano, no início do ano que vem".

O vereador acrescentou ainda que a Câmara de Lisboa teve "contactos com algumas cidades europeias", nomeadamente Barcelona, pelo que está a trocar informações com eles e com operadores, pelo que estão a "analisar a questão".

(PressTUR com Lusa)

 

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Hotelaria

Clique para mais notícias: Taxa turística

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

W São Paulo abre em 2021 com assinatura de Nini Andrade Silva

16-10-2018 (14h16)

A Marriott International anunciou que vai abrir o seu primeiro hotel de luxo no Brasil em 2021, o W São Paulo, que terá a assinatura da designer portuguesa Nini Andrade Silva.

Travelport promove formação para agentes de viagens na Madeira

16-10-2018 (12h48)

A Travelport Portugal promoveu uma acção de formação para 50 agentes de viagens na Madeira, uma região que registou nos primeiros oito meses do ano um crescimento de 15% das reservas na sua plataforma, face ao período homólogo de 2017.

Ana Mendes Godinho reconduzida como secretária de Estado do Turismo

16-10-2018 (12h39)

Ana Mendes Godinho é uma das secretárias de Estado reconduzidas na remodelação ministerial, segundo informa hoje a Presidência da República, ao comunicar que a tomada de posse está marcada para amanhã, quarta-feira, pelas 11h00, no Palácio de Belém.

Receitas da hotelaria portuguesa crescem há 52 meses... mas abrandamento instala-se

15-10-2018 (17h00)

A hotelaria portuguesa concluiu em Agosto o 52º mês consecutivo de aumento dos proveitos, mas já sem os aumentos a dois dígitos que se sucediam desde o primeiro quadrimestre de 2014, tendo registado em Agosto o aumento mais fraco desde 2013, se excluídos os efeitos de calendário pelas alterações da data da Páscoa.

Dormidas de estrangeiros na hotelaria portuguesa caem há cinco meses consecutivos

15-10-2018 (16h53)

"Dormidas de não residentes mantêm tendência negativa", destacou o INE ao divulgar hoje os dados do turismo no alojamento turístico ‘tradicional', evidenciando assim que a quebra ocorrida em Agosto não foi uma excepção.