Hotéis do Algarve e da Madeira perspectivam quebra do mercado britânico este Verão – AHP

12-07-2018 (12h51)

A Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) concluiu através de um inquérito que 32% dos hoteleiros do Algarve e 59% dos hoteleiros da Madeira perspectivam uma quebra do mercado britânico este Verão.

Os hoteleiros inquiridos pela AHP apontam o mercado interno (18%), Espanha e França (15%) como sendo os principais para este Verão, seguidos da Alemanha e do Reino Unido (11%), Brasil (8%), Estados Unidos (6%), Holanda (4%) e Itália (3%).

A AHP destaca a melhoria das expectativas para o mercado francês e brasileiro, com 45% e 44% dos hoteleiros, respetivamente, a indicarem que a evolução destes mercados será melhor ou muito melhor que no Verão do ano passado.

Ao analisar por regiões, a Associação indica que 32% dos hoteleiros do Algarve prevê uma quebra do mercado do Reino Unido, que deverá no entanto manter-se como principal emissor, com uma quota de 22%.

Os hoteleiros da Madeira também indicam o Reino Unido como principal mercado, com 19%, seguido da Alemanha e de Portugal.

Contudo, acrescenta a informação, 59% dos hoteleiros da Madeira prevê uma quebra do mercado britânico, enquanto 53% prevê uma quebra do mercado alemão.

A AHP sublinha que no Alentejo existe “uma estabilidade de todos os mercados”, e na região Centro “os principais mercados serão Portugal (22%), Espanha (18%) e França (14%)”.

No Norte, as respostas apontam como primeiro mercado Portugal (20%), seguido de Espanha (18%) e França (16%), e nos Açores, os principais mercados serão, “à semelhança do ano anterior”, Portugal e Alemanha (22%), com destaque também para “melhor performance dos Estados Unidos, Itália e Alemanha e a quebra do mercado inglês para 33% dos inquiridos”.

Para a região de Lisboa, a AHP assinala “o crescimento em termos de performance dos mercados americano, francês e brasileiro”, com os principais mercados a serem França (17%) Espanha (15%) e Portugal (14%).

O inquérito foi realizado entre 29 de Maio e 21 de Junho com base nas pré-reservas efectuadas em hotéis associados, com uma amostra de 40%.

Cristina Siza Vieira, presidente executiva da AHP, citada em comunicado, afirmou que a Associação tem “acompanhado o mercado inglês com particular atenção por várias razões, entre elas: o facto de ser um mercado que em termos de dimensão é o nosso 1º mercado emissor, com uma quota de 22,3%, mais ainda no Algarve e na Madeira, onde representa 40,3% e 28,4%, respetivamente, da quota de mercado”.

Cristina Siza Vieira destaca que ainda está por calcular o impacto do Brexit “particularmente na vertente de desvalorização da libra mas não só”.

Em análise sobre o desempenho do mercado britânico está também "a recuperação de destinos concorrentes de Sol e Praia; e a falência de algumas companhias aéreas".

Neste inquérito, acrescentou a presidente executiva da AHP, “os hoteleiros já perspectivam que haja uma quebra significativa deste mercado, na Madeira e Algarve”.

Outro factor assinalado por Cristina Siza Vieira na análise por regiões é a quebra de 3,8% das dormidas do mercado alemão na Madeira desde o início do ano, um emissor que representa 30,9%.

A quebra, conclui Cristina Siza Vieira, é “provocada pela falência da Monarch, da Air Berlin e da Niki justifica preocupação”.

 

Ver também:

Hotelaria portuguesa prevê melhorar RevPAR este Verão – AHP

 

Clique para ver mais: AHP

Clique para ver mais: Hotelaria portuguesa

Clique para ver mais: Hotelaria

Clique para ver mais: Portugal


 

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Aegean confirma aumento de frequências para Lisboa e Porto

22-02-2019 (18h11)

A companhia de aviação grega Aegean confirmou hoje que tem programado um aumento de frequências para Lisboa e Porto, num comunicado em que anuncia um reforço da sua oferta global este ano em 700 mil lugares.

Ryanair e Wizz Air multadas em Itália por “prática comercial incorrecta” na cobrança da bagagem de mão

22-02-2019 (13h18)

A autoridade da concorrência italiana aplicou uma multa de três milhões de euros à Ryanair e de um milhão de euros à Wizz Air por “prática comercial incorrecta, na medida em que engana o consumidor no preço efectivo do bilhete, ao não incluir na tarifa base um elemento essencial do transporte aéreo que é uma bagagem de mão de maior volume”.

Mesmo com Brexit ‘à porta’, britânicos foram os turistas que mais despenderam em Portugal em 2018

21-02-2019 (17h54)

Os residentes no Reino Unido, mesmo com o adensar da perspectiva de um ‘divorcio litigioso’ com a União Europeia e apesar de uma quebra no alojamento turístico português, não só se mantiveram em 2018 os líderes em gastos turísticos em Portugal em 2018, como foram os que fizeram o segundo maior aumento.

Portugal teve aumentos a dois dígitos de gastos de turistas de 37 países

21-02-2019 (17h49)

Apesar dos ventos desfavoráveis principalmente na segunda metade do ano, Portugal concluiu 2018 com um aumento médio dos gastos de turistas estrangeiros em 9,6%, com 37 em 62 com dados disponíveis no Banco de Portugal a registarem aumentos a dois dígitos.

Meliá abre hotel da marca Innside junto ao Aeroporto de Paris CDG

21-02-2019 (17h37)

A Meliá Hotels International anunciou hoje a abertura do seu primeiro hotel da marca Innside em França, uma unidade de 266 quartos localizada junto ao Aeroporto Internacional de Paris – Charles de Gaulle.