Ryanair passa a divulgar dados sobre emissões de CO2 todos os meses

05-06-2019 (14h56)

Foto: Ryanair
Foto: Ryanair

A Ryanair anunciou que é desde hoje a primeira companhia de aviação a divulgar mensalmente as estatísticas de emissões de dióxido de carbono (CO2), evidenciando assim o seu compromisso com a preservação ambiental.

“A Ryanair publicará as suas emissões mensais de CO2 para demonstrar o seu compromisso ambiental e insta todas as outras companhias aéreas da União Europeia a fazer o mesmo”, sublinha um comunicado da low cost que em Portugal voa para os aeroportos de Lisboa, Porto, Faro, Ponta Delgada e Terceira.

Em Maio, as emissões de CO2 do Grupo Ryanair, incluindo os voos da companhia aérea Lauda, atingiram uma média de 66g por passageiro quilómetro (RPK, do inglês).

O grupo transportou nesse mês 14,1 milhões de passageiros em 17.529 milhões de quilómetros voados, atingindo um total de 1.157 kt de emissões de CO2.

A Ryanair garante no comunicado que é a transportadora aérea europeia com a média anual mais baixa de emissões de CO2 por passageiro/quilómetro, com uma média anual de 67g por RPK, “substancialmente abaixo dos seus concorrentes europeus”.

Até 2030, a Ryanair quer reduzir as emissões até uma média de 60g por passageiro/quilómetro.

Nos últimos dez anos, a transportadora indica que baixou em 18% a média das emissões de CO2, de 82g para 67g por ano, enquanto os seus concorrentes como “a Lufthansa, BA e AF-KLM geram mais de 120g por passageiro quilómetro”, mas a comparação não leva em conta que se trata de grupos com grande utilização de aviões widebody, enquanto a Ryanair tem apenas narrowbody.

Para atingir as suas metas, a Ryanair tem programado um investimento de mais de 20 mil milhões de dólares (17,8 mil milhões de euros) em 210 novos aviões Boeing 737.

Estes aviões, segundo a low cost, têm capacidade para transportar mais 4% de passageiros, reduzir o consumo de combustível em 16% e baixar as emissões de ruído em 40%.

A Ryanair, que apresenta o B737 MAX como um modelo “gamechanger”, prevê receber os 210 aviões entre este ano e 2024.

Os voos comerciais em aviões B737 MAX estão actualmente suspensos em vários países, depois de dois acidentes fatais nas companhias aéreas Lion Air e Ethiopian Airlines.

 

Clique para ver mais: Ryanair

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Thomas Cook precisa de mais 200 milhões para evitar colapso

20-09-2019 (16h52)

O grupo Thomas Cook, considerado o segundo maior da Europa na operação turística e agências de viagens, confirmou que precisa de mais 200 milhões de libras (226 milhões de euros) para evitar o colapso.

Ryanair espera voar com Boeing 737 Max em Fevereiro/Março

20-09-2019 (15h50)

O CEO do Grupo Ryanair, Michael O’Leary, afirmou que Fevereiro ou início de Março é a previsão mais real para começar a voar com aviões Boeing 737 Max, modelo proibido de voar desde Março, após dois acidentes fatais.

Ryanair quer que tripulantes da base de Faro aceitem alterar contratos para sazonais

18-09-2019 (18h13)

A low cost Ryanair admitiu em “nota” de distribuição restrita recuar no encerramento da base de Faro, mas dizendo que a sua continuação “poderá agora ser possibilitada pelo acordo das tripulações baseadas” na infra-estrutura “em mudar para contratos sazonais, para reflectir a natureza sazonal do tráfego de e para o Algarve”.

Sindicato dos pilotos da British Airways desconvoca greve de 27 de Setembro

18-09-2019 (17h52)

O sindicato dos pilotos da British Airways (BALPA) desconvocou a greve prevista para 27 de Setembro e pretende iniciar “novas negociações” com a empresa sobre as condições laborais, segundo anunciou hoje.

Governo português aprova medidas adicionais para eventual hard Brexit

12-09-2019 (15h11)

O Conselho de Ministros aprovou hoje medidas de contingência adicionais para o caso de o Reino Unido sair da União Europeia sem acordo (hard Brexit), estendendo o actual plano até ao final de 2020 em relação aos serviços financeiros e segurança social.

Noticias mais lidas