Ryanair cancela 190 voos devido a greve de sexta-feira em seis países europeus

25-09-2018 (16h23)

Foto: Ryanair
Foto: Ryanair

A transportadora aérea Ryanair informou hoje que cancelou 190 de um total de 2.400 voos previstos para sexta-feira, no âmbito da greve dos tripulantes de cabina das bases de Espanha, Bélgica, Holanda, Portugal, Itália e Alemanha.

Em comunicado, a low cost garantiu que mais de 90% dos voos agendados não serão afectados pela “desnecessária greve por uma pequena minoria de tripulantes de cabina” em seis países.

Todos os clientes afectados receberam esta manhã 'emails' ou mensagens de telemóvel com avisos sobre os cancelamentos, acrescenta a empresa irlandesa, que calculou em 30 mil de um total de 450 mil passageiros que poderão ser afectados e a quem pediu desculpa.

“A Ryanair lamenta sinceramente estas interrupções desnecessárias para os clientes que foram convocadas pelos sindicatos a pedido dos funcionários das companhias aéreas concorrentes”, acusa a Ryanair em comunicado, que insiste que em Espanha e em Portugal o protesto foi marcado por tripulantes de outras companhias, nas quais trabalham os dirigentes sindicais.

Em Itália, a greve foi convocada por um “pequeno sindicato que não tem reconhecimento ou apoio entre os tripulantes de cabina”, acrescenta a empresa, que salienta também ter chegado a acordo na segunda-feira sobre o contrato colectivo de trabalho com três sindicatos italianos.

A Ryanair enumerou o “progresso significativo” alcançado nas últimas semanas nas negociações com os sindicatos de pilotos e tripulantes de cabina na Irlanda, Reino Unido, Itália e Alemanha, acrescentando que convidou as organizações sindicais na Bélgica, Holanda, Espanha, Portugal e Alemanha para conversações.

A transportadora assegura também ter concordado em adoptar contratos locais, assim como legislação e tributação locais, o mais rápido possível até 2019, desde que haja acordos com os sindicatos.

Daí, acrescenta, a sua “desilusão” pelos representantes dos trabalhadores incluírem tripulantes de outras companhias que fazem “campanhas pela greve, perturbam os clientes e prejudicam as operações da Ryanair em benefício dos seus empregadores”.

Os tripulantes têm reivindicado a aplicação das leis laborais nacionais e não da irlandesa.

Os pilotos da Holanda, associados do VNV, anunciaram que se associarão à greve de 24 horas de sexta-feira (para ler mais clique: Sindicato dos pilotos de bases holandesas da Ryanair adere a greve na sexta-feira).

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Ryanair

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Europa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Parques Reunidos compra maior parque aquático coberto do mundo por 226 milhões de euros

12-12-2018 (16h44)

O grupo espanhol Parques Reunidos assinou um acordo com a Tanjong para comprar o maior parque aquático coberto do mundo, o Tropical Islands, localizado na Alemanha, por 226 milhões de euros.

Ryanair ‘folga’ no dia de Natal

12-12-2018 (16h04)

A low cost Ryanair indicou hoje que não terá voos entre as 17h55 da véspera de Natal, hora a que prevê a última aterragem, e o dia 26, salientando que o 25 de Dezembro é “o único dia do ano em que a Ryanair não opera”.

Grupo Lufthansa transportou até Novembro mais passageiros que em todo o ano de 2017

11-12-2018 (16h46)

As companhias do grupo Lufthansa transportaram 132,4 milhões de passageiros nos primeiros onze meses deste ano, já tendo ultrapassado assim o total do ano de 2017, porque ultrapassou em muito o total do ano passado na Eurowings, incluindo Brussels.

TAP deixa rota Lisboa – Bucareste a partir de 27 de Janeiro

11-12-2018 (10h56)

A TAP, que retomou a rota Lisboa – Bucareste em Julho de 2017, depois de a ter interrompido em Março de 2016, vai voltar a deixar de voar entre as capitais de Portugal e Roménia a partir de 27 de Janeiro.

Governo britânico adia voto ao acordo do Brexit perante risco de rejeição por “grande margem”

10-12-2018 (17h06)

O governo britânico adiou a votação do acordo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE), anunciou hoje a primeira-ministra britânica, Theresa May, admitindo que seria rejeitado por uma "grande margem".