Passageiros afectados por incidente com o MSC Opera em Veneza serão reembolsados

04-06-2019 (10h53)

Foto: MSC Cruzeiros
Foto: MSC Cruzeiros

A MSC Cruzeiros anunciou que vai reembolsar os passageiros afectados pelo incidente com o seu navio MSC Opera em Veneza, no Domingo, e adiantou que cancelou o itinerário programado.

“A MSC Cruzeiros tomou a decisão de cancelar o cruzeiro actual até ao início do próximo e de reembolsar a cada passageiro o custo total do bilhete de cruzeiro e quaisquer serviços pré-pagos adquiridos”, indica a empresa em comunicado.

O MSC Opera, na chegada a Veneza, este Domingo, embateu numa doca e num barco turístico para atracar, conforme relataram órgãos de comunicação social italianos (clique para ler: MSC Opera embate na doca à chegada a Veneza).

Num comunicado divulgado ao fim do dia de ontem, a companhia de cruzeiros adianta que “as investigações para apurar as causas do incidente estão neste momento a demorar mais do que inicialmente previsto e, por esse motivo, dificilmente o navio voltará a navegar hoje ou amanhã [segunda ou terça-feira]”.

A empresa de cruzeiros, com sede na Suíça, refere também que “tem trabalhado desde o início em estreita colaboração com as autoridades envolvidas e disponibilizou total cooperação 24 horas por dia para ajudar a constituir todos os factos, bem como para recuperar todos os dados técnicos”.

A MSC Cruzeiros indica ainda que recebeu na manhã de segunda-feira permissão das autoridades para começar os trabalhos de restauração do navio, cujos estragos se limitam “à parte mais periférica do casco”.

A empresa avança que “o navio permanecerá disponível para todos os passageiros que pretenderem ficar a bordo, uma vez que ficará em Veneza até ao final do cruzeiro previamente programado”, e “todos os serviços e entretenimento a bordo continuarão a operar na sua totalidade”.

Já para os passageiros que quiserem desembarcar a qualquer momento e regressar a casa, “a MSC Cruzeiros vai disponibilizar toda a assistência necessária para o transporte e assumirá os custos”.

O acidente em San Basilio-Zaterre, no Canal Giudecca, pode ter acontecido devido à quebra de um dos cabos que ligam os navios de cruzeiro aos rebocadores que os ajudam a entrar nos canais, de acordo com o jornal Corriere della Sera.

A quebra do cabo faria com que o navio de cruzeiros não conseguisse parar por causa das fortes correntes que o empurravam para a doca, acrescentou.

O acidente causou dois feridos ligeiros e duas outras pessoas foram levadas para o hospital para observação, não tendo sido referida a sua nacionalidade.

O MSC Opera tem capacidade para transportar até 2.679 passageiros.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: MSC Cruzeiros

Clique para ver mais: Cruzeiros

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Thomas Cook Alemanha cancela todas as viagens para 2020

13-11-2019 (09h27)

A filial alemã do falido grupo Thomas Cook cancelou todas as reservas para viagens a partir de 1 de Janeiro de 2020.

DER Touristik quer ficar com agências Holiday Land e hotéis Sentido do grupo Thomas Cook

13-11-2019 (08h56)

A DER Touristik anunciou que chegou a acordo para comprar a rede de agências de viagens Holiday Land, incluindo os contratos de franquia, e que pretende adquirir a rede de hotéis Sentido, subsidiárias do falido grupo Thomas Cook.

Nove países da UE querem aumentar impostos sobre as companhias aéreas

12-11-2019 (15h06)

Nove países da União Europeia juntaram-se para exigir uma aviação mais limpa na Europa, um dos meios de transporte mais poluentes que consideram que está a ser taxado abaixo do que devia.

UE aceita adiamento “flexível” do Brexit até 31 de janeiro

28-10-2019 (12h06)

Os 27 Estados-membros da União Europeia concordaram hoje com um novo adiamento do Brexit até 31 de janeiro, oferecendo, contudo, ao Reino Unido a possibilidade de abandonar a União mais cedo se o parlamento ratificar o Acordo de Saída.

Alemanha provoca Setembro ‘no vermelho’ na hotelaria espanhola

24-10-2019 (16h12)

A hotelaria espanhola teve em Setembro a segunda quebra de dormidas este ano, com um decréscimo em 0,6%, provocado principalmente pela quebra do mercado alemão.

Noticias mais lidas