OMT prevê abrandamento do crescimento do turismo internacional este semestre

11-10-2018 (12h41)

Europa e Ásia e Pacífico lideraram crescimento na primeira metade do ano

A Organização Mundial do Turismo (OMT) prevê que o crescimento do turismo internacional, que estimou em 6% no primeiro semestre, abrande na segunda metade do ano, embora mantenha a perspectiva de "um forte impulso" este ano.

"Tendo em conta este sólido primeiro semestre, as perspectivas de crescimento para o resto de 2018 mantêm-se positivas em termos gerais, ainda que a um ritmo mais lento, segundo a última sondagem do índice de confiança da OMT", informou a agência das Nações Unidas para o turismo.

A organização especificou que "o índice para o período de Maio a Agosto, assim como as expectativas de Setembro a Dezembro, são algo menores que o valor do índice para os meses de Janeiro a Abril".

Segundo a OMT o turismo internacional cresceu 6% a nível mundial no primeiro semestre, com a Europa e a Ásia e Pacífico a liderarem com aumentos de 7%, seguidas pelo Médio Oriente, com 5%, África, com 4%, e Américas, com 3%.

Os dados divulgados pela OMT mostram que o crescimento do turismo internacional mais forte na Europa foi impulsionado principalmente pela evolução na Europa do Sul e Mediterrâneo, onde inclui Portugal, que é a região que recebe mais turistas, com 267,5 milhões em 2017, e a que tem o crescimento mais forte, com +8,7% no primeiro semestre, nomeadamente pelos aumentos acima de 9% em Maio (9,5%) e Junho (9,2%).

A região com o crescimento mais forte na primeira metade do ano foi no entanto o Sudeste Asiático, com um aumento em 9,4%, neste caso principalmente pelo aumento em 11,3% no primeiro trimestre.

O boletim publicado pela OMT especifica que o crescimento médio do turismo internacional na Ásia e Pacífico no primeiro semestre foi de 7,4%, acima dos 6,8% verificados na Europa, cuja média foi penalizada pelos 0,9% na Europa do Norte, uma vez que a Europa Ocidental teve um aumento em 6,7%, a Europa Central e do Leste teve +7% e a Europa do Sul e Mediterrânica teve +8,7%.

Para as Américas, a OMT indicou um crescimento médio em 3,3% no primeiro semestre, penalizado pelas quebras de 9,4% nas Caraíbas e 0,4% na América Central e suportado pelos aumento de 5,3% na América do Norte e 7,4% na América do Sul.

Relativamente a África, os dados da OMT indicam que o aumento médio no semestre em 4% foi ‘puxado' pela subida em 6,9% no Norte de África, enquanto na África Subsahariana o crescimento foi de 2,7%.

 

Clique para mais notícias: OMT

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Escandinava SAS programa voos de cinco cidades da Dinamarca, Noruega e Suécia para Faro

11-10-2018 (13h10)

A companhia de aviação escandinava SAS, membro da Star Alliance como a TAP, tem programado voar para Faro, Algarve, no próximo Verão de Aarhus, na Dinamarca, Gotemburgo, na Suécia, e Oslo, na Noruega.

easyJet cresce 10,2% em 2017/2018, mas fica aquém do que antecipava

08-10-2018 (17h35)

A low cost easyJet transportou 88,45 milhões de passageiros nos 12 meses terminados em Setembro, o que corresponde ao seu exercício 2017/2018, ficando assim aquém da previsão de 90 milhões que tinha avançado em Dezembro de 2017.

Navio de cruzeiros Costa Fortuna volta a navegar no Mediterrâneo após renovação

08-10-2018 (15h07)

A Costa Cruzeiros anunciou que vai investir oito milhões de euros na renovação do Costa Fortuna, que está actualmente na Ásia e que vai voltar a fazer itinerários no Mediterrâneo a partir de Março de 2019.

Grupo Pestana vai abrir cinco hotéis em Lisboa e no Porto e reforçar presença internacional da marca Pestana CR7

02-10-2018 (15h41)

O Pestana Hotel Group (PHG) vai investir 44 milhões de euros na abertura de cinco novos hotéis em Lisboa e Porto, anunciou hoje o administrador responsável pelo desenvolvimento do grupo, José Roquette.

Primera Air declara falência e cessa todos os voos

02-10-2018 (13h30)

A companhia de aviação islandesa Primera Air, que ligava os países nórdicos a destinos turísticos da Europa, incluindo Portugal, informou hoje que deixou de operar à meia-noite de segunda-feira, depois de declarar falência.