Lufthansa responsabiliza excesso de capacidade na Europa pela quebra de resultados

17-06-2019 (15h15)

Foto: Lufthansa
Foto: Lufthansa

O grupo Lufthansa, maior grupo de aviação da Europa em número de passageiros e em tráfego medido em RPK (passageiros x quilómetros voados), responsabiliza um alegado excesso de capacidade na Europa por uma evolução pior do que previa, mas os seus dados mostram que a subsidiária mais problemática é a Eurowings, que até era identificada com o negócio de voos de longo curso low cost.

“Na Eurowings, espera-se que a receita unitária [receita de passagens por lugar voado um quilómetro) cai significativamente no segundo trimestre de 2019” e para o conjunto deste ano, a previsão é que a quebra fique na ordem dos 5%, na medida que a sua gestão decidiu mais medidas de turnaround que serão anunciadas proximamente, diz o comunicado divulgado pelo grupo.

Esta evolução da Eurowings é, porém, apenas uma das questões elencadas pelo grupo Lufthansa para justificar a revisão em baixa da sua previsão de resultados operacionais este ano (para ver mais clique: Lufthansa alarma mercados com revisão em forte baixa da previsão de resultados).

Uma degradação do mercado de voos de curto e médio curso, devido a sobrecapacidade “provocada por companhias dispostas a aceitas perdas significativas para expandirem a sua quota de mercado”, é a primeira causa apontada pelo grupo Lufthansa que, a despeito dessa apreciação, promete “defender vigorosamente” as quotas de mercado, tanta das companhias de rede quanto da Eurowings.

A comunicação da Lufthansa realça que essa ‘luta por quota de mercado’ degrada os yields (preço médio por quilómetro voado), que afecta igualmente as linhas de longo curso, se bem que o grupo considere que o seu negócio neste segmento “continua forte”, com “desempenho especialmente positivo” nas linhas transatlânticas e procura “elevada” nas linhas da Ásia.

Só que, acrescenta, “a força no longo curso, porém, está a ser penalizada por pressões de preço na Europa, onde a procura tornou-se crescentemente sensível ao preço, resultando em baixos yields”.

A resposta das suas companhias de rede vai ser reduzir ainda mais os seus planos de evolução da capacidade, especialmente para o Inverno 2019/2020, para o qual têm previsto apenas um aumento “marginal”.

Ainda assim, a sua previsão é que o grupo das suas companhias de rede registe este ano um decréscimo de um dígito baixo da sua receita unitária ajustada de efeitos cambiais.

 

Clique para mais notícias: Lufthansa

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Europa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Espanha e Reino Unido reforçam atracção de gastos turísticos dos portugueses

22-08-2019 (14h31)

Espanha e Reino Unido foram os dois destinos que no primeiro semestre mais aumentaram as respectivas participações nos gastos turísticos dos portugueses, atingindo respectivamente 30,1% e 10,1%.

Tráfego aéreo de/para Portugal cresce acima da média da UE no 1º semestre

21-08-2019 (15h29)

Portugal foi um dos países cujos aeroportos tiveram aumentos de passageiros no primeiro semestre “bem acima da média da União Europeia”, informou o ACI Europe, associação que conta com mais de 500 aeroportos em 45 países europeus, que em 2018 somaram mais de 2,3 mil milhões de passageiros.

Norwegian Air suspende seis rotas entre Irlanda e América do Norte

16-08-2019 (10h22)

A Norwegian Air, considerada pioneira dos voos transatlânticos low cost, anunciou o cancelamento de seis rotas entre a Irlanda e a América do Norte, justificando a decisão com a suspensão de voos em Boeing 737 MAX, modelo afectado por dois acidentes fatais.

Aigle Azur quer vender operação para Portugal à low cost espanhola Vueling

12-08-2019 (14h39)

A companhia francesa Aigle Azur, que tem como accionistas maioritários o grupo chinês HNA e o accionista de referência da TAP e da Azul, David Neeleman, procura vender a sua operação em Orly para Porto, Faro e Funchal como forma de obter liquidez para se manter a voar, segundo a imprensa francesa.

Associação de pilotos europeus critica Ryanair por segundo Verão consecutivo de instabilidade laboral

09-08-2019 (12h41)

A Associação Europeia de Cockpit (ECA), que representa 40 mil pilotos europeus, criticou hoje a instabilidade laboral na companhia aérea Ryanair, situação que se repete pelo segundo Verão consecutivo e “pelos mesmos motivos”.

Noticias mais lidas