Lufthansa é o grupo de aviação europeu com mais passageiros em 2018

10-01-2019 (16h06)

Foto: Lufthansa
Foto: Lufthansa

O grupo Lufthansa reforçou em 2018 a liderança da aviação europeia em número de passageiros transportados, com um aumento em 10% ou 12,295 milhões, atingindo um total de 142,335 milhões.

O número 2 foi a Ryanair, que, com a Laudamotion, somou 139,2 milhões de passageiros, +8% ou mais 10,3 milhões que em 2017.

Seguiu-se o IAG, com 112,92 milhões de passageiros, +7,7% ou mais 8,09 milhões que em 2017, e, por último, o grupo Air France KLM, que foi o que menos cresceu entre os maiores grupos de aviação europeus, com 101,447milhões, +2,8% ou mais 2,736 milhões que em 2017.

Por companhias, a líder é a Ryanair, com 137 milhões de passageiros, +6,4% ou mais 8,23 milhões que em 2017, presumivelmente à frente da easyJet, que desde Novembro deixou de divulgar mensalmente os dados de tráfego, com os seus dados relativos aos primeiros dez meses do ano  mostrarem um total de 75,022 milhões de passageiros, +6,6% ou mais 4,62 milhões que no período homólogo de 2017.

Segue-se a Lufthansa German Airlines, com 70,108 milhões de passageiros, em alta de 6,5% ou 3,87 milhões, e presumivelmente a Air France, com 51,449 milhões +0,4% ou mais apenas 200 mil que em 2017.

Porém, não é possível ainda posicionar as companhias do IAG, pois este grupo não divulga o número de passageiros por companhia, mas apenas os RPK.

Neste indicador, que a Ryanair não divulga mensalmente, a maior companhia dos grandes grupos de aviação europeus é a Lufthansa, com 160.074 milhões de RPK, seguida pela British Airways, com 152.177 milhões, Air France, com 147.729 milhões, KLM, com 107.676 milhões, Iberia, com 61.354 milhões, Eurowings, com 52.609 milhões, e Swiss, com 50.204 milhões.

O aumento mais forte face a 2017 foi da Eurowings, em 23,4%, seguida pela Iberia, com +11,7%, Swiss, com +10,1%, Vueling, com +9,8%, e Aer Lingus, também com +9,8%.

O maior aumento absoluto de tráfego em RPK foi da KLM, com mais 22.986 milhões de RPK que em 2017, seguida pela Eurowings, com mais 9.962 milhões, Lufthansa German Airlines, com mais 6.906 milhões, e Iberia, com mais 6.413 milhões.

 

Para ver mais clique:

Lufthansa lidera crescimento na Europa e destrona Air France

 

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Lufthansa

Clique para mais notícias: Air France KLM

Clique para mais notícias: IAG

Clique para mais notícias: Ryanair

Clique para mais notícias: Europa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Ryanair assina acordo com a SiteMinder para vender hotéis na Europa

21-01-2019 (14h15)

A Ryanair, que há uma semana deu por terminada a sua incursão na venda online de pacotes turísticos, assinou um acordo com a SiteMinder para comercializar hotéis na Europa através da sua plataforma Ryanair Rooms.

Ryanair alega queda mais forte das tarifas para emitir profit warning

18-01-2019 (16h12)

A low cost Ryanair baixou em cerca de cem milhões de euros o intervalo da previsão de lucros do exercício 2017/2018, que termina em Março, apontando como causa uma queda dos preços dos voos mais forte do que antecipara.

Norwegian vai encerrar bases em Espanha, Itália e EUA

18-01-2019 (11h30)

A companhia de aviação Norwegian Air Shuttle anunciou que vai encerrar a partir de Abril várias bases em Espanha, Itália e Estados Unidos, para melhorar o seu desempenho financeiro.

Aeroportos portugueses já ficaram em Novembro abaixo do crescimento médio na União Europeia

17-01-2019 (17h49)

O estancamento do Aeroporto de Lisboa arrastou o país dos tops de crescimento da aviação comercial na União Europeia para níveis inferiores à média, de acordo com o ACI Europa, que até mostrou Faro no Top5 de crescimento em Novembro dos aeroportos com cinco milhões a dez milhões de passageiros por ano.

“A festa poderá estar a acabar em breve”, avisa director-geral do ACI Europa

17-01-2019 (17h47)

O director-geral do ACI Europe, Olivier Jankovec, citado em comunicado da organização, comentou que os dados de Novembro mostram que o transporte aéreo de passageiros “continuam a desafiar um ambiente geopolítico e económico crescentemente desafiador”, mas que “a festa poderá estar a acabar em breve”.