Governo britânico reforça medidas contra drones após caos no aeroporto de Gatwick

08-01-2019 (13h42)

Foto: Aeroporto de Gatwick/JMilstein
Foto: Aeroporto de Gatwick/JMilstein

O governo britânico anunciou hoje o reforço de medidas contra 'drones', após a presença destes aparelhos na pista ter provocado o caos no aeroporto de Gatwick, em Londres, em finais de Dezembro.

As aeronaves não tripuladas (‘drones’) vão ser proibidas numa área de cinco quilómetros ao redor dos aeroportos, um aumento face à distância imposta até agora (um quilómetro), indicou na noite de segunda-feira o Governo.

A partir de 30 de novembro, os detentores de drones que pesam entre 250 gramas e 20 quilos vão ter que se registar e passar por um teste de competências para pilotar drones.

A polícia pode aplicar multas de até 100 libras (112 euros) se, por exemplo, um utilizador de drone se recusar a pousar o aparelho ou não apresentar prova de registo.

O ministro dos Transportes, Chris Grayling, denunciou na Câmara dos Comuns um acto "deliberado" e advertiu que os responsáveis "enfrentarão pena de detenção máxima por esse acto criminoso extremamente irresponsável".

Os dois maiores aeroportos do Reino Unido, Heathrow e Gatwick, anunciaram que vão investir vários milhões de libras em equipamentos anti-‘drones’.

No dia 25 de Dezembro, o secretário de Estado da Segurança, Ben Wallace, anunciou em comunicado que o país utilizará sistemas de deteção de ‘drones’, sem especificar como são ou com que rapidez serão adoptados.

“A grande proliferação destes aparelhos, juntamente com os desafios de adoptar medidas militares em ambiente civil, faz com que não haja soluções fáceis” para este problema, sublinhou Wallace.

“No entanto, posso dizer que agora podemos usar sistemas de detecção em todo o Reino Unido para combater estas ameaças”, afirmou.

O secretário de Estado advertiu que quem usar ‘drones’ com fins criminosos deve esperar “condenações graves” e mostrou-se confiante de que a polícia conseguirá localizar os responsáveis que provocaram o caos no aeroporto de Gatwick.

No dia 22 de dezembro, todos os voos no Aeroporto de Gatwick ficaram suspensos e mais de 100.000 passageiros foram afectados, após alguns drones terem sido vistos nas imediações da pista.

A gravidade da situação obrigou o Governo a deslocar o exército para localizar os objetos voadores por controlo remoto, mas sem que até agora se tenha esclarecido o incidente.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Europa

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Ryanair assina acordo com a SiteMinder para vender hotéis na Europa

21-01-2019 (14h15)

A Ryanair, que há uma semana deu por terminada a sua incursão na venda online de pacotes turísticos, assinou um acordo com a SiteMinder para comercializar hotéis na Europa através da sua plataforma Ryanair Rooms.

Ryanair alega queda mais forte das tarifas para emitir profit warning

18-01-2019 (16h12)

A low cost Ryanair baixou em cerca de cem milhões de euros o intervalo da previsão de lucros do exercício 2017/2018, que termina em Março, apontando como causa uma queda dos preços dos voos mais forte do que antecipara.

Norwegian vai encerrar bases em Espanha, Itália e EUA

18-01-2019 (11h30)

A companhia de aviação Norwegian Air Shuttle anunciou que vai encerrar a partir de Abril várias bases em Espanha, Itália e Estados Unidos, para melhorar o seu desempenho financeiro.

Aeroportos portugueses já ficaram em Novembro abaixo do crescimento médio na União Europeia

17-01-2019 (17h49)

O estancamento do Aeroporto de Lisboa arrastou o país dos tops de crescimento da aviação comercial na União Europeia para níveis inferiores à média, de acordo com o ACI Europa, que até mostrou Faro no Top5 de crescimento em Novembro dos aeroportos com cinco milhões a dez milhões de passageiros por ano.

“A festa poderá estar a acabar em breve”, avisa director-geral do ACI Europa

17-01-2019 (17h47)

O director-geral do ACI Europe, Olivier Jankovec, citado em comunicado da organização, comentou que os dados de Novembro mostram que o transporte aéreo de passageiros “continuam a desafiar um ambiente geopolítico e económico crescentemente desafiador”, mas que “a festa poderá estar a acabar em breve”.